Sintomatologia depressiva em estudantes brasileiros de pós-graduação stricto sensu

Palavras-chave: depressão, saúde mental, pós-graduação

Resumo

O objetivo foi analisar três modelos de predição para a presença de sintomatologia depressiva em pós-graduandos a partir de variáveis acadêmicas, demográficas e de saúde mental. Participaram 2115 estudantes de mestrado (51,8%) e doutorado, de universidades públicas (57,9%) e privadas, com idade média de 28,91 anos que responderam a um questionário demográfico e a Escala Baptista de Depressão (versão adulto). A partir da análise de regressão de Poisson verificou-se que a sintomatologia ocorre mais em mulheres, discentes do mestrado e em estudantes que já apresentaram ideação suicida ao longo da vida. Além disso, observou-se que a prevalência de sintomatologia depressiva moderada e severa na amostra foi de 31%. Os achados reforçam a importância de serviços de saúde mental para este público.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonardo de Oliveira Barros, Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, BA, Brasil.

Doutor em Psicologia pela Universidade São Francisco (USF), em Campinas, SP, Brasil. Professor do Programa do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA), em Salvador, BA, Brasil.

Rodolfo Augusto Matteo Ambiel, Universidade São Francisco (USF), Campinas, SP, Brasil.

Doutor em Psicologia pela Universidade São Francisco (USF), em Campinas, SP, Brasil. Professor do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade São Francisco (USF), em Campinas, SP, Brasil.

Makilim Nunes Baptista, Universidade São Francisco (USF), Campinas, SP, Brasil.

Doutor em Psicologia pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), em São Paulo, SP, Brasil. Professor do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade São Francisco (USF), em Campinas, SP, Brasil.

Referências

Baptista, M. N. (2012). Manual técnico da Escala Baptista de Depressão em Adultos (EBADEP-A). Vetor.

Barros, L. O., Moreira, T. C., Martins, G. H., & Ambiel, R. A. M. (2018). Avaliação da adaptabilidade de carreira em estudos de pós-graduação Stricto Sensu. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 19(2), 177-184. https://doi.org/ 1026707/1984-7270/2019v19n2p177

Cardoso, H. F., & Baptista, M. (2015). Evidência de Validade para a Escala de Percepção do Suporte Social (Versão Adulta) – EPSUS-A: um Estudo Correlacional. Psicologia: Ciência e Profissão, 35(3), 946-958. https://doi.org/10.1590/1982-3703001352013

Cirani, C. B. S., Campanario, M. A, & Silva, H. H. M. (2015). A evolução do ensino da pós-graduação senso estrito no Brasil: análise exploratória e proposições para pesquisa. Avaliação-Revista da Avaliação da Educação Superior, 20(1), 168-187. https://doi.org/10.590/S1414-40772015000500011

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. (2019). GEOCAPES – Sistema de informações georreferenciadas: Dados estatísticos – 2019. Ministério da Educação. https://geocapes.capes.gov.br/geocapes

Costa, E. G., & Nebel, L. (2018). O quanto vale a dor? Estudo sobre a saúde mental de estudantes de pós-graduação no Brasil. Polis (Santiago), 17(50), 207-227 https://doi.org/10.4067/S0718-65682018000200207

Duque, J. C.; Brondani, J. T.; Luna, S. P. (2005) Estresse e pós-graduação em Medicina Veterinária. Revista Brasileira de Pós-Graduação, Brasília, 2(3) 134-48.

Duffy, R. D., Douglass, R. P., & Autin, K. L. (2015). Career adaptability and academic satisfaction: Examining work volition and self efficacy as mediators. Journal of Vocational Behavior, 90, 46-54. https://doi.org/10.1016/j.jvb.2015.07.007

Evans, T. M., Bira, L., Gastelum, J. B., Weiss, L. T., & Vanderford, N. L. (2018). Evidence for a mental health crisis in graduate education. Nature biotechnology, 36 (3), 282-284. https://doi.org/10.1038/nbt.4089

Hair, J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. Bookman Editora.

Hammen, C. (2018). Risk factors for depression: An autobiographical review. Annual review of clinical psychology, 14, 1-28. https://doi.org/10.1146/annurev-clinpsy-050817-084811

Hammen, C. L. (2015). Stress and depression: old questions, new approaches. Current Opinion in Psychology, 4, 80-85. https://doi.org/10.1016/j.copsyc.2014.12.024

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2013). Pesquisa Nacional de Saúde 2013. IBGE. ftp://ftp.ibge.gov.br/PNS/2013/pns2013.pdf

Justo, L. P., & Calil, H. M. (2006). Depressão – o mesmo acometimento para homens e mulheres? Revista de Psiquiatria Clínica, 33(2), 74-79.

Levecque, K., Anseel, F., De Beuckelaer, A., Van der Heyden, J., & Gisle, L. (2017). Work organization and mental health problems in PhD students. Research Policy, 46(4), 868-879. https://doi.org/10.1016/j.respol.2017.02.008

Lim, G.Y., Tam, W.W., Lu, Y., Ho, C.S., Zhang, M.W., & Ho, R. C. (2018). Prevalence of Depression in the Community from 30 Countries between 1994 and 2014. Scientifc Reports, 8(1), 2861. https://doi.org/10.1038/s41598-018-21243-x

Moschkovich, M., & Almeida, A. M. F. (2015). Desigualdades de gênero na carreira acadêmica no Brasil. Dados, 58(3), 749-789. https://doi.org/10.1590/00115258201558

Panger, G., Tryon, J., Smith, A. (2014). (2014). Graduate Student Happiness and Well-being. Universidade de Berkeley - Graduate Assembly, Report 2014. http://ga.berkeley. edu/wellbeingreport

Pontes, M. F. (2018). Ansiedade, estresse, depressão e qualidade de vida: um estudo com pós-graduandos da Universidade de São Paulo [Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo]. Biblioteca Digital USP

Santos, A. F., & Alves Júnior, A. (2007). Estresse e estratégias de enfrentamento em mestrandos de ciências da saúde. Psicologia: Reflexão e crítica, 20(1), 104-113.

Santos, A. S., & Perrone, C., & Dias, A. G. (2015). Adaptação à pós-graduação stricto sensu: uma revisão sistemática de literatura. Psico-USF, 20(1), 141-152. https://doi.org/10.1590/1413-82712015200113

Silva, T. C., & Bardagi, M. P. (2016). O aluno de pós-graduação stricto sensu no Brasil: revisão da literatura dos últimos 20 anos. Revista Brasileira de Pós-Graduação, 12(29), 683-714.

Savickas, M. L., Nota, L., Rossier, J., Dauwalder, J. P., Duarte, M. E., Guichard, J., van Vianen (2009). Life-designing: A paradigm for career construction in the 21th century. Journal of Vocational Behavior, 75, 239-250. https://doi.org/10.1016/j.jvb.2009.04.004

World Health Organization. Fact sheet nº 369: depression (2018). http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs369/en

World Health Organization. (2017). Depression and other common mental disorders: Global health estimates. http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/254610/1/WHO-MSD-MER-2017.2-eng.pdf

Woolston, C. (2017). Graduate survey: a love-hurt relationship. Nature, 550(7677), 549-552. https://doi.org/10.1038/nj7677-549a

Publicado
2021-12-31
Como Citar
Barros, L. de O., Ambiel, R. A. M., & Baptista, M. N. (2021). Sintomatologia depressiva em estudantes brasileiros de pós-graduação stricto sensu. Psico, 52(4), e36161. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2021.4.36161
Seção
Artigos