Pais de Primeira Viagem: A Experiência da Paternidade na Meia-Idade

Mayara Colleti, Fabio Scorsolini-Comin

Resumo


O objetivo deste estudo foi compreender os processos desenvolvimentais de homens que se tornaram pais pela primeira vez após os 40 anos. Foram entrevistados quatro pais, com idades entre 44 e 58 anos, a partir da técnica da história de vida e de um roteiro semiestruturado. A análise de conteúdo revelou que a assunção da paternidade está intimamente relacionada à percepção do próprio genitor. Destacaram-se nos discursos aspectos positivos e negativos da paternidade nessa fase e também a importância de conciliar as funções parentais com a conjugalidade e as relações familiares e sociais. A paternidade na meia idade é um fenômeno que nos obriga a analisar diferentes facetas do desenvolvimento, tanto físicas como culturais, reconhecendo a necessidade de novas investigações com essa população.


Palavras-chave


Paternidade; Parentalidade; Meia-Idade; Masculinidade; Desenvolvimento.

Texto completo:

PDF

Referências


Alarcão, A. C. J., Carvalho, M. D. de B., & Pelloso, F. M. (2008). A morte de um filho jovem em circunstância violenta: compreendendo a vivência da mãe. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 16(3), 341-347.

Bittencourt, A. L. P., Quintana, A. M., & Velho, M. T. A. C. (2011). A perda do filho: Luto e doação de órgãos. Estudos de Psicologia, 28(4), 435-442. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2011000400004

Balancho, L. S. F. (2004). Ser pai: Transformações intergeracionais na paternidade. Análise Psicológica, 22(2), 377-386.

Benghozi, P. (2010). Malhagem, filiação e afiliação – Psicanálise dos vínculos: Casal, família, grupo, instituição e campo social. (E. D. Galery, Trad.). São Paulo: Vetor.

Cecílio, M. S., & Scorsolini-Comin, F. (2013). Relações entre conjugalidade e parentalidades adotiva e biológica. Psico (Porto Alegre), 44(2), 245-256.

Costa, N. R. A., & Rossetti-Ferreira, M. C. (2009a). Acolhimento familiar: Uma alternativa de proteção para crianças e adolescentes. Psicologia: Reflexão e Crítica, 22(1), 111-118. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722009000100015

Costa, N. R. A., & Rossetti-Ferreira, M. C. (2009b). Become mother and father in late adoption: A case study. Child and Family Social Work, 14, 58-67. http://dx.doi.org/10.1111/j.1365-2206.2008.00581.x

Cúnico, S. D., & Arpini, D. M. (2013). A família em mudanças: Desafios para a paternidade contemporânea. Pensando Família, 17(1), 28-40.

Erikson, E. H. (1976). Identidade: juventude e crise. Rio de Janeiro: Zahar.

Ferreira, M. E. M. (2008). A meia-idade e a alta modernidade. Construção Psicopedagógica, 16(13), 77-91

Freitas, W. M. F, Coelho, E. A. C., & Silva, A. T. M. C. (2007). Sentir-se pai: A vivência masculina sob o olhar de gênero. Caderno de Saúde Pública, 23(1), 137-45. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2007000100015

Freitas, W. M. F., Silva, A. T. M. C., Coelho, E. A. C., Guedes, R. N., Lucena, K. D. T., & Costa, A. P. T. (2009). Paternidade: Homem no papel social de provedor. Revista de Saúde Pública, 43(1), 85-90. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102009000100011

Gabriel, M. R., & Dias, A. C. (2011). Percepções sobre a paternidade: descrevendo a si mesmo e o próprio pai como pai. Estudos de Psicologia, 16(3), 253-261. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-294X2011000300007

Gomes, A. J. S., & Resende, V. R. (2004). O pai presente: O desvelar da paternidade em uma família contemporânea. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 20(20), 119-125. http://dx.doi.org/10.1590/s0102-37722004000200004

Gonçalves, T. R., Guimarães, L. E., Silva, M. R., Lopes, R. C. S., & Piccinini, C. A. (2013). Experiência da paternidade aos três meses do bebê. Psicologia: Reflexão e Crítica, 26(3), 599-608. http://dx.doi.org/10.1590/s0102-79722013000300020

Hennigen, I. (2010). Especialistas advertem: O pai é importante para o desenvolvimento infantil. Fractal: Revista de Psicologia, 22(1), 169-184.

http://dx.doi.org/10.1590/s1984-02922010000100013

Jager, M. E., & Bottoli, C. (2011). Paternidade: vivência do primeiro filho e mudanças familiares. Psicologia: Teoria e Prática, 13(1), 141-153.

Kovács, M. J. (2010). Morte e desenvolvimento humano (5a ed.). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Lamb, M. E. (2000). Fathering. In Encyclopedia of Psychology (Vol. 3, pp. 338-341). Oxford: American Psychological Association. http://dx.doi.org/10.1037/10518-144

Levandowski, D. C. (2001). Paternidade na adolescência: Uma breve revisão da literatura internacional. Estudos de Psicologia, 6(2), 195-209. http://dx.doi.org/10.1590/s1413-294x2001000200007

Levandowski, D. C., & Piccinini, C. A. (2002). A interação pai-bebê entre pais adolescentes e adultos. Psicologia: Reflexão e Crítica, 15(2), 413 424. http://dx.doi.org/10.1590/s0102-79722002000200018

Levandowski, D. C., & Piccinini, C. A. (2006). Expectativas e sentimentos em relação à paternidade entre adolescentes e adultos. Psicologia:= Teoria e Pesquisa, 22(1), 17-28. http://dx.doi.org/10.1590/s0102-37722006000100003

Leão, M. A. B. G., & Gíglio, J. S. (2002). Psicodinâmica da mulher trabalhadora de meia-idade em fase de pré-aposentadoria. Psico-USF, 7(2), 185-194.

Meihy, J. C. S. B., & Holanda, F. (2010). História oral: Como fazer, como pensar. São Paulo: Contexto

Orlandi, R., & Toneli, M. J. F. (2005). Sobre o processo de constituição do sujeito face à paternidade na adolescência. Psicologia em Revista, 11(18), 257-267.

Ribeiro, M. T. M. L. S. R. (2005). Casais de meia-idade: Estudos com casais portugueses numa perspectiva sistêmica. Psicologia, 19(1-2), 57 85.

Rossetti-Ferreira, M. C., & Costa, N. R. A. (2012). Construcción de vínculos afectivos en contextos adversos de desarrollo: Importancia y polemicas. Scripta Nova (Barcelona), 26(325), 98-13.

Sampaio, K. J. A. J., Villela, W. V., & Oliveira, E. M. (2014) Significados atribuídos a paternidade por adolescentes. Acta Paulista de Enfermagem, 27(1), 1-5. http://dx.doi.org/10.1590/1982-0194201400002

Shwalb, D. W., & Shwalb, B. J. (2014). Fatherhood in Brazil, Bangladesh, Russia, Japan, and Australia. Online Readings in Psychology and Culture, 6(3). Recuperado de http://dx.doi.org/10.9707/2307-0919.1125

Silva, S. G. (2006). A crise da masculinidade: Uma crítica à identidade de gênero e à literatura masculinista. Psicologia: Ciência e Profissão, 26(1), 118-131. http://dx.doi.org/10.1590/s1414-98932006000100011

Staudt, A. C. P., & Wagner, A. (2008). Paternidade em tempos de mudança. Psicologia: Teoria e Prática, 10(1), 174-185.

Trindade, E., & Bruns, M. A. T. (2004). Ser homem na meia-idade: Vivências e perspectivas. In D. S. P. Castro, J. D. Piccino, R. S. Josgrilberg, & T. A. Goto (Orgs.), Corpo e existência (pp. 225-232). São Bernardo do Campo, SP: Editora da Universidade Metodista de São Paulo.

Trindade, E., & Bruns, M. A. T. (2007). Meia-idade masculina: Significados do envelhecimento. In M. A. T. Bruns, & M. C. S. Del-Masso (Orgs.), Envelhecimento humano: Diferentes perspectivas (pp. 35-52). Campinas, SP: Átomo e Alínea.

Trindade, Z. A., & Menandro, M. C. S. (2002). Pais adolescentes: Vivência e significação. Estudos de Psicologia, 7(1),15-23. http://dx.doi.org/10.1590/s1413-294x2002000100003

Vieira, E. N., & Souza, L. (2010). Guarda paterna e representações sociais de paternidade e maternidade. Análise Psicológica, 28(4), 581-596.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2015.3.19335

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-8623 | ISSN-L: 0103-5371


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.