Indivíduo, história e responsabilidade

Ampliar a câmera, voltar às digitais

Palavras-chave: Indivíduo, História, Responsabilidade

Resumo

O presente artigo pretende realizar uma reflexão a respeito do papel do indivíduo na História problematizando as diversas interpretações a esse respeito no campo historiográfico: dos Annales, passando pelo marxismo e os estudos biográficos. Ao mesmo tempo, a questão do indivíduo será refletida tomando como referência suas ações concretas no espaço e no tempo históricos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco Carlos Palomanes Martinho, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil.

Doutor em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Professor livre-docente do Departamento de História da Universidade de São Paulo (USP), em São Paulo, SP, Brasil.

Referências

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval. História: a arte de inventar o passado. São Paulo: EDUSC, 2007.

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas. Reflexões sobre a origem e difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

ANDERSON, Perry. Afinidades seletivas. São Paulo: Boitempo, 2002.

ANDERSON, Perry. Zona de compromisso. São Paulo: UNESP, 1996.

ARENDT, Hannah. Walter Benjamin (1892-1940). In: Homens em tempos sombrios. São Paulo: Companhia das Letras, 2008. p. 165-222.

ARENDT, Hannah. Responsabilidade e julgamento. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

BORGES, Vavy Pacheco. Ruy Guerra: paixão escancarada. São Paulo: Boitempo, 2017.

BOURDIEU, Pierre. L’illusion biographique. Actes de la Recherche em Sciences Sociales, Paris, v. 62-63, p. 69-72, 1986.

BOUTIER, Jean; JULIA, Dominique. Passados recompostos: campos e canteiros da História. Rio de Janeiro: Editora FGV: Editora UFRJ, 1998.

BRUN, Catherine. Quel(s) savoir(s) pour quelle(s) mémoire(s) de la guerre d’Algérie? Témoigner. Entre histoire et mémoire [En ligne], Paris, n. 117, p. 67-74, 2014, mis en ligne le 01 juin 2015. DOI: 10.4000/temoigner.725. Disponível em: http://journals.openedition.org/temoigner/725. Acesso em: 21 nov. 2019.

BRUNET, Jean-Paul. Police contre FLN: le drame d’octobre 1961. Paris: Flamarion, 1999.

DOSSE, François. A história em migalhas: dos Annales à Nova História. São Paulo: EDUSC, 2003.

DUBY, Georges. A história continua. Lisboa: Edições Asa, 1992.

DUBY, Georges. Guilherme Marechal ou o melhor cavaleiro do mundo. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

DURKHEIM, Émile. Da divisão do trabalho social. Lisboa: Presença, 1989.

EINAUDI, Jean-Luc. La Bataille de Paris. Paris: Seuil, 1991.

FERREIRA, Jorge. João Goulart: uma biografia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

FERRO, Marc. La biographie, cette handicapée de l’histoire. Magazine Litéraire, Paris, n. 164, p. 858-876, Avril 1989,

FIRTH, Charles. Oliver Cromwell and the Rule of the Puritans in England. London: G. P. Putnam, 1907.

FORTES, Alexandre. Razão e paixão na construção de uma biografia engajada: uma homenagem a Eric J. Hobsbawm e E. P. Thompson. Projeto História, São Paulo, n. 48, p. 1-21, 2013.

FREIRE, Américo; SYDOW, Evanize. Frei Betto: biografia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

FUKUYAMA, Francis. O fim da história e o último homem. São Paulo: Rocco, 1992.

GINZBURG, Carlo. O queijo e os vermes. O cotidiano e a vida de um moleiro perseguido pela Inquisição. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

HARVEY, David. Condição pós-moderna. Uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Loyola, 1992.

HEGEL, G. W. F. Filosofia da História. 2. ed. Brasília: Editora UNB, 2008.

LE GOFF, Jacques. São Luís. 3. ed. Rio de Janeiro: Record, 2002.

LORIGA, Sabina. O pequeno x: da biografia à história. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

LORIGA, Sabina. L’Histoire mode de vie. Réflexions autour de Hannah Arendt e Siegfried Kracauer. Editions de l’Éclat, [S. I.], p. 209-26, 2010. Disponível em: https://www.cairn.info/penser-l-histoire---page-209.htm. Acesso em: 1 nov. 2021.

LORIGA, Sabina. A biografia como problema. In: REVEL, Jacques (org.). Jogos de escala. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 1996. p. 225-249.

MAGALHÃES, Mário. Marighela: o guerrilheiro que incendiou o mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

MARCUSE, Herbert. Marxismo Soviético: uma análise crítica. São Paulo: Saga, 1969.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto do Partido Comunista. São Paulo: Editora Expressão Popular, 2008.

MENESES, Filipe Ribeiro. Salazar. 3. ed. Lisboa: D. Quixote, 2010.

OLIVEIRA, Maria da Glória. Quem tem medo da ilusão biográfica? Indivíduo, tempo e histórias de vida. Tempo, Rio de Janeiro, v. 18, n. 35, p. 429-46, 2017.

PIMENTEL, Irene. Judeus em Portugal durante a II Guerra Mundial. Em fuga de Hitler e do Holocausto. Lisboa: A Esfera dos Livros, 2008.

REIS FILHO, Daniel Aarão. Luís Carlos Prestes: um revolucionário entre dois mundos. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

REVEL, Jacques. Microanálise e construção do social. In: REVEL, Jacques (org.). Jogos de escala. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 1996. p. 15-38.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. 3: O tempo narrado. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

ROLLEMBERG, Denise; VAINFAS, Ronaldo. Juízo e verdade histórica no discurso historiográfico. Revista de Teoria da História, Goiânia, v. 23, n. 1, p. 13-44, 2020.

SCHMIDT, Benito Bisso. Flavio Koutzii. Biografia de um militante revolucionário. De 1943 a 1984. Porto Alegre: Libretos, 2017.

SENNETT, Richard. O declínio do homem público: as tiranias da intimidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

SILVA, Francisco Carlos Teixeira. Os fascismos. In: FERREIRA, Jorge; REIS FILHO, Daniel Aarão; ZENHA, Celeste (org.). O século XX. O tempo das crises: revoluções, fascismos e guerras. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000. v. 2. p. 109-164.

SOUZA, Adriana Barreto de. Duque de Caxias: o homem por trás do monumento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

THOMPSON, Edward P. Tradición, revuelta y consciencia de clase. 3. ed. Barcelona: Editoral Crítica, 1989.

Publicado
2022-02-22
Como Citar
Martinho, F. C. P. (2022). Indivíduo, história e responsabilidade: Ampliar a câmera, voltar às digitais. Estudos Ibero-Americanos, 48(1), e42411. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2022.1.42411