A trajetória de Rosa Maria Egipcíaca e o silenciamento cultural dos africanos no romance de Heloisa Maranhão

Palavras-chave: Rosa Maria Egipcíaca. Metaficção historiográfica. Revisionismo. Escravidão.

Resumo

Este estudo busca analisar o romance Rosa Maria Egipcíaca da Vera Cruz (1997), de Heloísa Maranhão, apontando como essa narrativa revisa a realidade histórica do período colonial ao abordar aspectos ligados à condição feminina e ao apagamento cultural dos africanos escravizados. Para tanto, primeiramente, será analisada a relação entre a ficção e o documento histórico através da pesquisa de Luiz Mott (1993) sobre a africana Rosa Maria e do romance escrito por Heloisa Maranhão. Por conseguinte, serão averiguadas as características da metaficção historiográfica cunhadas por Linda Hutcheon (1991) presentes no romance, e também a forma como as questões históricas são articuladas na narrativa, levando em conta a trajetória da personagem Rosa Maria Egipcíaca.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francine Vargas dos Santos Damasceno, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS

Mestranda em Estudos de Literatura pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS, Porto Alegre, RS, Brasil).

Referências

ALMEIDA, Sandra Regina Goulart. Mobilidades culturais, geográficas afetivas: espaço urbano e gênero na literatura contemporânea. In: DALCASTAGNÈ, Regina; LEAL, Virginia Maria Vasconcelos. Espaços e gênero na literatura contemporânea. Porto Alegre: ZOUK, 2015. p. 15-37. https://doi.org/10.17851/2358-9787.24.1.203-206

BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito de história. In: BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1987. v.1. (Obras escolhidas.)

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998

BHABHA, Homi K. O bazar global e o clube dos cavalheiros ingleses: textos seletos. Rio de Janeiro: Rocco, 2011.

DALCASTAGNÈ, Regina.Vozes na sombra: representação e legitimidade na narrativa contemporânea. In: DALCASTAGNÈ, Regina (org.).Ver e imaginar o outro: alteridade, desigualdade, violência na literatura brasileira contemporânea. São Paulo: Editora Horizonte, 2008a. p. 78-107. https://doi.org/10.17851/2358-9787.24.1.203-206

DALCASTAGNÈ, Regina. Entre silêncios e estereótipos: relações raciais na literatura brasileira contemporânea. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, n. 31, jan./jun. 2008b. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/estudos/article/view/2021. Acesso em: 20 dez. 2018. https://doi.org/10.1590/s2316-40182012000200002

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Bahia: Editora Edufba, 2008.

GRINBERG, Keila. Castigos físicos e legislação. In: SCHWARCZ, Lilia M.; GOMES, Flávio (org.). Dicionário da escravidão e liberdade: 50 textos críticos. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2018. p. 144-148. https://doi.org/10.7476/9788523212148

HOOKS, bell. Não sou eu uma mulher: mulheres negras e o feminismo. Trad. Livre Plataforma Gueto, 2014. Disponível em: https://plataformagueto.files.wordpress.com/2014/12/nc3a3o-sou-eu-uma-mulher_traduzido.pdf. Acesso em: 01 jan. 2019. https://doi.org/10.11606/t.22.2007.tde-19122007-152429

HUCHEON, Linda. Poética do pós-modernismo. Rio de Janeiro: Imago, 1991.

LOBO, Luisa. Literatura e história: uma intertextualidade importante. In: DUARTE, Constância lima; DUARTE, Eduardo de Assis; BEZERRA, Kátia. da Costa. Gênero e representação: teoria, história e crítica. Belo Horizonte: UFMG, 2002. p. 108-117. V. 1. (Coleção Mulher e Literatura.)

MARANHÃO, Heloísa. Rosa Maria Egipcíaca da Vera Cruz: a incrível trajetória de uma princesa negra entre a prostituição e a santidade. Rio de Janeiro: Rosa dos tempos, 1997.

MACHADO, Maria Helena Pereira Toledo. Mulher, corpo e maternidade. In: SCHWARCZ, Lilia M.; GOMES, Flávio (org.). Dicionário da escravidão e liberdade: 50 textos críticos. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2018. p. 334-340.

MOTT, Luiz. Rosa Egipcíaca: uma Santa Africana no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1993.

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro: processo de racismo mascarado. 3. ed. São Paulo: Perspectivas, 2016. https://doi.org/10.26694/rcp.issn.2317-3254.v8e1.2019.p93-96

PINTO, Marcela de Araújo. Lares literários: metáforas de nacionalidade em Paradise (1997), de Toni Morrison, e em Rosa Maria Egipcíaca (1997), de Heloisa Maranhão. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014.

SAID, Edward. Cultura e imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

SPIVAK, Gayatri. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

Publicado
2020-04-08
Como Citar
Damasceno, F. V. dos S. (2020). A trajetória de Rosa Maria Egipcíaca e o silenciamento cultural dos africanos no romance de Heloisa Maranhão. Letrônica, 13(1), e35115. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2020.1.35115