UERJ 70

comemorações e histórias de uma universidade pública

Palavras-chave: Comemorações, UERJ, história pública, história institucional

Resumo

O artigo analisa dois projetos propostos e realizados em 2019, por ocasião do início das comemorações dos setenta anos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ): a elaboração do livro 70 anos UERJ: 1950 – 2020 e a montagem de exposição temática ESQUELE7O – 70 anos de UERJ. As conexões dessas experiências com a História Pública foram situadas a partir de suas relações com a historiografia a e memória e  abordadas em três frentes: o caráter colaborativo da realização do livro e da mostra, que envolveram professores(as), discentes bolsistas, técnicos(as) administrativos(as) e, no caso da exposição, artistas, numa autoria compartilhada; a busca por construir uma história institucional que não fosse laudatória, escapando de narrar uma trajetória pautada pela sucessão de gestores e seus feitos, critério que norteou tanto a escrita dos textos, quanto a escolha das fotografias; e a assunção da Favela do Esqueleto como marco simbólico do compromisso da universidade no combate às injustiças sociais, possibilitando repensar a relação da universidade pública com os públicos que usufruem dos serviços emanados dessa instituição, e também com a paisagem urbana carioca.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Eduardo Pinto de Pinto, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Doutor em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF), em Niterói, RJ, Brasil; professor adjunto do Departamento de História do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Márcia de Almeida Gonçalves, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Doutora em História Social pela Universidade de São Paulo (USP), em São Paulo, SP, Brasil; professora associada do Departamento de História do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Rui Aniceto Nascimento Fernandes, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Doutor em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil; professor adjunto do Departamento de Ciências Humanas da Faculdade de Formação de Professores (FFP) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), em São Gonçalo, RJ, Brasil.

Referências

ANDRADE, Carlos Drummond de. O avesso das coisas. Aforismos. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 1990.

ASSMANN, Aleida. Espaços da recordação. Formas e transformações da memória cultural. Tradução de Paulo Soethe. Campinas: Editora da UNICAMP, 2011.

BRUM, Mario; GONÇALVES, Rafael Soares. O Rio do IV Centenário aos 450 anos: novas funções da cidade e o passado como obstáculo. Cadernos do Desenvolvimento Fluminense, Rio de Janeiro, n. 7, p. 37-56, jan./jun. 2015.

CAMPOS, Pedro Henrique Pedreira Campos. Estranhas catedrais: as empreiteiras brasileiras e a ditadura civil-militar, 1964-1988. Niterói: Eduff, 2015.

CANDAU, Joël. Antropologia da Memória. Lisboa: Instituto Piaget, 2013.

CATROGA, Fernando. O céu da memória. Cemitério romântico e culto cívico dos mortos em Portugal. Coimbra: Minerva, 1999.

CATROGA, Fernando. Memória, História e Historiografia. Coimbra: Quarteto, 2001.

CUNHA, Analu; CAMPOS, Marcelo; CASTRO, Maurício Barros de. Quanto ao futuro. In: ESQUELE7O – 70 anos de UERJ (folder da exposição). Rio de Janeiro: UERJ/Centro Cultural do Patrimônio Paço Imperial, 2019.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Editora 34, 2006.

GONÇALVES, Rafael Soares; AMOROSO, Mauro. Golpe militar e remoções das favelas cariocas. ACERVO, Rio de Janeiro, v. 27, n. 1, p. 209-226, jan./jun. 2014.

FRISCH, Michael. A história pública não é uma via de mão única, ou, De A Shared Authority à cozinha digital, e vice-versa. In: MAUAD, Ana Maria; ALMEIDA, Juniele Rabêlo de; SANTHIAGO, Ricardo (org.). História pública no Brasil: sentidos e itinerários. São Paulo: Letra e Voz, 2016. p. 57-69.

HAYDEN, Dolores. The power of place: urban landscapes as Public History. Cambridge, Massachusetts: The MIT Press, 1997.

HUTTON, Patrick H. History as an art of memory. Hanover: University Press of New England, 1993.

MANCEBO, Daise. Da gênese aos compromissos. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1996.

MAUAD, Ana Maria. Foto-ícones, a história por detrás das imagens? Considerações sobre a narratividade das imagens técnicas. In: RAMOS, Alcides Freire.; PATRIOTA, Rosangela; PESAVENTO, Sandra Jatahy (org.) Imagens na História. São Paulo: Editora Hucitec, 2008. p. 197-212.

MAUAD, Ana Maria. Fotografia pública e cultura do visual, em perspectiva histórica. Revista Brasileira de História da Mídia, Teresina, v. 2, n. 2, p. 11-16, jul./dez. 2013.

MAUAD, Ana Maria, SANTHIAGO, Ricardo e BORGES, Viviane Trindade (org). Que história pública queremos? São Paulo: Letra e Voz, 2018.

MOTTA, Marly Silva da. Saudades da Guanabara: o campo político da cidade do Rio de Janeiro (1960-1975). Rio de Janeiro: Editora FGV, 2000.

NORA, Pierre (dir.). Les lieux de mémoire. La République. Paris: Gallimard, 1984. v. 1.

REAP, James K. Conservação do patrimônio cultural: um panorama internacional. In: ALMEIDA, Juniele Rabêlo de; ROVAI, Marta Gouveia de Oliveira (org.). Introdução à História Pública. São Paulo: Letra e Voz, 2011. p. 65-78.

REZNIK, Luís; PINTO, Carlos Eduardo Pinto de; SILVA, Camila Borges da; GONÇALVES, Marcia de Almeida; FERNANDES, Rui Aniceto Nascimento. 70 Anos UERJ: 1950-2020. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2019.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Tradução de Alain François et al. Campinas, Editora da UNICAMP, 2007.

SACKS, Oliver. O rio da consciência. Tradução Laura Teixeira Motta. São Paulo: Cia das Letras, 2017.

SCHMIDT, Benito Bisso. O historiador-curador: a experiência de realizar uma exposição histórica voltada a públicos diversos. In: MAUAD, Ana Maria; ALMEIDA, Juniele Rabêlo de; SANTHIAGO, Ricardo (org.). História pública no Brasil: sentidos e itinerários. São Paulo: Letra e Voz, 2016. p. 275-285.

SELIGMANN-SILVA, Marcio. Reflexões sobre a memória, a história e o esquecimento. In: História, memória, literatura: o testemunho na Era das Catástrofes. Campinas: Editora da UNICAMP, 2003. p. 59-88.

TESSITORE, Viviane. Arquivos e centros de documentação: um perfil. In: ALMEIDA, Juniele Rabêlo de; ROVAI, Marta Gouveia de Oliveira (org.). Introdução à História Pública. São Paulo: Letra e Voz, 2011. p. 161-175.

WEINRICH, Harald. Lete - Arte e Crítica do Esquecimento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

YERUSHALMI, Yosej Hayim et al. Usos do esquecimento. Tradução de Eduardo Alves Rodrigues e Renata Chrystina Bianchi de Barros. Campinas: Editora da UNICAMP, 2017.

Publicado
2021-06-02
Como Citar
de Pinto, C. E. P., de Almeida Gonçalves, M., & Nascimento Fernandes, R. A. (2021). UERJ 70: comemorações e histórias de uma universidade pública. Estudos Ibero-Americanos, 47(2), e38999. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2021.2.38999
Seção
História Pública na América Latina: mediações do passado, demandas sociais e tempo presente