Maria Firmina dos Reis: intérprete do Brasil

Palavras-chave: Intérprete. Brasil. Escravidão. Mulheres.

Resumo

O presente artigo pretende analisar como a escritora negra maranhense Maria Firmina dos Reis (1822-1917) ao publicar Úrsula (1859) construiu outra narrativa para se compreender o Brasil e a formação de seu povo. Ao positivar pela primeira vez na literatura brasileira o elemento negro, Maria Firmina constrói outra identidade brasileira, levando em conta os africanos e afrodescendentes em nosso País. Ao fazer tal composição, a autora insere na discussão de nossa formação uma forte crítica à escravidão que fazia parte de seu mundo e ainda faz parte do nosso quando procuramos entender o que é o Brasil. Ao mesmo tempo, essa escritora, por tão longo período esquecida e subalternizada, também usa o romance como uma crítica ao patriarcado e à dominação masculina. Procuramos ao longo do artigo demonstrar como Maria Firmina dos Reis fez isso, ou seja, criou uma nova interpretação do Brasil, mais plural e democrática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Regia Agostinho da Silva, Universidade Federal do Maranhão (UFMA), São Luís, MA

Doutora em História na universidade de São Paulo (2013). Possui mestrado em História pela Universidade Federal do Ceará (2002). Atualmente é professora da Universidade Federal do Maranhão. Professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Letras - Mestrado Acadêmico da UFMA/Campus Bacabal. Tem experiência na área de História, com ênfase em História do Brasil Império, atuando principalmente nos seguintes temas: história e literatura, história das mulheres e história e escravidão.

 
Raffaella Andréa Fernandez, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ

Bacharel e Licenciada em Ciências Sociais (CNPq / 2004) pela UNESP de Marília, quando iniciou seus estudos sobre Carolina Maria de Jesus e Esmeralda do Carmo Ortiz, desenvolvendo a monografia intitulada “Em todo e nenhum lugar: vozes da marginalidade”. Em seguida realizou mestrado em Literatura e Vida Social (Capes/ 2006) pela UNESP de Assis com defesa da dissertação intitulada “Carolina Maria de Jesus, uma poética de resíduos”. Em 2010 recebeu o título de Licenciatura em Letras Português/Francês da UNESP de Assis. Desenvolveu pesquisa de doutorado em Teoria e História da Literária (2015) no IEL-UNICAMP, com estágio de doutorado no Institute de Textes et Manuscrits Modernes (ITEM/ CNRS) na École Normale Supérieure de Paris (Capes-PDSE/2013) sobre os aspectos literários, dispersos nos manuscritos inéditos de Carolina Maria de Jesus. Atualmente é pós-doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Literatura da UFRJ (PNPD/Capes) e do Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC-UFRJ), sob supervisão da Profa. Dra. Heloísa Buarque de Hollanda. É investigadora integrada ao CLEPUL (Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias da Faculdade de Letras) da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (2014).

Referências

ASSIS, Machado de. Machado de Assis: crítica, notícia da atual literatura brasileira. São Paulo: Agir, 1959. p. 28-34. [1ª ed. 1873]. https://doi.org/10.30681/23588403v11i012215225

BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Trad. Sérgio Paulo Rouanet, São Paulo: Brasiliense, 1985. v.1.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas. Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Editora Brasiliense, 1993. v.1.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. 2.ed. Trad. de Maria Helena Kühner. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

CHARTIER, Roger. A História hoje: dúvidas, desafios, propostas. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 7, n. 13, 1994, p. 109.

CHARTIER, Roger. História Cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difusão Editora, 1988.

DIOGO, Luciana Martins. Da sujeição à subjetivação: A literatura como espaço de construção da subjetividade, os casos das obras Úrsula e A

Escrava de Maria Firmina dos Reis. 2016. Dissertação (mestrado) – USP, São Paulo, 2016. https://doi.org/10.11606/d.31.2016.tde-01112016-103251

DUARTE, Eduardo de Assis. Maria Firmina dos Reis e os primórdios da ficção afro-brasileira [Posfácio]. In: REIS, Maria Firmina dos. Úrsula: A Escrava. Florianópolis: Ed. Mulheres; Belo Horizonte: PUC Minas, 2004. https://doi.org/10.11606/d.31.2016.tde-01112016-103251

FARIA, Regina Helena Martins de. Trabalho escravo e trabalho livre na crise da agroexportação escravista no Maranhão. 1998. Monografia (Especialização em História Econômica Regional) – Departamento

de História, Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA, 1998. https://doi.org/10.24873/j.rpemd.2018.09.228

GORENDER, Jacob. O escravismo colonial. São Paulo: Editora Ática, 1992.

