Análise de capas de revistas

Uso da imagem na conscientização ambiental

Palavras-chave: Ensino de biologia, Ensino de Língua Portuguesa, Senso crítico

Resumo

Considerada um gênero híbrido, a capa de revista permite o desenvolvimento de capacidade de análise de informações que estão explícitas e implícitas, contribuindo para a construção de diferentes conhecimentos e para a ampliação da interpretação de textos multimodais. Deste modo, as capas de revistas são uma ferramenta interessante para o desenvolvimento da capacidade crítica e interpretativa de elementos textuais e visuais. A interpretação é uma habilidade fundamental para todas as áreas do conhecimento, tendo uma aplicação significativa nas ciências da natureza onde o recurso visual é muito importante para o entendimento. Dentro desta perspectiva o presente relato de aula teve como pergunta fundadora: como a análise de capas de revistas pode auxiliar na sensibilização da temática de impactos ambientais em estudantes de terceiro ano do ensino médio? Objetivou-se nessa aula exercitar a análise da liberdade de expressão a partir de produtos midiáticos; analisar o público-alvo e o meio de divulgação de reportagens; refletir e compreender a capa de revista como um gênero textual ligado ao jornalismo; compreender o uso dos diferentes recursos expressivos em textos da esfera jornalística; identificar a importância dos elementos que compõem a capa de revista como partes significativas para a construção textual. Foi realizada uma aula integrada entre os componentes de Biologia e Língua Portuguesa, fazendo uso das interrelações entre a análise e a interpretação de capas de revistas, divulgação midiática dos impactos ambientais e a evolução do sistema visual dos animais. A fim de obter melhor compreensão dos conteúdos trabalhados em sala de aula.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Artur Antunes Navarro Valgas, Colégio Marista São Pedro (CMSP), Porto Alegre, RS, Brasil.

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Biologia Animal da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Mestre em Biologia Animal pela UFRGS. Bacharel e Licenciado em Ciências Biológicas pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande de Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Tem experiência nas áreas de ecofisiologia animal, toxicologia, zoologia, fisiologia comparada, biologia da invasão, fisiologia da conservação e educação (formal, não formal e educação ambiental). Professor de Ciências e Biologia no Colégio Marista São Pedro, em Porto Alegre, RS, Brasil.

Mônica Klen de Azevedo, Colégio Marista São Pedro (CMSP), Porto Alegre, RS, Brasil.

Doutoranda em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Especialista em Literatura Brasileira pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande de Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Professora de Português e Literatura no Colégio Marista São Pedro, em Porto Alegre, RS, Brasil.

Andrea Ferreira Pires da Rosa, Colégio Marista São Pedro (CMSP), Porto Alegre, RS, Brasil.

Especialista em Educação Inclusiva pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande de Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Especialista em Supervisão Educacional pelo Centro Universitário Leonardo da Vinci, em Porto Alegre, RS, Brasil. Pedagoga pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande de Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Coordenadora Pedagógica Colégio Marista São Pedro, em Porto Alegre, RS, Brasil.

Referências

ANTUNES, Irandé. Aula de Português: Encontro & Interação. São Paulo: Parábola Editorial. 2003.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Curricular Comum. 2018.

BRUZZO, Cristina. Biologia: Educação e imagens. Educ. Soc. Campinas, v. 25, n. 89, p. 1359- 1378, set./dez. 2004.

CORACINI, Maria José. Leitura: decodificação, processo discursivo. In: CORACINI, M. J.(org.) O jogo discursivo na aula de leitura. Campinas: Pontes, 2002.

COSTA, Cristina. Educação, imagens e mídias. São Paulo: Cortez Editora, 2005. v. 12. (Coleção Aprender e Ensinar com textos)

DA SILVA, Maria do Carmo Gonçalves et al. Plasticidade neural, neurociência e educação: as bases do aprendizado. Plasticidade neural, Neurociência e Educação: As bases do aprendizado. Arquivos do Mudi, v. 24, n. 2, p. 30-41, 2020. http://doi.org/10.4025/arqmudi.v24i2.53548.

