Educação Física

Um currículo potente e em constante movimento diante da educação inclusiva

Palavras-chave: Educação Física, Educação inclusiva, Ensino, Currículo

Resumo

Esta pesquisa teve como objetivo verificar de que forma a Educação Física (EFI) vem contribuindo para os processos de ensino e de aprendizagem como componente curricular potencializador do desenvolvimento motor, social, afetivo e cognitivo de estudantes público-alvo da Educação Especial (PAEE), na educação infantil e nos anos iniciais de uma escola Marista do município de Porto Alegre (RS). Com uma abordagem quanti-qualitativa, esse estudo utilizou como instrumento principal o diário de campo, no que tange ao propósito de acesso, inclusão e permanência dos estudantes nas aulas de EFI, em consonância com os documentos institucionais e os dados quantitativos com o número de estudantes PAEE atendidos e a frequência destes na EFI, buscando avaliar os processos e o currículo desse componente curricular. A análise dos dados quantitativos foi realizada através dos documentos de registro de matrículas e diário de classe, e os dados qualitativos foram analisados a partir da Técnica de Análise de Conteúdo proposta por Bardin (2010). Assim, verificou-se que a EFI se torna um espaço potente de oportunidades para que os estudantes PAEE tenham experiências diferenciadas, priorizando a socialização e promovendo transformações quando os vínculos são estabelecidos e quando existe um trabalho em conjunto com as demais áreas do conhecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rubiane Severo Oliva, Colégio Marista Rosário (CMR), Porto Alegre, RS, Brasil.

Mestre em Ciências da Atividade Física pela Universidade de Córdoba/Espanha; especialista em Ciências do Movimento Humano pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre, RS, Brasil; doutoranda em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Professora de Educação Física da educação infantil e anos iniciais do Colégio Marista Rosário (CMR), em Porto Alegre, RS, Brasil.

Karina Pacheco Dohms, Colégio Marista Rosário (CMR), Porto Alegre, RS, Brasil.

Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil; mestre em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, RS, Brasil; especialista em Recreação, Lazer e Jogos Cooperativos pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Professora de Educação Física dos anos iniciais no Colégio Marista Rosário (CMR), em Porto Alegre, RS, Brasil.

Mariana de Souza Arieta, Colégio Marista Rosário (CMR), Porto Alegre, RS, Brasil.

Especialista em Educação Inclusiva e em Gestão Curricular Marista pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil; especialista em Psicopedagogia Clínica e Institucional pelo Centro Universitário Leonardo da Vinci (UNIASSELVI), em Porto Alegre, RS, Brasil; mestranda em Educação Marista pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Orientadora Educacional dos Anos Iniciais do Colégio Marista Rosário (CMR), em Porto Alegre, RS, Brasil.

Referências

ALONSO, D. Desafios na sala de aula: dimensões possíveis para um planejamento flexível. Instituto Rodrigo Mendes. In: Diversa Educação Inclusiva na Prática. [S. I.], 2011. Disponível em: https://diversa.org.br/artigos/desafios-na-sala-de-aula-dimensoes-possiveis-para-um planejamento-flexivel. Acesso em: 20 jul. 2020.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. 3. ed. Lisboa: Edições 70, 2010.

BLANCO, R. A atenção à diversidade na sala de aula e as adaptações do currículo. In: COLL, C.; MARCHESI, Á.; PALACIOS, J. (org.). Desenvolvimento psicológico e educação: transtornos de desenvolvimento e necessidades educativas especiais. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. p. 290-308.

BRAGA, L. W. Cognição e Paralisia Cerebral: Piaget e Vigotsky em questão. Salvador: Sarah Letras, 1995.

BRASIL. Decreto nº 7.612, de 17 de novembro de 2011. Institui o Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência – Plano Viver sem Limite. Brasília, DF: Presidência da República, [2011]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7612.htm. Acesso em: 8 mar. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: Educação Física. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília: Secretaria de Educação Especial – MEC: SEESP, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF: Ministério da Educação, 20 dez. 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2008.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015a. Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília, DF: Presidência da República, 6 jul. 2015.

