Marcadores sociais da diferença na experiência escolar de jovens estudantes negras

Palavras-chave: Escola, Gênero, Raça, Interseccionalidade

Resumo

Analisamos os marcadores de gênero e raça presentes nas experiências de jovens estudantes negras de uma escola da rede pública. Para tanto, utilizamos a abordagem etnográfica a fim de compreender como tais marcadores operam no processo de construção das subjetividades das jovens negras. Com isso, questões sobre identidade, representatividade e resistências surgiram se inter-relacionando no processo de construção das subjetividades, o que evidenciou a emergência dos marcadores de gênero e de raça nas dinâmicas estabelecidas no contexto escolar. A partir dessa leitura, depreendemos que as experiências dos sujeitos que transitam no contexto escolar reforçam a importância da escola no processo de construção das subjetividades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiane Barbosa Soares, Universidade Federal do Pampa (Unipampa), Uruguaiana, RS, Brasil.

Mestra e doutoranda em Educação em Ciências pela Universidade Federal do Pampa (Unipampa), em Uruguaiana, RS, Brasil. Professora da Educação Básica no município de Uruguaiana, RS, Brasil.

Alinne de Lima Bonetti, Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc), Florianópolis, SC, Brasil.

Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em Campinas, SP, Brasil. Antropóloga. Professora da Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc), em Florianópolis, SC, Brasil.

Referências

Bonetti, Alinne de L. 2011. Gênero, poder e feminismos: as arapiracas pernambucanas e os sentidos de gênero da política feminista. Labrys 12 (20): 145-172. https://doi.org/10.21669/tomo.v0i12.461.

Brah, Avtar. 2006. Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu 26: 329- 376. https://doi.org/10.1590/S0104-83332006000100014.

Britto da Motta, Alda. 2004. Gênero, idades e gerações. Cadernos CRH 17(42): 349-355. http://dx.doi.org/10.9771/ccrh.v17i42.18727.

Cardoso de Oliveira, Roberto. 1998. O trabalho do antropólogo. São Paulo: Editora UNESP.

Collins, Patricia H. 2016. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento negro feminista. Revista Sociedade e Estado 31 (1): 99-127. https://doi.org/10.1590/S0102-69922016000100006.

Collins, Patricia H. 2019. Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. São Paulo: Boitempo.

Gomes, Nilma L. 1996. Educação, raça e gênero: relações imersas na alteridade. Cadernos Pagu 6-7: 67-82. https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1862.

Gomes, Nilma L. 2005. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei federal nº 10.639/03, organizado pela Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 39-62. Brasília: MEC.

Gomes, Nilma L. 2012. Movimento negro e educação: ressignificando e politizando a raça. Educação & Sociedade 33 (120): 727-744. https://doi.org/10.1590/S0101-73302012000300005.

Gonzales, Lélia. 1984. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje- Anpocs, 223-244.

Hall, Stuart. 2004. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP& A.

Hall, Stuart. 2012. Quem precisa de identidade? In Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais, organizado por Tomaz T. da Silva, 103-132. Petrópolis, RJ: Vozes.

Jaccoud, Luciana. 2008. Racismo e república: o debate sobre o branqueamento e a discriminação no Brasil. In As políticas públicas e a desigualdade racial no Brasil: 120 anos após a abolição, organizado por Mário Theodoro, 45-64. Brasília: IPEA.

Louro, Guacira L. 2000. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica.

Meneghel, Stela N., Olga Farina e Silvia R. Ramão. 2005. Histórias de resistência de mulheres negras. Estudos Feministas 13 (3): 567-583. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2005000300006.

Nascimento, Elisa L. 2003. O sortilégio da cor: identidade, raça e gênero no Brasil. São Paulo: Summus Editorial.

Nogueira, Oracy. 2006. Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem – sugestão de um quadro de referência para a interpretação do material sobre relações raciais no Brasil. Tempo Social 19 (1): 287-308 https://doi.org/10.1590/S0103-20702007000100015.

Ribeiro, Djamila. 2017. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento.

Souza, Neusa S. 1983. Tornar-se negro: as vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social. Rio de Janeiro: Graal.

Publicado
2021-12-07
Como Citar
Soares, C. B., & Bonetti, A. de L. (2021). Marcadores sociais da diferença na experiência escolar de jovens estudantes negras. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 21(3), 370-379. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2021.3.40540
Seção
Dossiê: Interseccionalidades, Direitos e Políticas