Sigrid Pôrto de Barros

Uma intelectual-mediadora no campo dos museus

Palavras-chave: História da Educação em Museus, Campo dos museus, Escola Ativa, Intelectual Mediador, Sigrid Pôrto de Barros

Resumo

O trabalho analisa indícios da trajetória de uma conservadora de museus, Sigrid Pôrto de Barros, no campo dos museus brasileiro. Centra-se na década de 1950, quando se tornou funcionária do Museu Histórico Nacional, até a década de 1970, momento em que foi chefe da Seção de Pesquisa e Assistência Pedagógico-Museográfica da Divisão de Atividades Educacionais e Culturais do Museu. Embora seja uma profissional pouco reconhecida na historiografia do campo, sua atuação evidencia uma carreira voltada para a consolidação da função educativa dos museus, com ênfase no atendimento do público escolar infantil por meio de estratégias de execução nos museus dos princípios da Escola Ativa. Para a investigação foram analisados relatórios, escritos da profissional e outras fontes que favoreçam a compreensão de como a educação em museus era debatida no período. O conceito de intelectual mediador (GOMES; HANSEN, 2016) embasa a construção argumentativa da pesquisa. A análise revela que profissionais do campo dos museus, parte expressiva composta por mulheres no Brasil, estavam atualizadas com os debates sobre educação e suas possíveis articulações com os museus, e que suas atuações legitimaram essas instituições como espaços de aprendizado, função que se tornou marca expressiva no papel contemporâneo dos museus.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Carolina Gelmini de Faria, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, (UFRGS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Professora do Curso de Bacharelado em Museologia e Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre, RS, Brasil.

Referências

BALDAN, Merilin. Notas sobre o debate entre a modernidade e a tradição nas ideias pedagógicas nas décadas de 1920 e 1930: o esboço de um conflito. 2015. 172 p. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de São Carlos, São Paulo, 2015.

BARATA, Mário. Inaugurou-se o I Congresso Nacional de Museus. Vida das Artes. Jornal Diário de Notícias, Rio de Janeiro, ed. 10343, 25 jul. 1956a.

BARATA, Mário. O problema das visitas-guiadas agitado no Congresso Nacional de Museus. Vida das Artes. Jornal Diário de Notícias, Rio de Janeiro, ed. 10346, 28 jul. 1956b.

BARROS, Sigrid Pôrto. O Museu e a Criança. Anais do Museu Histórico Nacional, Rio de Janeiro, v. 9, p. 46-73, 1958.

BARROS, Sigrid Pôrto. O Museu e a Criança. Revista do Ensino, Rio Grande do Sul, v. 12, n. 94, p. 148-150, 1963.

BASTOS, Maria Helena Camara. A imprensa de educação e de ensino: repertórios analíticos. O exemplo da França. Revista Brasileira da Educação, Rio de Janeiro, v. 12, n. 34, p. 166-168, 2007.

BASTOS, Maria Helena Camara; LEMOS, Elizandra Ambrosio; BUSNELLO, Fernanda. A Pedagogia da Ilustração: uma face do impresso. In: BENCOSTTA, Marcus Ley. Culturas escolares, saberes e práticas educativas. São Paulo: Cortez, 2007. p. 41-78.

BOTO, Carlota. Faria de Vasconcelos e a Escola Nova em Portugal: do self-government à educação científica. Rev. Bras. Hist. Educ., Maringá, v. 19, p. 1-20, 2019.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Lisboa: DIFEL, 1989. 313 p.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Museu Histórico Nacional. Relatório Anual do Museu Histórico Nacional em 1953. Museu Histórico Nacional, 1954.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Museu Histórico Nacional. Relatório Anual do Museu Histórico Nacional em 1956. Museu Histórico Nacional, 1957.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Museu Histórico Nacional. Relatório Exercício de 1964 Seção de História. Museu Histórico Nacional, [1964?]. 6 p. Arquivo Permanente.

CHARTIER, Roger. A aventura do livro o leitor ao navegador. Conversações com Jean Lebrun. São Paulo: Editora Unesp, 1998a. 160 p.

CHARTIER, Roger. A Ordem dos livros. Leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVIII. 2. ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1998b. 111 p.

CHARTIER, Roger. Leituras e leitores na França do Antigo Regime. São Paulo: Unesp, 2004. 395 p.

CHARTIER, Roger (org.). Práticas de leitura. São Paulo: Estação Liberdade, 1996. 266 p.

FARIA, Ana Carolina Gelmini de. Anais do Museu Histórico Nacional: um exercício de escrita no campo dos museus. Revista Museologia e Patrimônio, Rio de Janeiro, v. 13, n. 2 p. 113-139, 2020.

