Cosmopolitismo e decolonialidade

Para uma coordenação das propostas políticas de Immanuel Kant e Aníbal Quijano

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15448/2178-5694.2022.1.41657

Palavras-chave:

Kant, Aníbal Quijano, Cosmopolitismo kantiano, Decolonialidade

Resumo

Neste artigo, explicitamos os sentidos políticos das propostas de cosmopolitismo e de decolonialidade tal como elas foram respectivamente apresentadas por Immanuel Kant, no texto Ideia de uma História Universal desde um Ponto de Vista Cosmopolita e por Aníbal Quijano, no artigo “Colonialidade e Modernidade/Racionalidade”. Com base na explicitação desses sentidos, focalizamos então, desde o ponto de vista do processo de equilibração das relações internacionais, a questão da interdependência das duas propostas, isto é: (1) a impossibilidade de cada proposta ser pensada completamente sem a outra; (2) a possibilidade de uma coordenação positiva entre as duas propostas, permitindo que cada uma contribua para a concretização da outra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antônio Carlos da Rocha Costa, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Doutor em Ciência da Computação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre, RS, Brasil; doutorando do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil; professor aposentado da Universidade Federal do Rio Grande (FURG), em Rio Grande, RS, Brasil.

Referências

Arendt, H. 2016. Entre o Passado e o Futuro. São Paulo: Perspectiva.

Boécio. 2016. Consolação da Filosofia. São Paulo: Martins Fontes.

Costa, A. C. R. 2021. “O Fundamento Filosófico, os Princípios Jurídicos e a Plataforma Política da Ideia Kantiana de Cosmopolitismo: Um Panorama dos Textos Básicos desde uma Perspectiva Contemporânea”. Conversas & Controvérsias 7 (1):1-13.

Fanon, F. 1961. Os Condenados da Terra. Lisboa: Ulisseia.

Fernández, M. 2014. “O Cosmopolitismo Kantiano: Universalizando o Iluminismo”. Contexto Internacional 36 (2) (julho/dezembro): 417-456.

Kant, I. 2008. A Metafísica dos Costumes. São Paulo: Edipro.

___. 2011. Ideia de uma História Universal de um Ponto de Vista Cosmopolita. São Paulo: Martins Fontes.

___. 2020. À Paz Perpétua. Petrópolis: Vozes, 2020. Mignolo, W. 2005. The Idea of Latin America. Malden: Blackwell.

Mignolo, W. & Walsh, C. 2010. On Decoloniality – Concepts, Analytics, Praxis. Durham: Duke University Press.

Mignolo, W. 2010. “Cosmopolitanism and the De-colonial Option”. Studies in Philosophy and Education 29:111-127.

Mignolo, W. 2011. The Darker Side of Modernity. Durham: Duke University Press.

Piaget, J. A. 1976. Equilibração das Estruturas Cognitivas: Problema Central do Desenvolvimento. Rio de Janeiro: Zahar.

Quijano, A. 1979. “José Carlos Mariátegui: Reencuentro y debate” (Prólogo a 7 Ensayos de Interpretación de la Realidad Peruana). In 7 Ensayos de Interpretación de la Realidad Peruana, organizado por Mariátegui, J. C., 3-19. Caracas: Biblioteca de Ayacucho.

___. 1992. “Colonialidad y Modernidad/Racionalidad”. Perú Indígena 13 (29):11-20.

___. 2020 “¿Bien vivir?: entre el «desarrollo» y la Des/ Colonialidad del poder. In Quijano, A. Cuestiones y Horizontes. De la dependencia histórico-estrutural a la conolonialidad/descolonialida del poder, 937-952. Buenos Aires: CLACSO.

Wight, M. 1992. International Theory – Three Traditions. New York: Holmes & Meier.

Downloads

Publicado

2022-05-23

Como Citar

Costa, A. C. da R. (2022). Cosmopolitismo e decolonialidade: Para uma coordenação das propostas políticas de Immanuel Kant e Aníbal Quijano. Conversas & Controvérsias, 9(1), e41657. https://doi.org/10.15448/2178-5694.2022.1.41657