A comunidade dos iguais e o líder do verdadeiro povo

Uma breve caracterização do fenômeno do populismo contemporâneo

Palavras-chave: Populismo contemporâneo, Democracia, Povo, Líder

Resumo

Este artigo objetiva, em um primeiro momento, caracterizar as profundas transformações no tempo histórico e no espaço social, ocorridas a partir da segunda metade do século XX, que fomentaram as condições objetivas para a emergência do fenômeno do populismo contemporâneo e, em um segundo momento, expor e explicar dois de seus principais elementos: as noções de povo e de líder político. A partir da revisão bibliográfica de diferentes obras que investigam as consequências da globalização econômica e política e do populismo, foi possível concluirmos que o populismo hodierno promove a verticalização da política na figura do líder, que encarna e representa o verdadeiro povo. O “povo” dos populistas refere-se a uma comunidade orgânica, natural e homogênea, na qual não existem dissidências valorativas ou morais

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabela Monti, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Campinas, SP, Brasil.

Mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP. Graduada em Ciências Sociais pela Faculdade de Ciências e Letras (FCLar) da UNESP.

Referências

AUGÉ, Marc. Los nuevos miedos. Buenos Aires, Argentina: Paidós, 2014.

BAUMAN, Zygmunt. Retrotopia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2017.

BAUMAN, Zygmunt. Babel: entre a incerteza e a esperança. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2016.

BAUMAN, Zygmunt. A sociedade individualizada: vidas contadas e histórias vividas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BODEI, Remo. Destinos personales: la era de La colonizacíon de las conciencias. Buenos Aires: El cuenco de plata, 2006.

BROWN, Wendy. Undoing the Demos: Neoliberalism´s Stealth Revolution. New York: Zone Books, 2015.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

GALLI, Carlo. Spazi politici: l'età moderna e l 'etàglobale, Bologna: Il Mulino, 2001.

GALLINO, Luciano. La lotta di classe dopo la lotta di classe. Roma: Laterza, 2012.

GIACCHÉ, Vladmiro. Perché la guerra fa male ai lavoratori (II). Proteo, [S.l.], n.2, 2002. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2020.

HAN, Byung Chul. No enxame: perspectivas do digital. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2018.

HAN, Byung Chul. L’expulsione del’altro. Torino: Nottetempo, 2017.

HOCHSCHILD, A. Strangers in their own land: anger and mourning on the american right.

New York: New Press, 2016.

ILLOUZ, Eva. Intimidades congeladas: las emociones enel capitalismo. Madrid: Katz Editores, 2007.

LAZZARATO, Maurizio. La fábrica del hombre endeudado: ensayo sobre la condición neoliberal. Buenos Aires: Amorrortu, 2013.

MASTROPAOLO, Alfio. La mucca pazza della democracia: nuove destre, populisme, antipolitica. Torino: Bollati Boringhieri, 2005

MULLER, Jan Werner. Cos’è il populismo. Milão: Università Bocconi Editore, 2017.

SASKIA, S. Expulsões: brutalidade e complexidade na economia global. 1.ed. Rio de

Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2016.

TARCHI, Marco. Italia populista: dal qualcunquismo a Beppe Grillo. Bologna: Il Mulino, 2015.

TODOROV, Tzvetan. Muros caídos, muros erigidos. Buenos Aires: Katz, 2011.

TRAVERSO, Enzo. La historia como campo de batalla: interpretar las violencias del siglo XX. Buenos Aires, Argentina: Fondo de Cultura Económica, 2012.

URBINATI, Nadia. Io, Il Popolo: como il populismo trasforma la democrazia. Bologna: Il Mulino, 2020.

VIRILIO, Paul. L’administration de la peur. Paris: Textuel, 2010.

ZOLO, Danilo. Sulla Paura: Fragilità, aggressività, potere. Itália: Feltrineli, 2011.

WACQUANT, Loïc. As prisões da miséria. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

Publicado
2021-09-28
Como Citar
Monti, I. (2021). A comunidade dos iguais e o líder do verdadeiro povo: Uma breve caracterização do fenômeno do populismo contemporâneo. Conversas & Controvérsias, 8(2), e40011. https://doi.org/10.15448/2178-5694.2021.2.40011
Seção
Dossiê: Crise Sistêmica Internacional e Regimes Democráticos