Atitudes de estudantes de medicina face ao “mais médicos” revela favorecimento endogrupal

  • Clarissa Maria Dubeux Lopes Barros Universidade Federal da Paraíba http://orcid.org/0000-0003-4790-8203
  • Ana Raquel Rosas Torres Universidade Federal da Paraíba
  • Cicero Roberto Pereira Universidade Federal da Paraíba
Palavras-chave: Identidade social, Favorecimento Endogrupal, Preconceito, Programa Mais Médicos

Resumo

As pessoas são motivadas a favorecer o seu próprio grupo na distribuição de recursos simbólicos e materiais. Analisou-se em que medida este fenômeno está presente na atitude de estudantes de medicina face ao Programa Mais Médicos. Testou-se as hipóteses de que a oposição à contratação de médicos estrangeiros é motivada pelo favorecimento endogrupal e que este efeito é potencializado pelo preconceito contra a origem dos médicos. O estudo foi realizado em 259 estudantes de medicina alocados aleatoriamente em cenários conforme a origem nacional dos médicos a serem contratados (cubanos vs. espanhóis vs. portugueses vs. brasileiros) que indicaram a sua concordância com a contratação. Os resultados mostram que estudantes são favoráveis à contratação apenas de médicos brasileiros, opondo-se à contratação de médicos estrangeiros. Na discussão abordou-se as atitudes face ao Programa Mais Médicos como indicadoras de tensões sociais subjacentes à distribuição de recursos socialmente valorizados e motivadas por fatores identitários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clarissa Maria Dubeux Lopes Barros, Universidade Federal da Paraíba
Possui Graduação em Psicologia, Especialização e Mestrado em Psicologia Clínica pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP). Doutora em Psicologia Social pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Realizou estágio doutoral no Instituto de Ciências Sociais - Universidade de Lisboa. Tem experiência na área de Psicologia, atuando especialmente nos seguintes temas: Preconceito e Discriminação; Imigração; Saúde e Cultura; Psicanálise.
Ana Raquel Rosas Torres, Universidade Federal da Paraíba

Possui graduação em Psicologia (1988), mestrado em Psicologia (Psicologia Social) pela Universidade Federal da Paraíba (1992), doutorado em Psicologia pela University of Kent at Canterbury (Grã-Bretanha, 1996) e pós-doutorado em Psicologia Social pela Université de Provence (França, 2006). Foi professora titular da Pontifícia Universidade Católica de Goiás entre 1997-2009. Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal da Paraíba, lecionando na graduação em Psicologia e no mestrado e doutorado em Psicologia Social. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Processos Grupais e de Comunicação, atuando principalmente nos seguintes temas: preconceito e discriminação, identidade social e psicologia social do trabalho. Tem também experiência na área de saúde e meio ambiente.

Departamento de Pós Graduação em Psicologia Social da Universidade Federal da Paraíba

Cicero Roberto Pereira, Universidade Federal da Paraíba
Cicero Roberto Pereira estudou na Escola Estadual de Patos (CEPA), formou-se em Psicologia e obteve mestrado em Psicologia Social na Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Doutorou-se em Psicologia Social pelo Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL) com uma tese sobre a relação entre o preconceito e a discriminação em contextos anti-preconceito. Desenvolveu estudos pós-doutorais no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. Tem centrado a sua atividade docente na formação de recursos humanos altamente qualificados. Atualmente Coordena o Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social da Universidade Federal da Paraíba. Tem experiência como líder de grupos de investigação nacionais e internacionais e na coordenação de projetos de pesquisa financiados por por meio de processos altamente competitivos. Inaugurou uma linha de pesquisa que é referência internacional no domínio das relações sociais racializadas, especificamente no estudo do papel da legitimação das diversas formas de discriminação em diferentes contextos normativos. É bolsista de produtividade em pesquisa (PQ) do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.

Referências

Associação Médica Brasileira (2015, 05 maio). Motivação do Mais Médicos: enviar dinheiro a Cuba. Disponível em: http://amb.org.br/noticias/motivacao-do-mais-medicos-enviar-dinheiro-a-cuba/

Bruin, J. (2006). Newtest: command to compute new test. UCLA: Statistical Consulting Group. http://www.ats.ucla.edu/stat/stata/ado/analysis/

Campbell, D. T. (1965). Ethnocentric and other altruistic motives. In D. Levine (Ed.). Nebraska symposium on motivation (pp. 283-301). Lincoln: University of Nebraska Press.

Conselho Federal de Psicologia (2000). Resolução CFP nº 016/2000 (2014, 22 de maio). Disponível em: http://www.crpsp.org.br/portal/orientacao/resolucoes_cfp/fr_cfp_016-00.aspx.

Conselho Nacional de Saúde (2016). Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016 (2016, 27 de agosto). Disponível em: http://www.conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf.

Conselho Nacional de Saúde (2012). Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. (2014, 22 de maio). Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf.

Coser, L. A. (1956). The function of social conflict. Glenco, IL: Free Press.

Costa-Lopes, R., Dovidio, J. F., Pereira, C. R., Jost, J. T. (2013). Social psychological perspectives on the legitimation of social inequality: past, present and future (Special issue introduction). European Journal of Social Psychology, 43(4), 229-237. https://doi.org/10.1002/ejsp.1966

Dovidio, J. & Gaertner, S. (2010). Intergroup Bias. Handbook of Social Psychology. 3:III:29. https://doi. org/10.1002/9780470561119.socpsy002029

Global Health Workforce Alliance & World Health Organization (2013). (2016, 18 de Setembro). A universal truth: no health without a workforce. Disponível em: http://www.who.int/workforcealliance/knowledge/resources/GHWAa_

universal_truth_report.pdf.

