Orientação Educacional e Inclusão

Interfaces e itinerários na construção de uma cultura inclusiva

Palavras-chave: Orientação educacional, Inclusão, Cultura inclusiva

Resumo

Este estudo retrata a pesquisa de conclusão do curso de especialização em Educação Inclusiva da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul e visa refletir sobre a importância do orientador educacional nos processos inclusivos no contexto da escola regular, buscando responder a seguinte pergunta: quais são as interfaces e os itinerários necessários para o processo de inclusão de estudantes com deficiência na educação básica regular, no ensino fundamental – anos iniciais – de uma escola da rede privada de Porto Alegre, na perspectiva da atuação do orientador educacional? Para tal, foi realizada uma pesquisa de abordagem qualitativa através de observações em diferentes momentos da rotina escolar e de entrevistas semiestruturadas, realizadas com sete professoras e quatro famílias de estudantes público-alvo da educação especial, que resultaram em proposições de caminhos e parcerias que se fazem necessárias na atuação desse profissional, através da acolhida das famílias e estudantes, do apoio fornecido ao professor e demais educadores, das proposições de formação continuada para toda a comunidade educativa e do fornecimento de recursos necessários para proporcionar a equidade nos processos de ensino e aprendizagem, a fim de contribuir para a construção de uma cultura mais inclusiva no contexto das escolas. Através dos relatos dos entrevistados foi possível pensar em itinerários/caminhos a serem percorridos e em interfaces/parcerias necessárias para que essa proposta se efetive. O professor sozinho não torna uma escola inclusiva. Todos precisam ser atores e protagonistas neste processo, e o papel do orientador educacional torna-se fundamental, considerando o fato de ser o primeiro contato do estudante e da família na escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana de Souza Arieta, Colégio Marista Rosário (CMR), Porto Alegre, RS, Brasil.

Especialista em Educação Inclusiva, Gestão Curricular Marista e Psicopedagogia Clínica e Institucional e mestranda em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Orientadora educacional dos anos iniciais do Colégio Marista Rosário, em Porto Alegre, RS, Brasil.

Katiuscha Lara Genro Bins, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Doutora em Educação, mestre em Educação e especialista em Alfabetização e Letramento pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Professora na EMEF Prof. Luiz Francisco Lucena Borges, em Porto Alegre, RS, Brasil; e professora convidada na PUCRS, em Porto Alegre, RS, Brasil.

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BATISTA, Cristina Abranches Mota. Atendimento Educacional Especializado para pessoas com deficiência mental. In: MANTOAN, Maria Teresa Eglér (org.). O desafio das diferenças nas escolas. Rio de Janeiro: Vozes, 2013. p. 121-129.

BEYER, Hugo Otto. O Projeto da Educação Inclusiva: Perspectivas e princípios de implementação. In: JESUS, Denise Meyrelles et al. (org.). Inclusão Práticas Pedagógicas e trajetórias de pesquisa. 3. ed. Porto Alegre: Mediação, 2011. p. 75-81.

CARVALHO, Rosita Edler. Escola Inclusiva: a reorganização do trabalho pedagógico. Porto Alegre: Mediação, 2014.

COLÉGIOS E UNIDADES SOCIAIS DA REDE MARISTA. Diretrizes da Educação Inclusiva na Educação Básica da Rede Marista/Colégios e Unidades Sociais da Rede Marista. Organização de Ana Rosimeri Araújo da Cunha; Simone Martins da Silva. Porto Alegre: Centro Marista de Comunicação, 2018.

CRESWELL, John W. Investigação qualitativa e projeto de pesquisa: escolhendo entre cinco abordagens. 3. ed. Porto Alegre: Penso, 2014.

GIACAGLIA, Lia Renata Angelini; PENTEADO, Wilma Millan Alves. Orientação Educacional na Prática: princípios, técnicas e instrumentos. São Paulo: Thomson Learning, 2006.

MANUAL diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. 5. ed. Tradução de Maria Inês Corrêa Nascimento et al.; revisão técnica de Aristides Volpato Cordioli et al. Porto Alegre: Artmed, 2014. Disponível em: http://www.clinicajorgejaber.com.br/2015/estudo_supervisionado/dsm.pdf. Acesso em: 24 jul. 2020.

ROSA, Carlos Eduardo. O DSM-5 e a CID-10: uma questão de classe? In: ROSA, Carlos Eduardo. Carlos Eduardo Rosa: Psiquiatria e Psicoterapia. [S. l.], 26 jan. 2015. Disponível em: http://www.carloseduardorosa.com.br/o-dsm-5-e-a-cid-10-uma-questao-de-classe. Acesso em: 25 maio 2017.

ROTTA, Newra Tellechea; OHLWEILER, Ligia; RIESGO, Rudimar dos Santos (org.). Transtornos da aprendizagem: uma abordagem neurobiológica e multidisciplinar. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2016.

SILVA, Karla Wunder; BINS, Katiuscha Lara Genro. 25 anos de uma escola que se (re)constrói no tempo: funcionamento atual. In: SILVA, Karla Wunder; BINS, Katiuscha Lara Genro (org.). Tessituras do fazer pedagógico junto a alunos com Transtorno do Espectro Autista. Porto Alegre: Secretaria Municipal de Educação, 2016. p. 43-49.

UNIÃO MARISTA DO BRASIL. Projeto Educativo do Brasil Marista: Nosso jeito de conceber a Educação Básica. Brasília, DF: Umbrasil, 2010.

Publicado
2021-09-13
Como Citar
Arieta, M. de S., & Bins, K. L. G. (2021). Orientação Educacional e Inclusão: Interfaces e itinerários na construção de uma cultura inclusiva. Caderno Marista De Educação, 12(1), e40790. https://doi.org/10.15448/2763-5929.2021.1.40790
Seção
Artigos