Tríade madrasta-enteado-mãe: reflexões acerca da maternidade

  • Terezinha Féres-Carneiro PUC-Rio
  • Cristina Ribeiro Dantas
  • Rebeca Nonato Machado
  • Andrea Seixas Magalhães
Palavras-chave: Maternidade, Identidade de gênero, Relações conjugais.

Resumo

O presente estudo é parte de uma investigação mais ampla sobre a conjugalidade e a parentalidade no recasamento e tem como objetivo investigar a trama interacional entre a madrasta, seus enteados e as mães destes. Para tanto, realizou-se uma pesquisa qualitativa, na qual foram entrevistadas 16 madrastas do segmento socioeconômico médio, com idades entre 28 e 43 anos. Os resultados foram analisados de acordo com o método de análise de conteúdo na sua vertente categorial. Da análise do material emergiram seis categorias de análise. Para atingir os objetivos formulados neste trabalho, será discutida a categoria tríade madrastaenteado- mãe. Constatou-se que a interação na tríade é influenciada pelo processo relativo à elaboração do luto pela separação anterior, pelos papéis de gênero e pelo estereótipo da ‘mãe insubstituível’.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Terezinha Féres-Carneiro, PUC-Rio
Professora titular Departamento de Psicologia

Referências

Badinter, E. (2011). O conflito. Rio de Janeiro: Record.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Bauman, Z. (2003). Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Beltrame, G. R. & Donelli, T. M. S. (2012). Maternidade e carreira: desafios frente à conciliação de papéis. Aletheia, 38-39, 296-217.

Bemiller, M. (2010). Mothering from a distance. Journal of Divorce & Remarriage, 51, 169-184. https://doi.org/10.1080/10502551003597824

Boszormenyi-Nagy, I. & Spark, G. (1984). Invisible loyalties. Levittown, PA: Brunner/Mazel.

Bowen, M. (1991). De la familia ao individuo. Barcelona: Paidós.

Broderick, C. B. (1993). Understanding family process. Thousand Oaks, CA: Sage.

Costa, J. M., & Dias, C. M. S. B. (2012). Famílias recasadas: mudanças, desafios e potencialidades. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 14(3), 72-87.

Doodson, L., J. (2014). Understanding the factors related to stepmother anxiety: a qualitative approach. Journal of Divorce and Remarriage, 55, 645-667. https://doi.org/10.1080/10502556.2014.959111

Emery, R. (2012). Renegotiang family relationships. New York: Guilford Press.

Falcke, D. & Wagner, A. (2000). Mães e madrastas: mitos sociais e autoconceito. Estudos de Psicologia, 5(2), 421-441.

https://doi.org/10.1590/S1413-294X2000000200007

Féres-Carneiro, T. (2003). Separação: o doloroso processo da dissolução da conjugalidade. Estudos de Psicologia (Natal), 8(3), 367-374. https://doi.org/10.1590/S1413-294X2003000300003

Freud, S. (1915). Luto e melancolia. In S. Freud. Edição standard brasileira das obras psicológicas de Sigmund Freud (v. XIV, pp. 245-266). Rio de Janeiro: Imago, 1996.

Ganong, L. H., Coleman, M., Jamison, T., & Feistman, R. (2015). Divorced mothers’coparental boundary maintenance after parents repartner. Journal of Family Psychology, 29(2), 221-231. https://doi.org/10.1037/fam0000064

Giddens, A. (1993). A transformação da intimidade: sexualidade, amor e erotismo nas sociedades modernas. São Paulo: UNESP.

Grzybowski, L. S. (2011). Ser pai e ser mãe: como compartilhar a tarefa educativa após o divórcio? In A. Wagner (Org.). Desafios psicossociais da família contemporânea. Pesquisas e reflexões (pp. 112-122). Porto Alegre: Artmed.

IBGE (2012). Estatística do registro civil. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatística/populacao/registrocivil/2012/default.shtm>. Acesso em: 10 out. 2013.

Jablonski, B. (2010). A divisão de tarefas domésticas entre homens e mulheres no cotidiano do casamento. Psicologia: Ciência e Profissão, 30(2), 262-275. https://doi.org/10.1590/S1414-98932010000200004

Kelly, K. & Ganong, L. (2011). “Shifting family boundaries” after the diagnosis of childhood cancer in stepfamilies. Journal of Family Nursing, 17, 105-132. https://doi.org/10.1177/1074840710397365

Leme, V. B. R., Del Prette, Z. A. P., & Coimbra, S. (2013). Práticas educativas parentais e habilidades sociais de adolescentes de diferentes configurações familiares. Psico (Porto Alegre), 44(4), 560-570.

Levy, L. (2011). “A vingança será maligna”: um estudo sobre a alienação parental. In T. Féres-Carneiro (Org.). Casal e família: conjugalidade, parentalidade e psicoterapia (pp. 95-105). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Magalhães, A. S., Féres-Carneiro, T. Henriques, C. R., & Travassos Rodriguez, F. (2013). O lugar do padrasto na clínica com famílias recasadas. In T. Féres-Carneiro (Org.). Casal e família: transmissão, conflito e violência (pp. 113-140). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Martin-Uzzi, M. & Duval-Tsioles, D. (2013). The experience of remarried couples in blended families. Journal of Divorce & Remarriage, 54, 43-57. https://doi.org/10.1080/10502556.2012.743828

McGene, J. & king, V. (2012). Implications of new marriages and children for coparenting in nonresident father families. Journal of Family Issues, 33, 1619-1641. https://doi.org/10.1177/0192513X12437150

Minuchin, S. (1982). Famílias: funcionamento e tratamento. Porto Alegre: Artes Médicas.

Ogden, T. H. (2014). Leituras criativas: ensaios sobre obras analíticas seminais. São Paulo: Escuta.

Passos, M. C. (2015). Vicissitudes do tempo na formação dos laços familiares. In T. Féres-Carneiro (Org.). Família e casal: parentalidade e filiação em diferentes contextos (pp. 11-23). Rio de Janeiro: Editora PUC.

Papernow, P. L. (2013). Surviving and thriving in stepfamily relationships – what works and what doesn't. New York: Routledge.

Pryor, J. (2014). Stepfamilies: a global perspective on research, policy and practice. New York: Routledge.

Rines, L., S. & Sailor, J. L. (2015). An exploration of the lived experience of step-motherhood. Journal of Divorce and Remarriage, 56, 171-179. https://doi.org/10.1080/10502556.2015.1012702

Rocha-Coutinho, M. L. (2015). Investimento da mulher no mercado de trabalho: repercussões na família e nas relações de gênero. In T. Féres-Carneiro, (Org.). Família e casal: parentalidade e filiação em diferentes contextos (pp. 103-117). Rio de Janeiro: Editora PUC.

Rocha-Coutinho, M. L. (2013). A difícil arte de harmonizar família, trabalho e vida pessoal. In T. Féres-Carneiro (Org.). Casal e família: transmissão, conflito e violência (pp. 13-33). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Saraiva, C. A., Levy, L., & Magalhães, A. S. (2014). O lugar do padrasto em famílias recompostas. Barbarói, Santa Cruz do Sul, 41, 82-99.

Scavone, L. (2001). Maternidade: transformações na família e nas relações de gênero. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 8, 47-59. https://doi.org/10.1590/S1414-32832001000100004

Schrodt, P. (2011). Stepparents´and nonresidential parents´s relational satisfaction as function of coparental communication in stepfamilies. Journal of Social and Personal Relationships, 28(7), 983-1004. https://doi.org/10.1177/0265407510397990

Shapiro, D. N. & Stewart, A. J. (2011). Parenting stress, perceived child regard, and depressive symptoms among stepmothers and biological mothers. Journal of Family Relations, 60, 533-544. https://doi.org/10.1111/j.1741-3729.2011.00665.x

Soares, L. C. E. C. (2015). Pais e mães recasados: vivências e desafios “no fogo cruzado” das relações familiares. Curitiba: Editora Juruá.

Suanet, B., Van Der Pas, S., & Van Tilburg, T. G. (2013). Who is in the stepfamily? Change in stepparents’ family boundaries between 1992 and 2009. Journal of Marriage and Family, 75, 1070-1083. https://doi.org/10.1111/jomf.12053

Troilo, J. & Coleman, M. (2012). Full-time, part-time, full-time, and part-time fathers: father identities following divorce. Journal of Family Relations, 61, 601-614. https://doi.org/10.1111/j.1741-3729.2012.00722.x

Valentim de Sousa, D. H. A. & Dias, C. M. S. B. (2014). Recasamento: percepções e vivências dos filhos do primeiro casamento. Estudos de Psicologia (Campinas), 31(2), 191-201. https://doi.org/10.1590/0103-166X2014000200005

Velho, G. (1987). Individualismo e cultura. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Weaver, S. & Coleman, M. (2005). Mothering but not a mother role: a grounded theory study of nonresidential stepmothers. Journal of Social and Personal Relationships, 22, 477-497. https://doi.org/10.1177/0265407505054519

Publicado
2018-04-04
Como Citar
Féres-Carneiro, T., Dantas, C. R., Machado, R. N., & Magalhães, A. S. (2018). Tríade madrasta-enteado-mãe: reflexões acerca da maternidade. Psico, 49(1), 62-72. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2018.1.26932
Seção
Artigos