Análise via tri da Escala Baptista de Depressão Infanto-Juvenil e do Inventário de Depressão Infantil

  • Fernanda Grendene Universidade São Francisco
  • Makilim Nunes Baptista Universidade São Francisco
  • Nelson Hauck Filho Universidade São Francisco
Palavras-chave: Sintomas depressivos, Crianças, Adolescentes, Teoria de Resposta ao Item.

Resumo

O presente estudo teve como objetivo analisar as propriedades psicométricas de dois instrumentos avaliativos de sintomatologia depressiva, o Inventário de Depressão Infantil (CDI) e a Escala Baptista de Depressão Infanto-Juvenil (EBADEP-IJ), nas versões completa e short. Além da análise dos parâmetros de dificuldade e discriminação dos itens, foram comparadas as curvas de informação do CDI e da EBADEP-IJ, a fim de avaliar o nível de precisão de cada instrumento ao longo do contínuo latente da depressão. A análise de 331 respostas de crianças e adolescentes revelou que os dois instrumentos possuem adequadas propriedades psicométricas, embora com uma ligeira diferença no que diz respeito à capacidade de diferenciar indivíduos localizados em regiões distintas da variável latente. Os achados sustentam o uso de ambos os instrumentos em pesquisas na área, e também apontam para possíveis usos diferenciados para cada instrumento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

American Psychiatric Association. (2002). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-IV-TR. Porto Alegre: Artes Médicas.

American Psychiatric Association (APA). (2014). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM (5ª ed.). Porto Alegre: Artmed.

Asún, R. A., Rdz-Navarro, K., & Alvarado, J. M. (2016). Developing multidimensional Likert scales using item factor analysis: The case of four-point items. Sociological Methods & Research, 45(1), 109-133.

https://doi.org/10.1177/0049124114566716

Baptista, M. N., Hauck F. N., & Cardoso, C.(2016). Depressão e bem-estar subjetivo em crianças e adolescentes: testes de modelos teóricos. Psico (Porto Alegre), 47(4), 259-267.

https://doi.org/10.15448/1980-8623.2016.4.23012

Baptista, M. N. (2015). Escala Baptista de Depressão Infanto-Juvenil – versão Short (EBADEP-IJ-Short). Campinas, SP: Universidade São Francisco. (Versão elaborada para o presente estudo).

Baptista, M. N., & Cremasco G. (2013). Propriedades psicométricas da Escala Baptista de Depressão Infanto-Juvenil (EBADEP-IJ). Arquivos Brasileiros de Psicologia, 65(2), 198-213.

Beck, A. T., Rush, A. J., Shaw, B. F., & Emery, G. (1982). Uma visão geral. In A. T. Beck (Ed.), Terapia cognitiva da depressão (pp. 15-45). Rio de Janeiro, RJ: Zahar.

Castro, S. M. J., Trentini, C, &. Riboldi, J. (2010). Teoria da resposta ao item aplicada ao Inventário de Depressão Beck. Revista Brasileira de Epidemiologia, 13(3), 487-501.

https://doi.org/10.1590/S1415-790x20100000300012

Coutinho, M. P. L., Carolino, Z. C. G., & Medeiros, E. D. (2008). Inventário de Depressão Infantil (CDI): Evidências de validade de constructo e consistência interna. Avaliação Psicológica, 7(3), 291-300.

Coutinho, M. P. L., Oliveira, M. X., & Pereira, D. R. (2014). Indicadores psicométricos do Inventário de Depressão Infantil em amostra infanto-juvenil. Avaliação Psicológica, 13(2), 269-276.

Cruvinel, M., & Boruchovitch, E. (2008). Sintomas depressivos em crianças: Estudos com duas versões do CDI. Psicologia: Ciência e Profissão, 28(3), 574-585.

https://doi.org/10.1590/S1414-98932008000300011

Embretson, S. E., & Reise, S. P. (2000). Item response theory for psychologists. Mahwah, New Jersey: Lawrence Earlbaum Associates.

Ferster, C. B., Culbertson, S., & Boren, M. C. (1977). Depressão clínica. In C. B. Ferster, S. Culbertson, & M. C. Boren (Eds.). Princípios do comportamento (pp. 699-725). São Paulo: Hucitec.

Gouveia, V. V., Barbosa, G. A., Almeida, H. J. F, & Gaião, A. A. (1995). Inventário de Depressão Infantil-CDI: Estudo de adaptação com escolares de João Pessoa. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 44(7), 345-349.

