“Assinatura quotidiana da minha escritura com a morte”: a relação de Bandeira e Pessoa com a noite

Palavras-chave: Modernismo. Manuel Bandeira. Fernando Pessoa. Noite. Morte.

Resumo

Dois grandes representantes do movimento modernista de seus países, Manuel Bandeira (1886-1968) e Fernando Pessoa (18881935), contemporâneos, apresentam uma forma peculiar de representação da morte em seus escritos. Bandeira a tem como leitmotiv de sua produção, enquanto Pessoa sutilmente a insere em sua poesia seja por meio de seu ortônimo ou seus heterônimos, às vezes com certa ironia, outras com naturalidade. Nesse sentido, este trabalho tem por princípio estudar a “escritura com a morte” analisando alguns poemas dos escritores que remetem a esse tema, em especial, aqueles que utilizam a noite como sinônimo/metáfora dele, apoiando-se nos diálogos de Berenice Berardinelli, Donaldo Schüler, Antônio Cândido, Gaston Bachelard e Octavio Paz, no sentido de procurar pontos de encontros entre essas poéticas noturnas de morte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BACHELARD, Gaston. A Filosofia do não; O novo espírito científico; A poética do espaço. Trad. Joaquim Jose Moura Ramos et al. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

BANDEIRA, Manuel. Estrela da vida inteira. 20. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

BANDEIRA, Manuel. Poesia e prosa. Rio de Janeiro: José Aguilar, 1958.

BRANDÃO, Junito de Souza. Mitologia grega. 18. ed. Petrópolis: Vozes, 1986. v. 1.

CAMPOS, Paulo Mendes. Manuel Bandeira fala de sua obra. Província de São Pedro, Porto Alegre, n. 13, p. 124-140, 1949.

DELUMEAU, Jean. História do medo no ocidente: 1300 –1800, uma cidade sitiada. Trad. Maria Lucia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

FORESTI, Nara Boneti. O entre espaços tempos e gêneros em Manuel Bandeira. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal de Santa Catariana, Ilha de Santa Catarina, 2001. 166f. Disponível em: https://repositorio. ufsc.br/bitstream/handle/123456789/79871/180545.pdf?sequence=1. Acesso em: 24 jul. 2016. https://doi.org/10.21840/ siic/150549

HESíODO. Teogonia; Trabalhos e Dias. Trad. Sueli Maria de Regino. São Paulo: Martin Claret, 2010.

MASSAUD, Moisés. Fernando Pessoa: o espelho e a esfinge. São Paulo: Cultrix: Editora da Universidade de São Paulo, 1988. https://doi.org/10.29182/hehe.v17i2.301

PAZ, Octavio. O arco e a lira. Trad. Ari Roitman e Paulina Wacht. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

PESSOA, Fernando. Poesias Inéditas (1919-1930). Lisboa: Ática, 1956. Disponível em: http://arquivopessoa.net/textos/3643. Acesso em: 30 jun. 2016.

PESSOA, Fernando. Novas poesias inéditas. Org. Maria do Rosário Marques Sabino e Adelaide Maria Monteiro Sereno. 4. ed. Lisboa: Ática, 1993. Disponível em: http://arquivopessoa.net/textos/271. Acesso em: 30 jun. 2016.

PESSOA, Fernando. Poesias. 15. ed. Lisboa: Ática, 1995. Disponível em: http://arquivopessoa.net/textos/2027. Acesso em: 27 set. 2016.

PESSOA, Fernando. Poesia 1902-1917. Ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas e Madalena Dine. Lisboa: Assírio & Alvim, 2005.

PESSOA, Fernando. Poesia 1931-1935 e Não-datada. Ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas e Madalena Dine. Lisboa: Assírio & Alvim, 2006.

PESSOA, Fernando. Poesias. Org. Sueli Barros Cassal. Porto Alegre: L&PM, 2016.

PITTELLA-LEITE, Carlos. Noturnos de Pessoa: Noite, Morte & Temporalidade nos Sonetos de Fernando Pessoa. Pessoa Plural. [S. l.], n. 6, p. 125-151, outono de 2014. Disponível em: https://www.brown.edu/Departments/Portuguese_ Brazilian_Studies/ejph/pessoaplural/Issue6/PDF/I6A07. pdf. Acesso em: 25 jun. 2016. https://doi.org/10.17771/ pucrio.acad.30086

SCHÜLER, Donaldo. A racionalidade no ortônimo Fernando Pessoa. Organon: Revista da Faculdade de Filosofia, Porto Alegre, n. 11, p. 63-79, 1966. Disponível em: http://seer.ufrgs. br/index.php/organon/article/view/38958/24901. Acesso em: 15 ago. 2017. https://doi.org/10.22456/2238-8915.38958

SILVEIRA, Nise da. Jung Vida e obra. 3. ed. Rio de Janeiro: José Álvaro Editor, 1974.

SOUZA, Gilda de Mello e; CâNDIDO, Antônio. Introdução. In: BANDEIRA, Manuel. Estrela da vida inteira. 20. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

Publicado
2020-01-06
Como Citar
Rodrigues, L. C. A. (2020). “Assinatura quotidiana da minha escritura com a morte”: a relação de Bandeira e Pessoa com a noite. Navegações, 12(2), e27255. https://doi.org/10.15448/1983-4276.2019.2.27255
Seção
Ensaios