Elementos metapoéticos do poema “Ave inquieta” de Afonso Duarte

Palavras-chave: Afonso Duarte. Concisão. Imitação. Temática Amorosa.Afonso Duarte. Concisão. Imitação. Temática Amorosa.

Resumo

O objetivo deste artigo é identificar alguns dos princípios teóricos que nortearam o trabalho poético do poeta português Afonso Duarte. Para isso, nós iremos estudar um de seus metapoemas, o “Ave Inquieta”, a partir das ideias de Aristóteles, Horácio, Longino e outros teóricos sobre a concisão e imitação. Por isso, dividimos nosso trabalho em duas partes. Na primeira, utilizando esse referencial teórico, procuramos definir o conceito de concisão, discutindo a sua importância. Na segunda, analisamos a questão da valorização da brevidade, do papel da poesia, do poeta e da proeminência da temática amorosa a partir da ideia de imitação da natureza.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABRAMS, M. H. O espelho e a lâmpada. São Paulo, Editora UNESP, 2010.

ADERALDO, Noemi Elisa. Acerca da ‘Presença’. Revista de Letras, Fortaleza, v. 13, n. 1/2, p. 187-192, 1988. Disponível em: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/ 17394. Acesso em: 08 jul. 2019.

AIRES, Tiago Manuel Martins. Arlindo Barbeitos: Poética da Concisão. 2009. 113 f. Dissertação (Mestrado em Literaturas Românicas, Estudos Brasileiros e Africanos) – Universidade de Lisboa, Lisboa, 2009. Disponível em: http://repositorio. ul.pt/handle/ 10451/1718. Acesso em: 04 jul. 2019. https:// doi.org/10.32385/rpmgf.v29i2.11056

ALVES, Leonardo da Silva. A profusão metapoética em Faustino. 2009. 127 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, 2009. Disponível em: http://repositorio.furg.br/handle/1/2923. Acesso em: 14 nov. 2017. Acesso em: 14 jul. 2019. https:// doi.org/10.18605/2175-7275/cereus.v10n2p12-25

BARRIVIERA, Alessandro. Poética de Aristóteles: tradução e notas. 2006. 128 f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006. Disponível em: http://repositorio.unicamp. br/ jspui/handle/REPOSIP/268984. Acesso em: 01 jul. 2019. https://doi.org/10.34037/978-989-54295-2-3_3_8

CAMÕES. 2006 Amor é fogo que arde sem se ver. Poemas do mundo, 2006. Disponível em: https://poemasdomundo.wordpress.com/2006/06/10/amor-e-fogo-que-arde-sem-se-ver/. Acesso em: 16 jul. 2019.

CASACA, João Diogo. Manual de produção de pólen e própolis. Lisboa: FNAP – Federação Nacional dos Apicultores de Portugal, 2010. Disponível em: http://fnap.pt/projectos/ manuais-tecnicos-de-divulgacao/. Acesso em: 10 jul. 2019.

CORTÁZAR, Julio. Valise de Cronópio. São Paulo: Perspectiva, 2008.

DUARTE, Afonso. Lápides e outros poemas (1956-1957). Lisboa: Iniciativas Editorias, 1960.

FERREIRA, Maria Augusta Pablo Trindade. O poeta e o homem: Afonso Duarte. Montemor-O-Velho: Câmara Municipal de Montemor-O-Velho, 2013. Disponível em: https://issuu. com/cm_mv/docs/afonso_duarte. Acesso em: 10 jul. 2019.

FILHO, Linhares. O Poético como humanização em Miguel Torga. Fortaleza: Casa José de Alencar/UFC, 1997.

FURLAN, Mauri. Ars Traductoris: Questões de LeituraTradução da Ars Poetica de Horácio. 1998. 138f. Dissertação (Mestrado em Literatura: Teoria da Tradução) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1998. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/77364. Acesso em: 01 jul. 2019. https://doi.org/10.20873/uft. 2525-4863.2017v2n3p965

LONGINO, Dionísio. Do sublime. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra; São Paulo: Annablume Editora, 2015. Disponível em: https://digitalis-dsp.uc.pt/bitstream/10316.2/38162/1/Do%20Sublime.pdf. Acesso em: 02 jul. 2019.

PLATÃO. Protágoras. Tradução de Carlos Alberto Nunes. Belém: EDUFPA, 2002.

SCHOPENHAUER, Arthur. A arte de escrever. Porto Alegre: L&PM, 2005. Disponível em: https://archive.org/stream/SCHOPENHAUERA.AArteDeEscrever/SCHOPENHAUER%2C%20A.%20A%20Arte%20de%20 Escrever#page/n3/mode/2up. Acesso em: 02 jul 2019.

SPALDING, Marcelo. Os cem menores contos brasileiros do século e a reinvenção do miniconto na literatura brasileira contemporânea. 2008. 81f. Dissertação (Mestrado em Literatura Brasileira, Portuguesa e Luso-Africanas) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/13816. Acesso em: 01 jul. 2019. https://doi.org/10.35520/flbc.2014.v6n12a17304

Publicado
2020-01-06
Como Citar
Lage, R. C. (2020). Elementos metapoéticos do poema “Ave inquieta” de Afonso Duarte. Navegações, 12(2), e35260. https://doi.org/10.15448/1983-4276.2019.2.35260
Seção
Ensaios