Golfeto, J. H., Veiga, M. H., Souza, L., & Bandeira, C. (2002). Propriedades psicométricas do Inventário de Depressão Infantil (CDI) aplicados em uma amostra de escolares de Ribeirão Preto. Revista Psiquiatria Clinica, 29(2), 66-70.

Kamata, A., & Bauer, D. J. (2008). A Note on the relation between factor analytic and item response theory models. Structural Equation Modeling, 15(1), 136-153.

https://doi.org/10.1080/10705510701758406

Lam, R. W., Michalak, E. E., & Swinson, R. P. (2006). Why use assessment scales in clinical practice? In R. W. Lam, E. E. Michalak, & R. P. Swinson (Orgs.). Assessment scales in depression and anxiety (pp. 1-3). Ashford, UK: CRC Press.

Leite, C. A. (2011). Estudos preliminares da Escala de Depressão Infanto-Juvenil (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Psicologia, Universidade São Francisco, São Francisco.

Machado, W.L & Bandeira, D.R. (2015).Positive Mental Health Scale: Validation of the Mental Health Contimuum–Short Form. Psico-USF, Bragança Paulista, 20(2), 259-274.

https://doi.org/10.1590/1413-82712015200207

Mendéz, F. X., Olivares, J., & Ros, M. C. (2005). Características clínicas e tratamento da depressão na infância e adolescência. In V. E. Caballo & M. Á. Simón (Orgs.). Manual de psicologia clínica infantil e do adolescente:

Transtornos específicos (pp. 139-185). Santos, SP: Santos.

Nezu, A. M., Ronan, G. F., Meadows, E. A., & McClure, K. S. (2000). A 10-step guide to selecting assessment measures in clinical and research settings. In A. M. Nezu, G. F. Ronan, E. A. Meadows, & K. S. McClure (Eds.), Practitioner’s guide to empirically based measures of depression (pp. 17-24). New York: Kluwer Academics/Plenum Publishers.

Organização Mundial da Saúde. (1993). Classificação de transtornos mentais e de comportamento da CID-10. Porto Alegre. Artmed.

Pereira, D. A., Velozo F., Lakhdari, F., Giglio, A. G., Melchiades, A., Silva, S. L. da, & Tomaz, C. (2012). Redução da Escala de Depressão Geriátrica (EDG) pela Teoria de Resposta ao Item. Trabalho apresentado no XVIII Congresso de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, RJ. Resumo recuperado de

https://ibneuro.org/docs/ReducaoEDG_TRI.pdf

Reise, S. P., Morizot, J., & Hays, R. D. (2007). The role of the bifactor model in resolving dimensionality issues in health outcomes measures. Quality of Life Research, 16(1), 19-31.

https://doi.org/10.1007/s11136-007-9183-7

Revelle, W. (2014). Psych: Procedures for personality and psychological research. Evanston, Illinois: Northwestern University, R package version.

Rizopoulos, D. (2006). ltm: An R package for latent variable modeling and item response theory analyses. Journal of Statistical Software, 17(5), 1-25.

https://doi.org/10.18637/jss.v017.i05

Samejima, F. (1969). Estimation of latent ability using a response pattern of graded scores. Psychometrika Monograph Supplement, 34(4, Pt. 2), 1-100.

https://doi.org/10.1007/BF02290599

Vega , R., Racine, M., Rodriguez S.E., Solé, E., Castarlenas, E., Jensen P. M., Engel, J. & Miró. J. (2016). Psychometric properties of the short form of the Children’s Depression Inventory (CDI-S) in young people with physical disabilities. Journal de Psycosomatic Research, 90, 57-61.

https://doi.org/10.1016/j.jpsychores.2016.09.007

Weinberg, W. A., Rutman, J., Sullivan, L., Pencik, E. C., & Dietz, S. G. (1973). Depression in children referred to an education diagnostic center. Journal of Pediatrics, 83, 1065-1072.

https://doi.org/10.1016/S0022-3476(73)80552-9

Wilkinson, P. (2009). Conceptualization about internalizing problems in children and adolescents. Ciência & Saúde Coletiva, 14(2), 373-381.

https://doi.org/10.1590/S1413-81232009000200007

World Health Organization (WHO). (2012). Depression. A Global Public Health Concern. Department of Mental Health and Substance Abuse. Recuperado de:

http://who.int/mental_health/management/depression/who_paper_depression_wfmh_2012.pdf

Publicado
2018-01-30
Como Citar
Grendene, F., Baptista, M. N., & Filho, N. H. (2018). Análise via tri da Escala Baptista de Depressão Infanto-Juvenil e do Inventário de Depressão Infantil. Psico, 49(4), 339-347. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2018.4.26866
Seção
Artigo Original