Docência, gênero e processos formativos

Considerações sobre práticas de mediação pedagógica em contextos adversos

Palavras-chave: Docência, Mediações pedagógicas, Trajetórias profissionais

Resumo

O artigo propõe uma reflexão em torno das práticas de mediação pedagógica configuradas na docência, a partir da experiência da Professora Rosa. Ela atuou numa escola localizada em um complexo de favelas da cidade do Rio de Janeiro: a Maré. Tendo como base os depoimentos concedidos pela professora, vamos destacar um conjunto de questões ligadas ao lugar de gênero e de pertencimento social que se cruzam com as táticas de sobrevivência de uma migrante nordestina na cidade do Rio de Janeiro e moldam o repertório de práticas de mediação cultural/pedagógicas elaboradas e postas em ação na referida instituição escolar. Está dividido em cinco seções: a primeira desenvolve uma breve reflexão sobre docência, questões de gênero, classe e preconceito de lugar;  a segunda aborda a trajetória pessoal e formativa da Professora Rosa; a terceira destaca algumas de suas práticas de mediação pedagógica na escola da Maré; a quarta reflete sobre as dimensões simbólicas que permeiam a docência como profissão associada ao gênero feminino, analisando os seus rebatimentos nas representações sobre o espaço doméstico/privado e o espaço público da escola; a quinta e última seção indica algumas das práticas de mediação que a professora, então atuando como Diretora, estabeleceu com a comunidade de fora da escola e as Considerações Finais retomam algumas ideias chave apresentadas no artigo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Libania Nacif Xavier, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil; professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro/ Faculdade de Educação (FE-UFRJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Referências

ALBERTI, Verena. Ouvir e Contar: textos em história oral. 1. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

ALBUQUERQUE Jr., Durval Muniz de. Preconceito contra a origem geográfica e de lugar: as fronteiras da discórdia. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

ALMEIDA, Sílvio Luiz de. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte, MG: Letramento, 2018.

ARAUJO, Helena M. M. Museu da Maré: entre educação, memórias e identidades. 2012. Tese (Doutorado em Educação) – PUC-Rio, Rio de Janeiro, 2012.

BURGOS, Marcelo Baumann. Cidade, território e cidadania. Dados, Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 48, n. 1., p.189-222, 2005.

CAMPAGNUCCI, Fernanda. O Silêncio dos professores: uma interpretação sociológica sobre a “ausência” da voz docente no jornalismo educacional. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002. v. 1.

DUBAR, Claude. A Socialização: construção das identidades sociais e profissionais. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

DUBET, François. Le declin de l’ instituition. Paris: Éditions Du Seuil, 2002.

GOMES, Ângela de Castro; HANSEN, Patrícia Santos. Intelectuais Mediadores: Práticas culturais e ação política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016. 489 p.

HAESBERG, Rogério. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” a multi-territorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

LIMA, Jorge Ávila de. Questões centrais no estudo das culturas profissionais dos professores: uma síntese crítica da bibliografia. Educação, Sociedade e Culturas, [S. I.], n. 13, p. 59-113, 2000.

LORIGA, Sabina. A tarefa do Historiador. In: GOMES, A. C.; SCHNIDT, B. B. (org.). Memórias e narrativas autobiográficas. Porto Alegre: UFRGS: FGV, 2009. p. 13-38

MARINHO, Nailda; XAVIER, Libania. El asocianismo de mujeres en Brasil y la tesis de Branca Canto Melo. In: PÉREZ, Teresa González (org.). La educaciona de las mujeres en Latino America. 1. ed. Valencia, Espanha: Tirant Humanidades, 2019. v. 1, p. 395-406.

MENDONÇA, Ana Waleska. Anísio Teixeira e a universidade de Educação. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2002.

MONTEIRO, Mariana Kubilius; ALTMANN, Helena. Homens na educação infantil: olhares de suspeita e tentativas de segregação. Cad. Pesqui., [S. I.], v. 44, n. 153, p. 720-74, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010015742014000300012&lng=en&nrm=iso. Acesso em:10 jul. 2021.

MULLER, Lúcia. As Construtoras da Nação: professoras primárias na Primeira República. Niterói: Intertexto, 1999.

PEREIRA, Luís. O Professor Primário Metropolitano. Rio de Janeiro: MEC-Inep: CBPE, 1963. (Coleção O Brasil Urbano).

RIBEIRO, Renato Janine. Democracia versus República. In: BIGNOTO, Newton (org.). Pensar a República. Belo Horizonte, Editora UFMG, 2000. p. 3-24.

SIRINELLI, Jean François. Os Intelectuais. In: REMOND, R. (org.). Por uma história política. Rio de Janeiro, Editora UFRJ-FGV, 1996a. p. 231-270.

TARDIF, Maurice. Saberes Docentes e Formação Profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

TEIXEIRA, Anísio. Notas para a História da Educação. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, [S. I], n. 85, jan./mar. 1962.

YANNOULAS, Silvia Cristina (org.). Trabalhadoras: análise da feminização das profissões e ocupações. Brasília: Abaré Editora, 2013.

Publicado
2021-11-04
Como Citar
Xavier, L. N. (2021). Docência, gênero e processos formativos: Considerações sobre práticas de mediação pedagógica em contextos adversos . Estudos Ibero-Americanos, 47(3), e39977. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2021.3.39977
Seção
Dossiê: Mulheres intelectuais: práticas culturais de mediação