A POLÍTICA DE EXPANSÃO DE VAGAS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O PROINFÂNCIA EM QUESTÃO

Palavras-chave: Políticas Educacionais, Educação Infantil, Expansão de vagas, Proinfância

Resumo

O objetivo do texto é discutir a expansão de vagas para a Educação Infantil no contexto do Programa Nacional de Reestruturação e Aquisição de Equipamentos de Rede Escolar Pública de Educação Infantil (PROINFÂNCIA), tendo em vista que o programa do governo federal tinha em seus pressupostos a expansão de vagas para as crianças de 0 a 5 anos, em regime de colaboração com os municípios. A metodologia esteve pautada na revisão da literatura, tendo como referência os estudos realizados nos anos de 2008 a 2018 sobre o Proinfância. O estudo revelou que o Proinfância contribuiu para colocar a educação na agenda de prioridades da política educacional no âmbito dos governos federal e municipais, representando um avanço histórico para a área.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Givanildo da Silva, Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Maceió, AL, Brasil.

Professor Adjunto da Universidade Federal de Alagoas.

Adelaide Alves Dias, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, PB, Brasil.

Professora Titular da Universidade Federal da Paraíba.

Referências

Abrucio, F. L. & Ramos, M. N. (2002). Regime de colaboração e associativismo territorial. São Paulo: Fundação Santillana.

Brasil. (2007). O Plano de Desenvolvimento da Educação: razões, princípios e programas. Brasília, MEC. Recuperado de: http://portal.mec.gov.br/arquivos/livro/livro.pdf

Campos, M. M. et. al. (2011, janeiro, abril). A qualidade da Educação Infantil: um estudo em seis capitais brasileiras. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, 41 (141), 20-30. https://doi.org/10.1590/S0100-15742011000100003.

Campos, M. M. & Cruz, S. H. V. (2011). Consulta sobre a qualidade da Educação Infantil: o que pensam e querem os sujeitos deste direito. São Paulo: Cortez.

Campos, M. M. A legislação, as políticas nacionais de Educação Infantil e a realidade: desencontros e desafios. (2008). In: Machado, M. L. A. (Org.). Encontros e desencontros da Educação Infantil. (pp. 26-36) São Paulo: Cortez.

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm

Costa, S. C. (2015). Programa Proinfância: considerações sobre os efeitos nas políticas municipais de Educação Infantil [Tese de Doutorado em Educação, Conhecimento e Inclusão Social]. Universidade Federal de Minas Gerais: Belo Horizonte. Recuperado de: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/BUBD-A8JPQ6

Garcia, W. S. O. A. (2014). Políticas públicas para a Educação Infantil na cidade de Chapadão do Sul: estudo de caso do Programa Proinfância. Dissertação [Dissertação de Mestrado em Educação]. Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul: Paranaíba. Recuperado de: http://www.uems.br/assets/uploads/biblioteca/2016-10-04_13-40-11.pdf

Gomes, I. S. & Caminha, I. O. (2014, janeiro, março). Guia para estudos de revisão sistemática: uma opção metodológica para as Ciências do Movimento Humano. Movimento, Porto Alegre, 20 (1), 395-411. https://doi.org/10.22456/1982-8918.41542

Klosinki, D. V. (2016). Uma avaliação do programa Proinfância em Erechim: a política dos espaços escolares [Dissertação de Mestrado em Educação]. Universidade Federal da Fronteira do Sul: Chapecó. Recuperado de: https://rd.uffs.edu.br/handle/prefix/692.

Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996: estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Biblioteca Digital da Câmara dos Deputados. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

Lei nº 10.172, de 9 de janeiro de 2001: Plano Nacional de Educação. Brasília. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10172.htm

Lei n.º 13.005, de 25 junho de 2014: Plano Nacional de Educação. Brasília, DF. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm

Mattos, C. S. (2014). A implementação do Proinfância em Juiz de Fora e seus desdobramentos. [Dissertação de Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública]. Universidade Federal de Juiz de Fora: Juiz de Fora. Recuperado de: https://repositorio.ufjf.br/jspui/handle/ufjf/445

Nascimento, M. L.; Campos, M. M. & Coelho, R. (2011, janeiro, abril). As políticas e a gestão da Educação Infantil. (Entrevista). Revista Retratos da Escola, Brasília, 5 (9), 201-214. Recuperado de: v. 5, n. 9 (2011): Educação Infantil

Oliveira, J. S. & Borghi, R. F. FUNDEF/FUNDEB – implicações para oferta de Educação Infantil via convênios/ parcerias. (2013, janeiro, abril). Eccos Revista Científica, São Paulo, 30, 35-53. https://doi.org/10.5585/eccos.n30.3684

Pires, A. M. B. (2017). O Proinfância como política de acesso à Educação Infantil nas cidades do sudeste goiano [Dissertação de Mestrado em Educação]. Universidade Federal de Goiás: Catalão. Recuperado de: https://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/7861

Ramos, J. L. R. B. (2014). Implementação de programas federais e descentralização de políticas públicas: um estudo de casos no contexto do Proinfância [Dissertação de Mestrado em Administração]. Universidade de Brasília: Brasília. Recuperado de: https://repositorio.unb.br/handle/10482/9522

Saviani, D. (2009). PDE – Plano de Desenvolvimento da Educação: análise crítica da política do MEC. Campinas, SP: Autores Associados.

Silva, G. (2019). As políticas educacionais para a Educação Infantil pós-1988: uma análise no município de São Raimundo Nonato – PI [Tese de Doutorado em Educação]. Universidade Federal da Paraíba: João Pessoa. Recuperado de: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/123456789/16910

Silva, P. L. F. V. (2014). As condições de trabalho docente na Educação Infantil: uma análise a partir do Proinfância em quatro municípios do Rio de Janeiro [Dissertação de Mestrado em Educação]. Universidade Federal do Rio de Janeiro: Rio de Janeiro. Recuperado de: http://www.unirio.br/ppgedu/dissertacoes/DissertaoPPGEduFernandaBezerradeAlmeida.pdf

Publicado
2020-12-31
Como Citar
Silva, G. da, & Dias, A. A. (2020). A POLÍTICA DE EXPANSÃO DE VAGAS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL: O PROINFÂNCIA EM QUESTÃO. Educação, 43(3), e37455. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2020.3.37455
Seção
Artigos