Vladimiro Caposso, o “homem novo”: considerações sobre a distopia pós-revolucionária em Predadores, de Pepetela

Palavras-chave: Literatura. Pepetela. Angola. Predadores.

Resumo

O presente trabalho aborda a oposição entre o homem novo angolano, idealizado durante as lutas de libertação, frente à ascensão do novo homem angolano, forjado a partir de valores capitalistas no romance Predadores, de 2005. Os tensionamentos delineados pela conjugação utopia-distopia, ou seja, homem novo-novo homem, traduzem, em boa medida, não somente as problemáticas enfrentadas por Angola na atualidade, mas o elemento central da atuação literária de Pepetela: a busca por identificações a serem pensadas a partir das falhas que marcam os dois modelos subjetivos – bem como as interpretações e adaptações realizadas a partir de tais perfis. Para estudarmos a obra, recorreremos em especial a Fanon (1979), Frade (2007) e Mudimbe (2012).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDERSON, Benedict. Comunidades Imaginadas. Tradução de Denise Bottman. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

ARAÚJO, Kelly Cristina Oliveira. “Um só povo, uma só nação”: o discurso do Estado para a construção do homem novo em Angola (1975-1979). Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas de São Paulo, São Paulo, 2005.

BARBEITOS, Arlindo. A sociedade civil: estado, cidadão e identidade em Angola. Lisboa: Novo Imbondeiro, 2006.

CHAVES, Rita. A formação do romance angolano: entre intenções e gestos. São Paulo: Coleção Via Atlântica, 1999.

FANON, Frantz. Os condenados da terra. Tradução de José Laurênio de Melo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.

FRADE, Ana Maria Duarte. A Corrupção no Estado Pós-Colonial em África: duas visões literárias. Porto: Edições Eletrónicas CEAUP, 2007. Disponível em: https://www.africanos.eu/images/publicacoes/livros_electronicos/EB002.pdf. Acesso em: 21 set. 2019.

FROMM, Erich. O conceito Marxista do Homem. Tradução de Octavio Alves Velho. Rio de Janeiro: Zahar, 1962.

GONÇALVES, António Custódio. Tradição e Modernidade na (Re) Construção de Angola. Porto: Edições Afrontamento, 2003.

GONÇALVES, António Custódio. A história revisitada do Kongo e de Angola. Lisboa: Estampa, 2005.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

MATA, Inocência. Ficção e História na literatura angolana: o caso de Pepetela. Edições Colibri: Lisboa, 2010.

MUDIMBE, Valentin. Yves. A ideia de África. Luanda: Edições Mulemba, 2012.

MBEMBE, Achile. Crítica da razão negra. Lisboa: Antígona, 2014.

NETO, Agostinho. Discurso da independência de Angola. [S. l: s. n.]: 1975. Disponível em: https://www. governo.gov.ao/. Acesso em: 21 set. 2019.

PEPETELA. A geração da utopia. Lisboa: Dom Quixote, 1997.

PEPETELA. Predadores. Rio de Janeiro: Língua Geral, 2008.

RUI, Manuel. Angola, avante. [S. l.: s. n.]: 1975. Disponível em: https://www.governo.gov.ao/. Acesso em: 21 set. 2019.

VENÂNCIO, José Carlos. Multiculturalismo e literatura nacional em Angola. In: GONÇALVES, António Custódio. Multiculturalismo, Poderes e Etnicidades na África Subsariana. Porto: Faculdade de Letras/Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto, 2002.

Publicado
2020-06-09
Como Citar
Dias, M. S. (2020). Vladimiro Caposso, o “homem novo”: considerações sobre a distopia pós-revolucionária em Predadores, de Pepetela. Navegações, 13(1), e35770. https://doi.org/10.15448/1983-4276.2020.1.35770
Seção
Artigos