Ensino Fundamental de nove anos em escola pública e privada: realidades distintas

Neide Barbosa Saisi

Resumo


Este artigo relata a pesquisa realizada em duas escolas de Ensino Fundamental, uma pública e outra privada, na cidade de São Paulo, em 2011, com o objetivo de verificar se o processo de implantação do ensino de nove anos – Lei 11.114/05 – respeita as características da criança de 5 a 6 anos, postuladas por autores como Vygotsky e Wallon. Os dados empíricos foram obtidos por meio de observação das classes de primeiro ano, entrevista com suas educadoras e análise do Projeto Pedagógico. E os resultados revelaram que as medidas adotadas foram diferentes no que diz respeito ao ambiente físico e social dos novos primeiros anos, à metodologia de ensino, à relação professor-aluno, à seleção do docente, à sua formação continuada e à consideração da criança em sua singularidade. O que demonstrou duas realidades educacionais diametralmente opostas.


Palavras-chave


Políticas públicas. Ensino Fundamental de nove anos. Características da criança de 5 a 6 anos.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Maria Izabel de. Apontamentos a respeito da formação de professores. In: BARBOSA, Raquel L. Leite. Formação de educadores: artes e técnicas – ciências e políticas. São Paulo: Editora UNESP, 2006.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 9.394/1996. Brasília: Ministério da Educação, 1996.

BRASIL, Presidência da República. Lei nº 10.172/2001. Brasília, 2001.

BRASIL, Presidência da República. Lei nº 11.274/2006. Brasília, 2006.

BRASIL, Ensino Fundamental de nove anos: orientações gerais. Brasília: Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. 2004.

BRASIL. Ensino Fundamental de nove anos: orientações para a inclusão de crianças de seis anos de idade. Ministério da Educação. Departamento de Educação Infantil e Ensino Fundamental. Brasília: FNDE, Estação Gráfica, 2006.

CAPUCHINHO, Alessandra de Oliveira. Sentidos e significados produzidos pelo professor sobre o Ensino Fundamental de nove anos. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2007.

DELORS, Jacques. Um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. São Paulo: Cortez; Brasília: MEC: UNESCO, 1999.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2004. (Coleção leitura).

GALVÃO, Izabel. Henry Wallon – uma concepção dialética do desenvolvimento infantil. Rio de Janeiro: Vozes, 1998.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

HASHIMOTO, Cecília Iacoponi. Ensino Fundamental de nove anos: um novo caminho em velha estrada? Um velho caminho em nova estrada? Tese (Doutorado) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2012.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 1999.

PADILHA, Paulo Roberto. Planejamento dialógico: como construir o projeto político-pedagógico da escola. São Paulo: Cortez, 2007.

PEREIRA, Eva Waisros; TEIXEIRA, Zuleide Araújo. A educação básica redimensionada. In: BREZEINSKI, Iris (Org.). LDB interpretada: diversos olhares se entrecruzam. São Paulo: Cortez, 1997.

SEVERINO, Antônio J. Formação, perfil e identidade dos profissionais da educação a propósito das Diretrizes Curriculares do Curso de Pedagogia. In: BARBOSA, Raquel L. Leite (Org.). Formação de educadores: artes e técnicas-ciências políticas. São Paulo: Editora UNESP, 2006.

SIMÃO, Ana Lúcia. Escola Fundamental de nove anos: em destaque o trabalho do professor do primeiro ano na rede municipal paulistana. Tese (Doutorado) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2011.

TENREIRO, Maria Odete Vieira. Ensino Fundamental de nove anos: o impacto da política na escola. Tese (Doutorado) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2011.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1994.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1981-2582.2016.1.19676

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org


Apoio Institucional – fev./dez. 2012 referente ao Edital MCTI/CNPq/MEC/CAPES Nº. 15/2011.




Educação

e-ISSN 1981-2582
ISSN-L 0101-465X


Avaliação do Qualis CAPES - 2014 
ÁREA CAPES - Educação
CLASSIFICAÇÃO - A2

E-mail: reveduc@pucrs.br



Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras.

Disponibilidade para depósito: Azul

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS