Tecendo fios entre interseccionalidade, agência e capacidades na teoria sociológica

Palavras-chave: Sujeito, Autonomia, Feminismo, Interseccionalidade

Resumo

A crítica produzida pelo pensamento feminista teve relevante contribuição para os estudos sociais ao enfatizar como a categoria gênero pode auxiliar na compreensão do mundo social. Mais recentemente, a abordagem interseccional do feminismo tem demostrado como gênero, articulado a outras categorias, como raça, classe, sexualidade, geração e localidade, pode auxiliar em análises mais complexas dos fenômenos sociais. Neste artigo, nosso objetivo é mobilizar a abordagem interseccional para revisar as noções de agência e de capacidades, visando oferecer um aporte sociológico analítico da constituição de sujeitos autônomos. Para isso, destacamos contribuições da abordagem interseccional e, em seguida, reelaboramos as noções de agência e de capacidades, tecendo combinações entre os fundadores e as fundadoras desses conceitos com representantes da abordagem interseccional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcio Ferreira de Souza, Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Uberlândia, MG, Brasil.

Doutor e mestre em Sociologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em Belo Horizonte, MG, Brasil. Professor no Instituto de Ciências Sociais da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), em Uberlândia, MG, Brasil.

Silvana Aparecida Mariano, Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina, PR, Brasil.

Doutora em Sociologia pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em Campinas, SP, Brasil; mestre em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc), em Florianópolis, SC, Brasil. Professora da Universidade Estadual de Londrina (UEL), em Londrina, PR, Brasil.

Lina Penati Ferreira, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil.

Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), em Londrina, PR, Brasil. Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade de São Paulo (USP), em São Paulo, SP, Brasil.

Referências

Akotirene, Carla. 2019. Interseccionalidade. São Paulo: Pólen.

Archer, Margaret S. 2011. Habitus, reflexividade e realismo. Dados 54 (1): 157206. https://doi.org/10.1590/S0011-52582011000100005.

Collins, Patricia H. 2016. Aprendendo com a outsider whithin: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Revista Sociedade e Estado 31 (1): 99-127. https://doi.org/10.1590/S0102-69922016000100006.

Collins, Patricia H. 2015. Em direção a uma nova visão: raça, classe e gênero como categorias de análise e conexão. In Reflexões e práticas de transformação feminista, organizado por Renata Moreno, 13-42. São Paulo: SOF.

Collins, Patricia H. 2019. Pensamento feminista negro. São Paulo: Boitempo.

Collins, Patricia H. e Sirma Bilge. 2020. Intersectionality (Key concepts). 2. ed. Cambridge: Polity Press. Kindle.

Crenshaw, Kimberle. 2002. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas 10 (1): 171-188. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2002000100011.

Curiel, Ochy. 2019. Construindo metodologias feministas desde o feminismo decolonial, 2019. In Descolonizar o feminismo, organizado por Paula Balduino de Melo, 32-51. Brasília: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília.

Friedan, Betty. 1971. Mística feminina. Rio de Janeiro: Vozes.

Giddens, Anthony. 2009. A constituição da sociedade. São Paulo: Martins Fontes.

Gonzalez, Lélia. 2020. Por um feminismo afro-latino-americano. In Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos, organizado por Flávia Rios e Márcia Lima, 139-150. Rio de Janeiro: Zahar.

hooks, bell. 2015. Mulheres negras: moldando a teoria feminista. Revista Brasileira de Ciência Política 16 (1): 193-210. https://doi.org/10.1590/0103-335220151608.

Kilomba, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó. Kindle.

Lopes, Juliana A. 2020. Quem pariu Améfrica? Trabalho doméstico, constitucionalismo e memória em pretuguês. Revista Brasileira de Políticas Públicas 10 (2): 94-124. https://doi.org/10.5102/rbpp.v10i2.6900.

Lugones, María. 2019. Rumo a um feminismo decolonial. In Pensamento feminista: conceitos fundamentais, organizado por Heloisa Buarque de Holanda, 357-377. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo.

Lugones, María. 2020. Colonialidade e gênero. In Pensamento feminista: perspectivas decoloniais, organizado por Heloisa Buarque de Holanda, 52-82. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo.

Mariano, Silvana Aparecida e Márcia Macêdo. 2015. Desigualdades e interseccionalidades: deslindando a complexa trama das hierarquias e agenciamentos. Mediações-Revista de Ciências Sociais 20 (2): 11-26. https://doi.org/10.5433/2176-6665.2015v20n2p11.

Nussbaum, Martha C. 2002. Las mujeres y el desarrollo humano. 2. ed. Madri: Herder.

Quijano, Aníbal. 2005. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais, organizado por Edgardo Lander, 227-278. Buenos Aires: Clacso.

Sen, Amartya K. 2012. Desigualdade reexaminada. 3. ed. Rio de Janeiro: Record.

Sen, Amartya K. 1993. O desenvolvimento como expansão da capacidade. Lua Nova 28/29 (1): s.p. https://doi.org/10.1590/S0102-64451993000100016.

Publicado
2021-12-07
Como Citar
Souza, M. F. de, Mariano, S. A., & Ferreira, L. P. (2021). Tecendo fios entre interseccionalidade, agência e capacidades na teoria sociológica. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 21(3), 423-433. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2021.3.40509
Seção
Dossiê: Interseccionalidades, Direitos e Políticas