A inclusão das crianças com deficiência na educação infantil: processo em construção

Fabíola Fernanda Patrocínio Alves

Resumo


O presente artigo resulta de um estudo teórico e visa discutir a inclusão das crianças com deficiência na educação infantil, ressaltando as práticas e os desafios deste processo em construção. Para tanto, apresenta considerações gerais sobre o conceito de infância, sinalizando que a deficiência é uma experiência que institui singularidades no modo como a criança vivencia sua infância. Comenta a constituição do campo da educação infantil, apresentando sua ascensão de um campo “clandestino” de atuação, ligado ao assistencialismo à etapa da Educação Básica, organizado por meio de referenciais que lhe concede importância e atribuições próprias dentro da política educacional. Por fim, contextualiza a educação especial na perspectiva da educação inclusiva, apontando os desafios relacionados à inclusão das crianças com deficiência no âmbito da creche e pré-escola.


Palavras-chave


Infância. Criança com deficiência. Educação especial. Educação infantil.

Texto completo:

PDF

Referências


ARANHA, M. S. F. Paradigmas da relação entre a sociedade e as pessoas com deficiência. Revista do Ministério Público do Trabalho, Brasília (LTR), ano XI, n. 21, p. 160-173. 2001.

ARROYO, M. G. Ofício de Mestre: imagens e auto-imagens. Petrópolis: Vozes, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Política Nacional de Educação Especial. Brasília, DF: MEC/SECADI, 2008.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB nº 9493, de 20 de dezembro de 1996. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CEB nº 5. de 2009. Fixa Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF, 2009.

BRUNO, M.M.G. A construção da escola inclusiva: uma análise das políticas públicas e da prática pedagógica no contexto da educação infantil. revista@mbienteeducação, São Paulo, v. 1, n. 2, p. 56-67,

ago/dez. 2008. Disponível em:

. Acesso em: 22 mar. 2010.

DECLARAÇÃO de Salamanca. Sobre os Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais. 10 jun. 1994. Disponível em:

. Acesso em: 2 jan. 2010.

FOUCAULT, M. Os anormais. Tradução Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

GOFFMAN. E. Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Perspectiva, 1961.

GOFFMAN, E. Estigma: Notas sobre a Manipulação da Identidade Deteriorada. Rio de Janeiro: LTC, 1988.

GOUVÊA, M. C. A escrita da história da infância: periodização e fontes. In: SARMENTO, Manuel; GOUVÊA, Maria Cristina (Org.). Estudos da Infância. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 97-118.

KOHAN, W. O. Entre Deleuze e a Educação: notas para uma política do pensamento. Educação e Realidade, v. 27, n. 2, p. 123-130, jul./dez. 2002.

HADDAD, L. Tensões universais envolvendo a questão do currículo. In: Convergências e Tensões no campo da formação e do trabalho docente (Educação Infantil). Belo Horizonte: Autêntica, 2010 (XV Endipe).

MANTOAN, M. T. E. Igualdade e diferenças na escola – como andar no fio da navalha. Revista Educação. Porto Alegre, v. 29, n. 1, p. 55-64, jan./abr. de 2006.

MARANHÃO, D.; SARTI, C. A. A creche e a família: uma parceria necessária. Cadernos de Pesquisa, v. 38, jan.-abr., 2008, p. 171-194. MENDES, E. G. Breve histórico da educação especial no Brasil. Revista Educación y Pedagogia, v. 22, n. 57, 2010. Disponível em:

&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em : 31 maio 2015.

MENDES, E. G. Inclusão marco zero: começando pelas creches. Araraquara, SP: Junqueira & Marin, 2010.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. International classification of functioning disability and health. Genebra, 2001.

ROCHA, Eloisa A. C. A pedagogia e a Educação Infantil. Revista Brasileira de Educação, n, 16, jan.-abr. 2001. Disponível em:

. Acesso em: 22 jul. 2016.

ROSEMBERG, F. A criança pequena e o direito à creche no contexto dos debates sobre infância e relações raciais. In: BENTO, Maria Aparecida S. Educação Infantil, igualdade racial e diversidade: aspectos políticos, jurídicos, conceituais. São Paulo: CEERT, 2012.

SARMENTO, M. Sociologia da infância: correntes e confluências. In: SARMENTO, Manuel; GOUVÊA, Maria Cristina (Org.). Estudos da Infância. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 17-39.

SILVA, Isabel de Oliveira. Educação Infantil no Brasil. Pensar a Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 2, n. 1, p. 03-33, jan.-mar. 2016.

Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2016.

UNICEF. Declaração Universal dos Direitos das Crianças. Disponível in: . Acesso em: 22 mar. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1981-2582.2018.2.26786




Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org


Apoio Institucional – fev./dez. 2012 referente ao Edital MCTI/CNPq/MEC/CAPES Nº. 15/2011.




Educação

e-ISSN 1981-2582
ISSN-L 0101-465X


Avaliação do Qualis CAPES - 2014 
ÁREA CAPES - Educação
CLASSIFICAÇÃO - A2

E-mail: reveduc@pucrs.br



Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras.

Disponibilidade para depósito: Azul

 

Copyright: © 2006-2017 EDIPUCRS