Das relações entre modernidade e o fundamentalismo religioso

  • Otávio Barduzzi Rodrigues da Costa Universidade Metodista
Palavras-chave: Modernidade. Fundamentalismo. Religião.

Resumo

Neste artigo pretende-se apontar certas relações em uma das consequências da modernidade no que se refere à religião: o fundamentalismo. Tem-se como objetivo mostrar aqui que o último é resultado direto do primeiro, e que tomou certas proporções após os acontecimentos de setembro de 2001, e que a ciência das religiões não deve ficar silente. Procurará descrever, sem esgotar o assunto, o que é modernidade, apontar suas crises, e mostrar esse aspecto religioso do qual tem uma relação causal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADORNO, T.; HORKHEIMER, M. The dialectic of Englightenment. Stanford University Press, 2002.

ADORNO, Theodor W. A indústria cultural. In: COHN, Gabriel. Comunicação e indústria cultural. São Paulo: Nacional, 1971.

ALMERI, Karina Bradandi; MELO, Edgar. Índia: os caminhos da fé e da modernidade. São Paulo: Escala, 2009.

AMMERMAN, Nancy T. Bible Believers. Fundamentalists in the Modern World. New Brunswick: RutgersUniversity Press, 1987.

AMMERMAN, Nancy T. Pillars of Faith: American Congregations and their Partners, Berkeley: University of California Press, 2005.

ARMSTRONG, K. Em nome de Deus: o fundamentalismo no judaísmo, no cristianismo e no islamismo. São Paulo: C. Letras, 2001.

BALANDIER, G. O contorno: poder e modernidade. In: O Imaginário na Moderni-

dade. Rio de Janeiro: Bertrand, 1997.

BAUDRILLARD, Jean. La Crítica de Economia Política Del Signo. In: MOREIRA, Roberto C. S. Teoria da Comunicação: ideologia e utopia. Petrópolis: Vozes, 1979.

BERNANOS, G. O espírito europeu e o mundo das máquinas. In: Texto integral das conferências e dos debates dos Encontros Internacionais de Genebra. Lisboa, PT:

Ed. Europa-América, 1962. (Colecção Encontros Internacionais de Genebra).

BOLAÑO, César Ricardo Siqueira. Sociedade da informação: reestruturação capitalista e esfera pública global. Estudos de Sociologia, n. 8, Araraquara: UNESP, 1998.

BOURDIEU, Pierre. Gênese e estrutura do campo religioso. In: MICELI, Sergio (Org.). A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1974.

BRAGA, J. C. S.; CINTRA, M. A. M. Finanças dolarizadas e capital financeiro: exasperação sob comando americano. In: FIORI, J. L. (Org.). O poder americano. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

BUBER, M. (1937). Eu e vós. São Paulo: Centauro, 2001.

CAMPOS, Leonildo Silveira. As mutações do campo religioso. In: Caminhando, v. 7, n. 1 [9], p. 97-109, 2002. [Online, 2009]. Disponível em: <http://www.sumarios.org/sites/default/files/pdfs/343684381.pdf>. Acesso em: 06 dez. 2012.

CAPRA, Fritjof. O ponto de mutação: a ciência, a sociedade e a cultura emergente. 25. ed. São Paulo: Cultrix, 1982. 447 p.

CERTEAU, M. Artes de fazer, a invenção do cotidiano. 3. ed. Vozes, 1998.

COLEMAN J. A. Fundamentalismo global, perspectivas sociológicas. In: Concilium, n. 241, p. 53-64, 1992/3.

COSTA DE SOUZA, Robson da. Identidades fundamentalistas em face dos “processos emancipatórios modernos”. ANAIS DO II ENCONTRO NACIONAL DO GT HISTÓRIA DAS RELIGIÕES E DAS RELIGIOSIDADES. In: Revista Brasileira de História das Religiões – ANPUH, Maringá (PR), v. 1, n. 3, 2009. ISSN 1983-2859. Disponível em: <http://www.dhi.uem.br/gtreligiao/pub.html>. Acesso em: 02 abr. 2013.

