Desafios metodológicos para a elaboração de um banco de dados em estudos de elites políticas

O caso dos “Cabeças” do Congresso

Palavras-chave: Banco de Dados, Desafios Metodológicos, Cabeças do Congresso, Deputados Federais, Desenhos de pesquisa

Resumo

O objeto desta pesquisa é a elaboração de um banco de dados composto pelos deputados federais categorizados pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP) entre os anos de 1999 e 2020. Apresentamos o processo de construção do banco de dados e seus impasses metodológicos, buscando: (a) apresentar como o DIAP operacionaliza a premiação dos “Cabeças do Congresso”; (b) apontar as inconsistências presentes nas publicações da série “Cabeças do Congresso”; e (c) expor a relevância das variáveis coletadas neste banco para a compreensão de carreiras políticas e a profissionalização de seus atores. As informações foram coletadas através da base de dados do Observatório de elites políticas e sociais do Brasil, do portal da Câmara dos Deputados, e dos sites do Tribunal Superior Eleitoral e do DIAP. Durante o desenvolvimento do banco foram identificadas inconsistências na série “Os Cabeças do Congresso Nacional”. Por vezes, a atribuição das categorias de destaque dos parlamentares divergia dentro da mesma publicação. A conceituação e o processo de classificação nas categorias de análise também limitam a pesquisa por não estarem bem delimitadas e explicitadas no documento. A estrutura proposta permite conhecer as características e o planejamento de um banco de dados. Este domínio concede boas práticas na construção e coleta de informações aos cientistas políticos, reduzindo divergências e potenciais problemas que possam comprometer o resultado da pesquisa. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabryela Gabriel, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, Paraná, Brasil.

Mestranda em Ciência Política pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), em Curitiba, PR, Brasil. Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

Paula Portela, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, Paraná, Brasil.

Mestranda em Ciência Política pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), em Curitiba, PR, Brasil. Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

Pedro Henrique Beff, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, Paraná, Brasil.

Mestrando em Ciência Política pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), em Curitiba, PR, Brasil. Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

Nilton Sainz, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, Paraná, Brasil.

Doutorando em Ciência Política pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), em Curitiba, PR, Brasil. Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

Referências

Allen, Peter, and Philip Cowley. 2018. “The rise of the professional politician?.” In Exploring Parliament, edited by C. Leston-Bandeira and L. Thompson, 221–230. Oxford: Oxford University Press.

Allen, Nicholas, Gabriele Magni, Donald Searing, and Philip Warncke. 2020. What is a career politician? Theories, concepts and measures. European Political Science Review 12, 199-217. https://doi.org/10.1017/s1755773920000077

Becker, Howard S. 2008. Tabelas de Verdade, combinações e tipos. In Segredos e Truques da Pesquisa, 177-226. Rio de Janeiro: Zahar.

Borchert, Jens. 2003. “Professional politicians: towards a comparative perspective”. In The Political Class in Advanced Democracies: A Comparative Perspective, edited by J. Borchert and J. Zeiss, 1–25. Oxford: Oxford University Press.

Codato, Adriano. 2015. Metodologias para identificação das elites: três exemplos clássicos. In Como estudar elites, edited by R. Perissinotto and A. Codato, 15-32. Curitiba: Editora UFPR.

Collier, David, Jody LaPorte, and Jason Seawright. 2012. Putting typologies to work: concept formation, measurement and analytic rigor. Political Research Quartely 65 (1): 217-232. http://polisci.berkeley.edu/sites/default/files/people/u3827/PuttingTypologiesAppendixandArticle_0.pdf

Costa, Luiz Domingos, Lucas Massimo, Paula Butture, and Ana Lopes. 2015. O desenho e as fontes da pesquisa com elites parlamentares brasileiras no século XX. In Como estudar elites, edited by R. Perissinotto and A. Codato, 63-92. Curitiba: UFPR.

Cotta, Maurizio, and Heinrich Best. 2000. Between professionalization and democratization: A synoptic view on the making of the European representative. In Parliamentary Representatives in Europe 1848-2000. Legislative Recruitment and Careers in Eleven European Countries, edited by H. Best & M. Cotta, 493–526. Oxford: Oxford University Press.

Dahl, Robert. 1961. Who Governs? Democracy and Power in an American City. New Haven, Conn.: Yale University Press.

DIAP. 2020. Os “Cabeças” do Congresso Nacional: uma pesquisa sobre os 100 parlamentares mais influentes. 27. ed. Brasília: Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar – DIAP.

Hunter, Floyd. 1953. Community Power Structure: A Study of Decision Makers. Chapel Hill: University of North Carolina Press.

Lazarsfeld, Paul F. 1937. Some Remarks on Typological Procedures in Social Research. Zeitschrift für Sozialforschung 6: 119-139.

Messenberg, Débora. 2007. A elite parlamentar brasileira (1989-2004). Sociedade e Estado 22 (2): 309-370.

Mills, Wright. 1956. The Power Elite. New York: Oxford University Press.

Publicado
2022-08-09
Como Citar
Gabriel, G., Portela, P., Beff, P. H., & Sainz, N. (2022). Desafios metodológicos para a elaboração de um banco de dados em estudos de elites políticas: O caso dos “Cabeças” do Congresso. Conversas & Controvérsias, 9(1), e42128. https://doi.org/10.15448/2178-5694.2022.1.42128
Seção
Dossiê – Sociologia das elites políticas