Lei nº 12.871, de 22 de outubro de 2013. Institui o Programa Mais Médicos, altera as Leis n. 8.745, de 9 de dezembro de 1993, e n. 6.932, de 7 de julho de 1981, e dá outras providências. Diário Oficial da União. Seção 1.

LeVine,R. A. & Campbell, D. T. (1972). Ethnocentrism: Theories of conflict, ethnic attitudes, and group behavior. New York: John Wiley & Sons.

Lima-Nunes, Aline, Pereira, C. R., Correia, I. (2013). Justice seems not to be for all: exploring the scope of justice. In-Mind Magazine, 17, 1-6.

Mais Médicos ampliou o acesso a medicamento. Rede Observatório do Programa Mais Médicos (2015, 04 ago.). Disponivel em: http://http://www.observatoriomaismedicos.org.br/.

McGarty, C. (2001). Social Identity theory does not maintain that identification produces bias, and self-categorization theory does not maintain that salience is identification: two comments on Mummendey, Klink and Brown. British Journal of Social Psychology, 40, 173-176. https://doi.org/10.1348/014466601164777

Medida Provisória 621, de 8 de julho de 2013. Institui o Programa Mais Médicos e dá outras providências. Diário Oficial da União. Seção 1.

Ministério da Saúde (2014). PortalBrasil. Disponível em: www.brasil.gov.br.

Ministério da Saúde (2015). PortalBrasil. Disponível em: www.brasil.gov.br.

Mummendy, A. Klink, A., & Brown, R. (2001). Nationalism and patriotism: National identification and out-group rejection. British Journal of Social Psychology (2001), 40, 159-172. https://doi.org/10.1348/014466601164740

Pellegrini, M. (2015, 04 Agosto). Mais Médicos recebe nota 9 de usuários diz pesquisa. Carta Capital. Disponivel em: http://www.cartacapital.com.br/saude/mais-medicos-recebe-nota-9-de-usuarios-diz-pesquisa-3701.html.

Pereira, C., Vala, J., & Costa-Lopes, R. (2010). From Prejudice to Discrimination: The Legitimizing Role of Perceived Threat Indiscrimination Against Immigrants. European Journal of Social Psychology, 40, 1231-1250. https://doi.org/10.1002/ejsp.718

Pereira, C. R., França, D., Torres, A. R., Lima, M. E., & Pereira, M. E. (2015). Emoções na formação e no desenvolvimento dos preconceitos. In S. Gondim, E. Loiola (Eds.). Emoções, aprendizagem e comportamento social (pp. 127-162). São Paulo: Casa do Psicólogo. ISBN 978-85-8040-597-2.

Pettigrew, T. & Meertens R. W. (1995). Subtle and blatant prejudice in Western Europe. European Journal of Social Psychology, 25, 57-75. http://dx.doi.org/10.1002/ejsp. 2420250106

Portaria Interministerial nº 1.369/MS/MEC, de 8 de julho de 2013. Dispõe sobre a implementação do Projeto Mais Médicos para o Brasil. Diário Oficial da União. Seção 2.

Ribeiro, J. (2013). Migração de profissionais de saúde – Desperdício ou reconhecimento de qualificações? In Araujo, E., Fontes, M., & Bento, S. (Orgs.). Para um debate sobre mobilidade de fuga de cérebros. Portugal: Cecs.

Sherif, M., Hervey, J. O., White, J., Hood, W., & Sherif, E. (1961). The robbers cave experiment: Inter-group conflict and cooperation. Middletown: University Press.

Sherif, M. (1967). Group Conflict and Cooperation: Their Social Psychology. London: Routledge e Kegan Paul.

Souza, L. E. C., Pereira, C. R., Camino, L., Lima, T. J. S., & Torres, A. R. R. (2016). The legitimizing role of accent on discrimination against immigrants. European Journal of Social Psychology (Print). https://doi.org/10.1002/ejsp.2216

Stephan, W. G. & Stephan, C. W. (2002). An integrated threat theory of prejudice. In S. Oskamp (Ed.). Reducing prejudice and discrimination (pp. 23-45). Mahwah, N.J.: Psychology Press.

Tajfel, H., Billig, M., Bundy, R. P., & Flament, C. (1971). Social categorisation and intergroup behaviour. European Journal of Social Psychology, 1, 149-178. https://doi.org/10.1002/ejsp.2420010202

Tajfel, H. & Turner, J. C. (1979). An integrative theory of intergroup conflict. In Zn W. G. Austin e S. Worchel (Eds.). The social psychology of intergroup relations. Monterey, Ca: Brooks/Cole.

Torres, C. V. & Neiva, E. R. (2011). Psicologia Social no Brasil: Uma introdução. In C. V. Torres & E. R. Neiva (Eds.). Psicologia Social: Principais temas e vertentes (pp. 31-57). Porto Alegre: Artmed.

Vala, J., Pereira, C. R., Lima, M., & Leyens, J.-P. (2012). Intergroup time bias and racialized social relations. Personality and Social Psychology Bulletin, 38(4), 491-504. https://doi.org/10.1177/0146167211429746

Publicado
2017-03-30
Como Citar
Barros, C. M. D. L., Torres, A. R. R., & Pereira, C. R. (2017). Atitudes de estudantes de medicina face ao “mais médicos” revela favorecimento endogrupal. Psico, 48(1), 12-20. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2017.1.23871
Seção
Artigos