DONNELLY, M. Sobre los diversos usos de la noción de biopoder. In: Michel Foucault, Filósofo. Barcelona: Gedisa, 1999. p. 193-197.

DREHER, M. N. Para entender o fundamentalismo. São Leopoldo: Unisinos, 2002.

EISENSTAD S. N. Fundamentalismo e modernidade. São Paulo: Celta, 1997.

FÉLIX, Luciene. Darwin, Nietzsche e Freud – Deus está morto? Revista Brasileira de Direito Constitucional, v. 17, n. 1, 2008. Disponível em: <http://www.esdc.com.br/CSF/artigo_2008_08_darwin.htm>. Acesso em: 26 mar. 2012.

FERRETI G. Max Scheler, fenomenologia e antropologia personalistica. Trad. EDUSP. Milão: Vita e Pensiero, 1972.

FOUCAULT, Michel. Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Organização e seleção de textos Manoel Barros da Motta. Tradução de Elisa Monteiro.

ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008. (Ditos e Escritos, II).

FOUILLOUX, Étienne. Integrismo católico e direitos humanos. In: ACAT, Fundamentalismos integrismos. São Paulo: Paulinas, 2001. Cap. 1.

FRESTON, Paul. Breve história do pentecostalismo brasileiro. In: ANTONIAZZI, Alberto et al. Nem anjos, nem demônios: interpretações sociológicas do pentecostalismo. Petrópolis: Vozes, 1994.

GASPARD, Françoise. O véu da disputa. In: Mandrágora, São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, ano 13, n. 13, p. 107-116, 2007.

GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. São Paulo: Unesp, 1991.

GIDDENS, Anthony. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2002.

GONÇALVES, E. P. Iniciação à pesquisa científica. Campinas: Alínea, 2007.

HEIDEGGER, Martin. Nietzsche. Tradução de Marco Antônio Casanova. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007. v. II.

HORKHEIMER, M. Sobre el concepto de la razón. Traduçao de J. Godo Costa. Barcelona: Ediciones Península, 1976.

HUYSSEN, A. After the great divide, Modernism, mass culture and postmodernism. Bloomington: Indiana University Press, 1986.

KANT, I. Crítica Da Razão Pura. In: Kant – vida e obra. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

KÜCHLER, A. O que é fundamentalismo? Revista Superinteressante, São Paulo: Ed. Abril, n. 215, jul. 2005. [Online]. Disponível em: <http://super.abril.com.br/religiao/fundamentalismo-445747.shtml>. Acesso em: 30 mar. 2013.

KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 1998.

LEIBOWITZ, Yeshayahou. Judaïsme, Peuple Juif et Etat D’Israel. Paris: Jean Claude Lattes, 1993. Cap. 10, p. 169-183.

LYOTARD, Jean-François. The Postmodem Condition: A Report on Knowledge. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1984.

MARTELLI, Stefano. A Religião na sociedade pós-moderna, entre secularização e desseculirazação. São Paulo: Paulinas, 1995.

MARTY, M. E. O que é fundamentalismo? Perspectivas teológicas. In: Concilium,

n. 241, p. 13-26, 1992/3.

MARX, Karl. Das Kapita. Tradução para o francês de Regis Cardench. Paris: Le nouvelle livre, 1996. Livre I, 2 v.

MELANDER, Veronica. Os limites da categoria “fundamentalismo” para o estudo de religião e política na Guatemala. Ciencias Sociales y Religión/Ciências Sociais e Religião, Porto Alegre, ano 2, n. 2, p. 87-118, set. 2000.

MOLTMAN, Jürgen. Fundamentalismo e modernidade. In: Concilium, n. 241,

p. 141-148, 1992.

MONDIN, B. O homem, quem é ele? Elementos de antropologia filosófica. São Paulo: Paulus, 1980.

MONOD, Jacques. Chance and Necessity. An Essay on the Natural Philosophy of Modern Biology. New York: Alfred A. Knopf, 1971.

MOREIRA, Deodoro José. Mídia, fundamentalismo e terror: A lógica da barbárie, UNIrevista, São Leopoldo, v. 1, n. 3, jul. 2006.