IANNI, Octavio. Tendências do pensamento social brasileiro. In: Revista Tempo Social, São Paulo, 12 (2), p. 57- 74, 2000. https://doi.org/10.1590/s0103-20702000000200006

LARA, Sílvia Hunold. Campos da violência: escravos e senhores na Capitania do Rio de Janeiro, 1750- 1808. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988. https://doi.org/10.11606/d.8.2007.tde-10072007-113154

LE GOFF, Jacques. História e Memória. Campinas: Editora da Unicamp, 2013.

MACHADO, Maria Helena Pereira Toledo. Maria Firmina dos Reis: escrita íntima na construção do si mesmo. Revista Estudos Avançados, 33, (96), USP, p. 92-108, 2019. https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2019.3396.0007

MARTIN, Charles. Uma rara visão de liberdade. Prefácio. In: REIS, Maria Firmina dos. Úrsula. Rio de Janeiro: Presença Edições; Brasília: INL, 1988, p. 9-14.

MARTINS, José Ricardo. Os intérpretes do Brasil: pensamento sociopolítico lastreado no fluxo de ideias, narrativas e realidades na busca de uma identidade nacional brasileira. Revista Tempo do Mundo, v. 3, n.1, jan. 2017. https://doi.org/10.5380/nep.v3i2.53518

MORAIS FILHO, José Nascimento de. Maria Firmina, fragmentos de uma vida. São Luís: COCSN, 1975.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. Flores da escrivaninha. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, 1989, p. 3-15.

REIS, José Carlos. As identidades do Brasil: de Varnhagen a FHC. Rio de Janeiro: FGV, 2007.

REIS, Maria Firmina dos. Úrsula. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2018.

REIS, Maria Firmina dos. Úrsula; A Escrava. Florianópolis: Ed. Mulheres; Belo Horizonte: PUC Minas, 2004.

RIBEIRO, Renato Janine. Iracema ou a fundação do Brasil. In: Marcos C. Freitas (org.). Historiografia brasileira em perspectiva. São Paulo: Universidade São Francisco/Contexto, 1998.

SAFFIOTI, Heleieth. A Mulher na Sociedade de Classes. Mito e Realidade. São Paulo: Editora Expressão Popular, 2013.

SCHMIDT, Rita Terezinha. Uma voz das margens: Do silêncio ao reconhecimento. Prefácio. In: REIS, Maria Firmina dos. Úrsula. Porto Alegre: Zouk, 2018, p. 13-24.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil (1870-1930). São Paulo: Companhia das Letras, 1993. https://doi.org/10.5585/eccos.n46.8915

SILVA, Régia Agostinho da. A escravidão no Maranhão: Maria Firmina dos Reis e as representações sobre escravidão e mulheres no Maranhão na segunda metade do século XIX. 2013. Tese (doutorado em História Econômica) – São Paulo, USP, 2013. https://doi.org/10.11606/t.8.2013.tde-14032014-094659

TOLOMEI, Cristiane Navarrete; REIS, Maria Firmina dos. Decolonialidade e escrita abolicionista na imprensa maranhense oitocentista. Ex æquo, n. 39, p. 153-168, 2019. https://doi.org/10.22355/exaequo.2019.39.10

ZIN, Rafael Balseiro. Maria Firmina dos Reis: a trajetória intelectual de uma escritora afrodescendente no Brasil oitocentista. 2015. Dissertação (mestrado) – São Paulo: PUC-SP, 2015.

Publicado
2020-04-08
Como Citar
da Silva, R. A., & Fernandez, R. A. (2020). Maria Firmina dos Reis: intérprete do Brasil. Letrônica, 13(1), e35105. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2020.1.35105