A Lei Natural de Tomás de Aquino Como Princípio da Razão Prática e a Segunda Escolástica

  • Ludger Honnefelder
Palavras-chave: Tomás de Aquino. João Duns Scotus. Lei natural. Razão prática. Segunda Escolástica.

Resumo

A teoria da lei natural sofre uma transformação na Segunda Escolástica (séculos 16-17), que pode ser entendida como uma resposta a uma experiência de crise. Aqui, não se trata só de uma comparação entre a visão de mundo cristã e a ética aristotélica, mas está em jogo a relação entre essa síntese e as tradições dos novos povos descobertos, dando impulso ao debate acerca de uma base moral obrigatória a ser encontrada na própria natureza e com validade universal. No intuito de explicar essas questões, os autores dos séculos 16 e 17 se voltaram grandemente a Tomás de Aquino. Mas, a abordagem da lei natural, por Scotus, também desempenha um papel significativo nesse contexto. A sua teoria da lei natural, com uma ênfase particular no papel da vontade e da autoridade divinas para tornar manifesto o conteúdo (como tal racional) da lei natural lato sensu e com um acento no conceito de “consonância”, deve ser destacada para que se ganhe clareza sobre novos aspectos da teoria da lei natural na Segunda Escolástica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ludger Honnefelder
Pcesso ao currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/0644542740426095
Seção
Artigos