A nova gestão pública: alguns impactos nas políticas educacionais e na formação de professores

Maria de Fátima Cóssio

Resumo


Este artigo visa a analisar o contexto em que emergem as políticas educacionais, sobretudo aquelas voltadas à formação de professores. Defende-se a tese de que as reformas educacionais dos últimos anos, asseveradas recentemente, fazem parte das transformações do papel do Estado, em que se situa a Nova Gestão Pública (NGP) e o atual modelo de globalização neoliberal. Com vistas à modernização da gestão pública, superando a administração burocrática, considerada ineficiente, a NGP implica, entre outros fatores, introduzir na máquina pública princípios e práticas do setor privado (gerencialismo). Ao mesmo tempo em que propõe as parcerias com outros setores/entes para a execução de ações antes exclusivas do Estado (governança). O argumento é que o Estado, entendido como monolítico e centralizado, também não atende aos desafios da sociedade. Esse cenário se torna adequado à nova privatização na/da educação (princípios privados no setor público) em todos os níveis e etapas da educação.

 


Palavras-chave


Nova Gestão Pública. Governança. Políticas educacionais. Formação de professores

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, Nelson Cardoso. A hora da verdade para as universidades federais brasileiras: metas do PNE (2014- 2024) e 10 mitos a serem debatidos e desvendados, 2017.

BALL, Stephen. Diretrizes políticas globais e relações políticas locais em educação. Currículo sem Fronteiras, v. 1, n. 2, p. 99-116, jul./dez. 2001.

BALL, Stephen. Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Cadernos de Pesquisa, v. 35, n. 126, p. 539-564, set./dez. 2005.

BALL, Stephen. Educação global S.A.: novas redes políticas e o imaginário neoliberal. Ponta Grossa: Uepg, 2014.

BANCO MUNDIAL. Estratégia 2020 para a educação do Grupo Banco Mundial. Resumo executivo. Aprendizagem para todos: investir nos conhecimentos e competências das pessoas para promover o desenvolvimento. Washington, DC: Banco Mundial, 2011.

BANCO MUNDIAL. Um ajuste justo: análise da eficiência e equidade do gasto público no Brasil. Banco Mundial, 2017.

CARNEIRO, Ricardo; MENICUCCI, Telma Maria. Gestão pública no século XXI: as reformas pendentes. In: A saúde no Brasil em 2030: prospecção estratégica do sistema de saúde brasileiro: desenvolvimento, Estado e políticas de saúde, v. 1. Rio de Janeiro: Fiocruz/Ipea/Ministério da Saúde, 2013.

CÓSSIO, Maria de Fátima. Base Nacional Comum: uma discussão para além do currículo. In: Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 12, n. 3, p. 1570-1590, out./dez. 2014.

CÓSSIO, Maria de Fátima. Agenda transnacional e governança nacional: as possíveis implicações na formação e no trabalho

docente. In: Revista e-Curriculum, São Paulo, 2015.

DASSO JÚNIOR, Aragon. Em busca de um modelo alternativo de administração pública: críticas à hegemonia do gerencialismo. Anais I ENEPCP – Encontro Nacional de Ensino e Pesquisa do

Campo de Públicas. Brasília/DF, 2015. p. 1-15.

FREITAS, Luiz Carlos. Qualidade negociada: avaliação e contra-regulação na escola pública. Educação e Sociedade, v. 26, n. 92, 2005, p. 911-933.

HOOD, Christopher. Racionalismo económico en la gestión pública ¿De la administración pública progresiva a la nueva administración pública? In: Lecturas en Gestión Pública. Madrid: Ministerio de Administraciones Públicas, 1996. p. 447-467.

MAROY, Christian. Em direção a uma regulação pós-burocrática dos sistemas de ensino na Europa? In: OLIVEIRA, Dalila Andrade; DUARTE, Adriana. Políticas públicas e educação: regulação e conhecimento. Belo Horizonte: Fino Traço, 2011.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. As políticas públicas em educação e a pesquisa acadêmica. In: OLIVEIRA, Dalila Andrade; DUARTE, Adriana (Orgs.). Políticas públicas e educação: regulação e conhecimento. Belo Horizonte: Fino Traço, 2011.

PERONI, Vera. Diálogos sobre as redefinições no papel do Estado e nas fronteiras entre o público e o privado. São Leopoldo: Oikos, 2015.

REIS, Isaura. Governança e regulação da educação: perspectiva e conceitos. In: Educação, Sociedade e Culturas, n. 39, 2013.

ROBERTSON, Susan. As implicações em justiça social da privatização nos modelos de governança da educação: um relato relacional. Educação e Sociedade, v. 34, n. 34, jul.-set. 2013.

SECCHI, Leonardo. Modelos organizacionais e reformas da administração pública. In: Rev. Adm. Púb, Rio de Janeiro, v. 43, n. 2, mar./abr. 2009.

SHIROMA, Eneida Oto. Redes de políticas públicas e governança da educação: pesquisando a convergência das políticas para docentes nas agendas para a próxima década. Relatório de Pesquisa, Florianópolis: UFSC, 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1981-2582.2018.1.29528

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org


Apoio Institucional – fev./dez. 2012 referente ao Edital MCTI/CNPq/MEC/CAPES Nº. 15/2011.




Educação

e-ISSN 1981-2582
ISSN-L 0101-465X


Avaliação do Qualis CAPES - 2014 
ÁREA CAPES - Educação
CLASSIFICAÇÃO - A2

E-mail: reveduc@pucrs.br



Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras.

Disponibilidade para depósito: Azul

 

Copyright: © 2006-2017 EDIPUCRS