COLÉGIOS E UNIDADES SOCIAIS DA REDE MARISTA. Diretrizes da Educação Inclusiva na Educação Básica da Rede Marista/Colégios e Unidades Sociais da Rede Marista. 1. ed. Organização de Ana Rosimeri Araujo da Cunha e Simone Martins da Silva. Porto Alegre: Centro Marista de Comunicação, 2018.

COLL, C. Psicologia e currículo: uma aproximação pedagógica à elaboração do currículo escolar. 5. ed. São Paulo: Ática, 2007.

DEMO, P. Avaliação sob o olhar propedêutico. Lógica e democracia da educação. Avaliação qualitativa. Campinas: Papirus, 1996.

HEREDERO. E. S. A escola inclusiva e estratégias para fazer frente a ela: as adaptações curriculares. Acta Scientiarum Education, Maringá, v. 32, n. 2, p. 193-208, 2010.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. São Paulo: Cortez 2002.

MATRIZES CURRICULARES DA EDUCAÇÃO BÁSICA BRASIL MARISTA. Área de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Curitiba: União Marista do Brasil, Pontifícia Universidade Católica do Paraná, 2016.

MUNSTER, M. A. V.; ALMEIDA, J. J. G. O esporte adaptado no contexto da extensão universitária. In: MENDES, E. G.; ALMEIDA, M. A. (org.). Das margens ao centro: perspectivas para as políticas e práticas educacionais no contexto da educação especial inclusiva. Araraquara: Junqueira & Marin, 2010. p. 457-467.

NADEL-BRULFERT, J.; WEREBE, M. J. G. Henri Wallon. São Paulo: Ática, 1986.

OLIVEIRA, A. A. S.; POKER, R.B. Educação inclusiva e municipalização: a experiência em educação especial de Paraguaçu Paulista. Revista Brasileira de Educação Especial, Corumbá, v. 8, n. 2, 2003.

OLIVEIRA, A. A. S.; LEITE, L. P. Escola inclusiva e as necessidades educativas especiais. In: MANZINI, E. J. Educação especial: temas atuais. Marília: Unesp - Marília publicações, 2000. p. 11-20.

PALMA, Â.P.T.V. (org.). Educação Física e a organização curricular – educação infantil, ensino fundamental, ensino médio. Londrina: EDUEL, 2010.

RIO GRANDE DO SUL. Secretaria de Estado da Educação. Referenciais curriculares do estado do Rio Grande do Sul: linguagens, códigos e suas tecnologias. Porto Alegre: SE/DP, 2009. v. 2.

RODRIGUES, D. A Educação Física perante a Educação Inclusiva: reflexões conceptuais e metodológicas. Boletim da Sociedade Portuguesa de Educação Física, Lisboa, n. 24-25, p. 73-81, 2003.

SASSAKI, R. K. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA, 1999.

SILVA, K. R. X.; SALGADO, S. S. Construindo culturas de inclusão nas aulas de educação física numa perspectiva humanista. Arquivos em Movimento, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 45-53, jan./jun. 2005.

SILVA, A. J.; DUARTE, E.; ALMEIDA, J. J. G. Campeonato escolar e deficiência visual: o discurso dos professores de educação física. Movimento, Porto Alegre, v. 17, n. 2, p. 37-55, 2011.

STRAPASSON, A. M.; CARNIEL, F. A Educação Física na educação especial. Revista Digital, Buenos Aires, ano 11, n. 104, p. 1-17, 2007.

UNESCO. Declaração de Salamanca. Sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais, Salamanca: UNESCO, 1994.

Publicado
2022-03-10
Como Citar
Oliva, R. S., Dohms, K. P., & Arieta, M. de S. (2022). Educação Física: Um currículo potente e em constante movimento diante da educação inclusiva. Caderno Marista De Educação, 13(1), e40793. https://doi.org/10.15448/2763-5929.2022.1.40793