Um olhar sobre o discurso da formação continuada de professores

Palavras-chave: ormação continuada, discurso, enunciado, sujeito.

Resumo

Esta investigação procura discutir os saberes da formação continuada de professores do Centro de Capacitação de Professores (CECAPRO), da Secretaria de Educação e Cultura (SEDEC), do município de João Pessoa. Com base nos conceitos de discurso e enunciado formulados por Michel Foucault (2008) e de diário de pesquisa de campo presente em René Lourau (1993), é tomado como analisador o Processo Licitatório nº 007663/2009. As análises focam a emergência da profissionalização docente, as áreas de seguimentos de atuação do professor no ensino fundamental e o perfil do professor formador. Conclui-se que os professores em formação, inscritos na prescrição do saber-fazer pedagógico, passam a ocupar, nos ditos do Processo Licitatório, lugares específicos e a disputar determinados discursos, pretensamente aceitos como neutros e verdadeiros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Antonio De Pontes Costa, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, PB

Doutor em Educação pela Universidade Federal Fluminense (UFF, Niterói, RJ, Brasil), professor associado da Universidade Federal da Paraíba em João Pessoa, PB, Brasil.

Décio Pereira de Brito, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, PB

Pedagogo pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB, João Pessoa, PB, Brasil).

Referências

Bonfim, A., Anjos, M., Floriano, M., Figueiredo, C., Santos, D., & Silva, C. (2013). Parâmetros Curriculares Nacionais: uma revisita aos temas transversais meio ambiente e saúde. Trabalho, Educação e Saúde, 11(1), 27-52. https://doi.org/10.1590/S1981-77462013000100003.

Brzezinski, I. (2014). Sujeitos sociais coletivos e a política de formação inicial e continuada emergencial de professores: contradições vs conciliações. Educação & Sociedade, 35(129), 1241-1259. https://doi.org/10.1590/ES0101-73302014146309.

Carvalho, R. (2015). Análise do discurso das diretrizes curriculares nacionais de educação infantil: currículo como campo de disputas. Educação, 38(3), 466-476. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2015.3.15782.

Cruz Junior, A. F. da, Della Fonte, S. S., & Loureiro, R. (2014). Formação continuada de professores: quando a experiência e os saberes docentes se limitam à vivência. Pro-Posições, 25(2), 197-215. https://doi.org/10.1590/S0103-73072014000200011.

Decreto-Lei n. 8.752, de 9 de maio de 2016. (2016). Dispõe sobre a Política Nacional de Formação dos Profissionais da Educação Básica. Portal da legislação. Brasília, DF.

Fernandes, F. (1986). A formação política e o trabalho do professor. In D. Catani, H. Miranda, L. Menezes & R. Fischmann (Eds.). Universidade, escola e formação de professores (pp. 13-37). São Paulo: Brasiliense.

Foucault, M. (2003). A ordem do discurso. São Paulo: Loyola.

Foucault, M. (2008). A Arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Freitas, H. (2007). A (nova) política de formação de professores: a prioridade postergada. Educação & Sociedade, 28(100), 1203-1230. https://doi.org/10.1590/S0101-73302007000300026.

Gatti, B. (2008). Análise das políticas públicas para formação continuada no Brasil, na última década. Revista Brasileira de Educação, 13(37), 57-70. https://doi.org/10.1590/S1413-24782008000100006.

Geglio, P. (2015). Políticas públicas de formação continuada para professores: um estudo de cursos realizados a partir de propostas licitatórias. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação,

(86), 231-257. https://doi.org/10.1590/S0104-40362015000100009.

Goldenberg, M. (1997). A arte de pesquisar. Como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. Rio de Janeiro: Record.

Larrosa, J. (1994). Tecnologias do Eu e Educação. In T. T. Silva (Ed.), O sujeito da educação: Estudos foucaultianos. Petrópolis, RJ: Vozes.

Lecourt, D. (2008). A Arqueologia e o Saber. In M. Foucault, S. Rouanet, J. Merquior, D. Lecourt & C. Escobar (Eds.), O homem e o discurso. (A Arqueologia de Michel Foucault) (pp. 43-66). Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1996). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União. Brasília, DF.

Lourau, R. (1993). Análise Institucional e Práticas de Pesquisa. Rio de Janeiro: UERJ.

Rouanet, S. (2008). A Gramática do Homicídio. In M. Foucault, S. Rouanet, J. Merquior, D. Lecourt & C. Escobar (Eds.), O homem e o discurso. (A Arqueologia de Michel Foucault) (pp. 91-139). Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

Veiga, A., Neto. (2007). Foucault & a Educação (2. ed.). Belo Horizonte: Autêntica.

Prefeitura Municipal de João Pessoa. (2009). Processo Licitatório n. 007663. João Pessoa: Secretaria de Educação.

Publicado
2020-05-25
Como Citar
Costa, E. A. D. P., & de Brito, D. P. (2020). Um olhar sobre o discurso da formação continuada de professores. Educação, 43(1), e30226. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2020.1.30226
Seção
Outros Temas