MORIN, E.; PRIGOGINE, Ilya. A sociedade em busca de valores. Para fugir à alternativa entre cepticismo e o dogmatismo. Tradução (do francês) de Luis M. Conceiro Feio. Lisboa: Instituto Piaget, 1996.

MORIN, E. Saberes globais e saberes locais – o olhar interdisciplinar. Rio de Janeiro: Garamond, 2000.

MORIN, E. Ciência com consciência. Tradução (do francês) de Maria D. Alexandre e Maria Alice S. Doria. Ed. rev. e mod. pelo autor. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil,

MORIN, E. O Problema epistemológico de complexidade. Lisboa: Europa-América, 1983.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Tradução (do francês) de Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Azuaya. São Paulo: Cortez; Brasília: Unesco, 1999.

MUNFORD, L. The transformation of Man. Nova York: Harper, 1956. p. 172-173.

NEUSNER, J. O desafio do fundamentalismo Judaico contemporâneo. In: Concilium, n. 241, p. 67-71, 1992/3.

OSA, José Alberto Escobar Marín. El fenómeno del fundamentalismo de corte religioso y diferencias relevantes para el ordenamiento jurídico. Anuario Jurídico y Económico Escurialense, época II, n. XLI, 2008. ISSN: 1133-3677.

OZAÏ SILVA, A. Anotações sobre a modernidade na obra de Anthony Giddens. Revista Espaço Acadêmico – UEM, v. VI, n. 47, abr. 2005, Disponível em: <http://www.espacoacademico.com.br/047/47pol.htm>. Acesso em: 21 set. 2013.

PANIKKAR, Raimon. Morte e ressurreição da Teologia. Horizonte, Belo Horizonte,

v. 4, n. 7, p. 15-29, dez. 2005.

PEDRERO-SÁNCHES, Maria Guadalupe. História da Idade Média: textos e testemunhas. São Paulo: UNESP, 2000.

PIERUCCI, Flávio. Secularização em Max Weber. Da contemporânea serventia de voltarmos a acessar aquele velho sentido. Revista Brasileira de Ciências Sociais, n. 37, p. 43-73, 1998.

REIS, José Carlos. (2003). História e teoria. historicismo, modernidade, temporalidade e verdade. 3. ed. Rio de Janeiro: ed. FGV, 2006.

RORTY, R. Consequences of pragmatism. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1982

RORTY, Richard. Contingency, irony and solidarity. Cambridge: Cambridge University Press, 1989.

SCHELER, M. A posição do homem no cosmos. Trad. Marco Antônio Casa Nova. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

SIMMEL, G. Religião: ensaios. São Paulo: Olho d’Água, 2009. 144 p.

STEWARD, Milton e Lyman (1910). Fundamentals: A testimony to the truth. Michigan: R. A. Torrey; Baker Books, 2003. 1480 p.

TAVARES, M.; BELLUZO, L. A. Mundialização do capital e a expansão do poder americano. In: FIORI, J. L. (Org.). O poder americano. Petrópolis: Vozes, 2004.

TOURAINE, Alain. Uma visão critica da modernidade. In: A modernidade. Cadernos de Sociologia, UFRGS, v. 5, n. 5, 1993.

TOURAINE, Alain. Crítica da modernidade. Petrópolis: Vozes, 2002.

VOLF, Miroslav. O desafio do fundamentalismo protestante. In: Concilium, n. 241,

p. 125-137, 1992.

WESTHELE, Vítor. Teologia e Pós-modernidade. In: MARASCHIN, Jaci (Org.). Teologia sob limite. São Paulo, ASTE, 1992. p. 143-166.

WESTHELLE, Vitor. Traumas e opções: Teologia e a crise da modernidade. Centro de Estudos Anglicanos, 2008. Disponível em: <http://www.centroestudosanglicanos.com.br/bancodetextos/diversos/teologia_crise_modernidade_vitor.pdf>. Acesso em: 30 mar. 2013.

Publicado
2015-01-20
Seção
Igreja e o Diálogo Religioso