DE MORAIS, Lucas Andrade. Discurso midiático e meio ambiente: Análise de discursos ambientais em capas da revisa Veja. In: INTERNACIONAL DE MEIO AMBIENTE E SOCIEDADE, 1., 2019; CONGRESSO DE DIVERSIDADE DO SEMIÁRIDO, 3. 2019.

FARIA, Maria Alice; ZANCHETTA, Juvenal. Para ler e fazer o jornal na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2002.

GARRÉ, Bárbara Hees; HENNING, Paula Corrêa. Discurso da crise ambiental na mídia impressa. Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 33, e138587, 2017.

GRIGOLETTO, Marisa. A concepção de texto e de leitura do aluno de 1º e 2º Graus e o desenvolvimento da consciência crítica. In: CORACINI, Maria José (org.) O jogo discursivo na aula de leitura. Campinas: Pontes, 2002.

GOMES, Mayra Rodrigues. Um texto Icônico-Verbal por semana: vendo/lendo capas de Veja. 1992. Dissertação (Mestrado em Ciências da Comunicação) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1992.

GOMES, Antenor Rita. Falando em imagens! O processo de produção de sentido sócio pedagógico no uso do texto imagético-verbal em atividades do ensino da língua portuguesa. 2004. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação. Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2004. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/11838/1/Tese_%20Antenor%20Gomes1.pdf. Acesso em: 12 mar. 2021.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Matriz de competências e habilidades do ensino médio. Brasília: INEP, 2017

LAND, Michael F.; NILSSON, Dan-Eric. Animal eyes. Oxford: Oxford University Press, 2012.

MIGUEL, Raquel de Barros Pinto et al. Mídia e educação: produção acadêmica no Brasil e na França. Psicologia em Estudo, [S. I.], v. 22, n. 1, p. 67-79, 2017.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 2. ed. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: Unesco, 2011.

RABAÇA, Carlos Alberto; BARBOSA, Gustavo. Dicionário de Comunicação. Rio de Janeiro: Codecri, 1978.

RAMOS, Daniela Karine; LORENSET, Caroline Chioquetta; PETRI, Giani. Jogos educacionais: contribuições da neurociência à aprendizagem. Revista X, [S. I.], v. 2, n. 1, 2016.

SILVA, Ana Cristina Teodoro da. O tempo e as imagens de mídia: capas de revistas como signos de um olhar contemporâneo. 2003. Tese (Doutorado em História) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Assis, 2003.

SILVA, Rosana Louro Ferreira. Leitura de imagens da mídia e educação ambiental: contribuições para a formação de professores. Educação em Revista, [S. I.], v. 26, n. 2, p. 277-297, 2010.

SILVA, Rosana Louro Ferreira; SILVA, Letícia Conconi; ALFONSI, Lívia Essi. A biologia na mídia e na escola: investigando as temáticas mudanças globais e biodiversidade. In: ENPEC, 8., 2011. Anais [...]. 2011.

SILVA, Henrique. C. Lendo imagens na educação científica: construção e realidade. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 17, n. 1 (49), p. 71-83, jan./abr. 2006.

SILVEIRA, Fernanda Romanezi da. Um estudo das capas da Revista Nova Escola: 1986-2004. 2006. 162 p. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, SP, 2006.

UNIÃO MARISTA DO BRASIL. Matrizes curriculares de educação básica do Brasil Marista: área de ciências da natureza e suas tecnologias. 3. ed. Curitiba: PUCPRESS, 2019.

UNIÃO MARISTA DO BRASIL. Matrizes curriculares de educação básica do Brasil Marista: área de linguagens, códigos e suas tecnologias. 3. ed. Curitiba: PUCPRess, 2019.

Publicado
2021-09-13
Como Citar
Valgas, A. A. N., de Azevedo, M. K., & da Rosa, A. F. P. (2021). Análise de capas de revistas: Uso da imagem na conscientização ambiental. Caderno Marista De Educação, 12(1), e40801. https://doi.org/10.15448/2763-5929.2021.1.40801
Seção
Artigos