O entrelaçar da história e da ficção em Só as mulheres sangram

Palavras-chave: Feminismo negro, Literatura afro-brasileira, Questões identitárias

Resumo

Neste estudo, problematizamos as relações entre a história e a ficção em quatro, dos nove, contos que compõem a narrativa afro-brasileira Só as mulheres sangram, escrita por Lia Vieira (2017). A obra aponta à vulnerabilidade social da população negra no Brasil, e às heranças escravagista, colonial e patriarcal. Para desvendar tais questões a pesquisa, bibliográfica e analítica, tem como base teórica as relações entre a História e a Literatura (PESAVENTO, 2003; RICOUER, 1997; GINZBURG, 2007); a concepção de literatura afro-brasileira (DUARTE; 2016); e a Teoria do conto (GOTLIB, 2012; MARIA, 2004). A análise permitiu concluir que os contos mantêm diálogo constante com a realidade histórica na qual se inserem. Ao dar ênfase à afetividade e a ancestralidade do povo negro, bem como à emancipação feminina, tais narrativas valorizam a identidade e o lócus enunciativo desses sujeitos, fomentando, assim, reflexões sobre a necessidade de enfrentamento das desigualdades e dos fluxos hegemônicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elizane Souza dos Santos Henriques, Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), Ilhéus/BA, Brasil.

Mestra em Letras: Linguagens e Representações pela Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), em Ilhéus, BA, Brasil; graduada em Comunicação Social – Rádio e TV, pela Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), em Ilhéus, BA, Brasil.

Inara de Oliveira Rodrigues, Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), Ilhéus/BA, Brasil.

Doutora em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil; mestre em Letras pela mesma instituição; bacharel em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRS), em Porto Alegre, RS, Brasil; realizou estágio pós-doutoral em Literatura na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Professora titular da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), em Ilhéus, BA, Brasil, atuando no Curso de Letras, no Programa de Pós-Graduação (Mestrado e Doutorado) em Letras: Linguagens e Representações e no Mestrado em História: Atlântico e Diáspora Africana.

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Sejamos todos feministas. Tradução de Christina Baum. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

BRUM, Mario. Favelas e remocionismo ontem e hoje: da Ditadura de 1964 aos Grandes Eventos. O Social em Questão, Rio de Janeiro, n. 29, p. 179-208, jan. 2013. Disponível em: http://osocialemquestao.ser.puc-rio.br/media/8artigo29.pdf. Acesso em: 3 mar. 2019.

CARNEIRO, Sueli. Racismo e sexismo e desigualdade no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2011.

CUTI, Luiz Silva. Literatura negro-brasileira. São Paulo: Selo Negro, 2010.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. Tradução de Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo, 2016.

DUARTE, Eduardo de Assis. Literatura Afro-brasileira: um conceito em construção. In: AFOLABI, Niyi; BARBOSA, Márcio; RIBEIRO, Esmeralda (org.) A mente afro-brasileira. Trenton-NJ, EUA/Asmara, Eritréia: África World Press, 2007. p. 103-112.

DOMINGUES, Petrônio. Como se fosse bumerangue: Frente Negra Brasileira no circuito transatlântico. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 28, n. 81, p.156-256, fev. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v28n81/10.pdf. Acesso em: 22 jan. 2019.

FONSECA, Maria Nazareth Soares (org.) Diálogos entre História e Literatura em obras literárias africanas e brasileiras. Revista Historiæ, Rio Grande, v. 6, n. 1, p. 243-267, 2015. Disponível em: https://periodicos.furg.br/hist/article/view/5416. Acesso em: 18 abr. 2019.

GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

HOOKS, bell. Vivendo de amor. Tradução de Maisa Mendonça. Ed. rev. Washington: Seal Press, 1994.

MIRIAM Alves – Dados biográficos. In: LITERAFRO. Portal da literatura afro-brasileira, Belo Horizonte, 6 jul. 2018. Disponível em: http://www.letras.ufmg.br/literafro/autoras/348-miriam-alves. Acesso em: 7 jan. 2019.

LEITE, Márcia Pereira. Entre o individualismo e a solidariedade: dilemas da política e da cidadania no Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 15, n. 44, p. 73-90, out. 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v15n44/4148.pdf. Acesso em: 9 jan. 2019.

MATA, Inocência. Estudos pós-coloniais: desconstruindo genealogias eurocêntricas. Revista Civitas, Porto Alegre, v. 14, n. 1, p. 27-42, jan. abr. 2014. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/civitas/article/view/16185/10957. Acesso em: 27 jun. 2018.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. Tradução de Marta Lança. Portugal: Antígona, 2014.

OLIVEIRA, Luiz Henrique Silva de; RODRIGUES, Fabiane Cristine. Panorama editorial da literatura afro-brasileira através dos gêneros romance e conto. Em Tese, Belo Horizonte, v. 22 n. 3, p. 90-107, set./dez. 2016. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/emtese/article/view/11269/10712. Acesso em: 24 de jan. 2019.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. O mundo como texto: leituras da História e da Literatura. Revista de História da Educação, Porto Alegre, n. 14, p. 31-45, 2003. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/asphe/article/view/30220/pdf. Acesso em: 12 fev. 2019.

REIS, Maria Firmina dos. Úrsula. Porto Alegre: RS: Zouk, 2018.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. Tradução de Roberto Leal Ferreira. Campinas: Papirus, 1997. t. III

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2017.

SILVA, Jorge Mário da; SANTA ANA, Marcelo Fontes do Nascimento Viana de; TASSANO, Ulisses Capelletti. A carne. In: FAROFA CARIOCA. Moro no Brasil. Rio de Janeiro: Polygram, 1998. 1 CD. Faixa 7.

VALQUER, Leandro. A história de Maria Bonita. Raça, out. 2016. Seção: Especiais. Disponível em: https:// revistaraca.com.br/a-historia-de-maria-bonita. Acesso em: 22 mar. 2019.

VIEIRA, Lia. Só as mulheres sangram. Belo Horizonte: Nandyala, 2017.

Publicado
2021-12-16
Como Citar
Henriques, E. S. dos S., & Rodrigues, I. de O. (2021). O entrelaçar da história e da ficção em Só as mulheres sangram. Navegações, 14(2), e35687. https://doi.org/10.15448/1983-4276.2021.2.35687
Seção
Ensaios