FARIA, Ana Carolina Gelmini de. O caráter educativo do Museu Histórico Nacional: o Curso de Museus e a construção de uma matriz intelectual para os museus brasileiros (Rio de Janeiro, 1922-1958). 2013. 234 p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

FARIA, Ana Carolina Gelmini de. Educar no museu: o Museu Histórico Nacional e a educação no campo dos museus (1932-1958). 2017. 296 p. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

GOMES, Angela Maria de Castro; HANSEN, Patricia Santos. Apresentação. In: GOMES, Angela Maria de Castro; HANSEN, Patricia Santos (org.). Intelectuais mediadores: práticas culturais e ação política. 1. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016. p. 7-37.

LOPES, Maria Margaret. O Brasil descobre a pesquisa científica: os museus e as ciências naturais no século XIX. São Paulo: Editora HUCITEC, 1997. 369 p.

LOPES, Maria Margaret. Convite à leitura: “o conceito do museu está em plena evolução”. In: MIRANDA, Guilherme Gantois de; et al. (org.). A função educativa dos Museus. Rio de Janeiro: Museu Nacional; Niterói: Muiraquitã, 2008. p. 19-23.

LUTZ, Bertha Maria Julia. A função educativa dos Museus, 1932. Adaptação de Guilherme Gantois de Miranda; Maria José Veloso da Costa Santos; Silvia Ninita de Moura Estevão e Vitor Manoel Marques da Fonseca. Rio de Janeiro: Museu Nacional; Niterói: Muiraquitã, 2008. 240 p.

MAGALHÃES, Aline Montenegro. Culto da Saudade na Casa do Brasil – Gustavo Barroso e o Museu Histórico Nacional (1922-1959). Fortaleza: Museu do Ceará, Secretaria da Cultura do Estado do Ceará, 2006. 142 p. (Outras Histórias, 49).

MICELI, Sérgio. Intelectuais à brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2001. 436 p.

NUNES, Clarice. Historiografia comparada da escola nova: algumas questões. Rev. Fac. Educ., Cáceres, v. 24, n. 1, 1998. p. 105-125. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rfe/article/view/59617. Acesso em: 14 jan. 2021

OLIVEIRA, Ana Cristina Audebert Ramos de; QUEIROZ, Marijara Souza. Museologia substantivo feminino: reflexões sobre museologia e gênero no Brasil. Revista do Centro de Pesquisa e Formação, [S. I.], n. 5, p. 61-77, 2017.

PÉCAUT, Daniel. Os intelectuais e a política no Brasil: entre o povo e a ação. São Paulo: Ática, 1990. 335 p.

PERES, Eliane. A Escola Ativa na Visão de Adolphe Ferrière: elementos para compreender a Escola Nova no Brasil. In: STEPHANOU, Maria; BASTOS, Maria Helena Camara. Histórias e memórias da educação no Brasil, século XX. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 114-128. v. 3.

SÁ, Ivan Coelho; SIQUEIRA, Graciele Karine. Curso de Museus - MHN, 1932-1978: alunos, graduandos e atuação profissional. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Escola de Museologia, 2007. 258 p.

SANTOS, Myrian Sepúlveda dos. A escrita do passado em museus históricos. Rio de Janeiro: Garamont: MinC: DEMU, 2006. 142 p.

SEMERARO, Giovanni. Formação Integral. In: INSTITUTO BRASILEIRO DE MUSEUS. Caderno da Política Nacional de Educação Museal. Brasília, DF: IBRAM, 2018. p. 81-83.

SILVA, Maria do Perpétuo Socorro Lopes de Sousa da. Heloísa Alberto Torres, a primeira Diretora do Museu Nacional/UFRJ e a disseminação das Ciências no século XX. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE HISTÓRIA DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA, 16., 2018, Paraíba (Campina Grande). Seminário Nacional de História da Ciência e da Tecnologia, 2018. 16p.

SIQUEIRA, Graciele Karine. Curso de Museus - MHN, 1932-1978. O perfil Acadêmico-profissional. 2009. 178p. Dissertação (Mestrado em Museologia) – Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio do Centro de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO e do Museu de Astronomia e Ciências Afins - MAST, Rio de Janeiro, 2009.

TROULI, Sofia. Insights sobre a genealogia da educação em museus na Grécia: pontos de vista compatíveis sobre a importância da educação em museus expressas em dois encontros internacionais em Atenas. In: DUFRESNE-TASSE, Colette; WINTZERITH, Stephanie (ed.). Icom educação, Roma, n. 26, p. 87-106, 2015.

VAQUINHAS, Irene. Museus do feminino, museologia de género e o contributo da história. MIDAS, Porto, n. 3, 2014. 16 p.

Publicado
2021-11-04
Como Citar
Faria, A. C. G. de . (2021). Sigrid Pôrto de Barros: Uma intelectual-mediadora no campo dos museus. Estudos Ibero-Americanos, 47(3), e39915. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2021.3.39915
Seção
Dossiê: Mulheres intelectuais: práticas culturais de mediação