Xingamento ou preconceito: um estudo sobre a expressão do preconceito racial no futebol

  • Andreza Silene Silva Ferreira Universidade Federal da Paraíba
  • Eldo Lima Leite Universidade Federal da Paraíba
  • Aíla Souza Muniz Universidade Federal da Paraíba
  • José Roniere Morais Batista Universidade Federal de Campina Grande
  • Ana Raquel Rosas Torres Universidade Federal da Paraíba
  • José Luis Álvaro Estramiana Universidad Complutense de Madrid
Palavras-chave: preconceito racial, agressão verbal, racismo no futebol

Resumo

Este trabalho teve como objetivo analisar em que medida o preconceito racial no futebol medeia a relação entre o uso de agressões verbais e a concordância com posicionamentos que negam a existência do preconceito racial no futebol. Participaram desta pesquisa 295 estudantes universitários da Paraíba, com idades entre 15 e 61 anos (M = 21, DP = 6,01) sendo 109 do sexo masculino e 185 do sexo feminino. Os resultados indicaram que a variável “preconceito racial” mediou totalmente a relação entre a agressão verbal e a concordância com as ações judiciais. Assim, as agressões verbais não seriam apenas manifestações de atitudes negativas direcionadas ao time rival, mas ao estarem associadas, de maneira significativa, com o preconceito, convertem-se em uma poderosa forma de legitimação do preconceito racial ao negar sua existência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Allport, G. W. (1954). The nature of prejudice. Cambridge, MA: Addison-Wesley.

Almeida, M. M. & Rodrigues, F. X. F. (2015). O mito da democracia racial, racismo e futebol: um debate sociológico. Novos Rumos Sociológicos, 3(3).

Álvaro, J. L., Morais, T., Torres, A. R. R., Pereira, C. R., Garrido, A., & Camino, L. (2015). The Role of Values in Attitudes towards Violence: Discrimination against Moroccans and Romanian Gypsies in Spain. The Spanish Journal of Psychology, 18, E63-12. https://doi.org/10.1017/sjp.2015.65

Baron, R. M. & Kenny, D. A. (1986). The moderator-mediator variable distinction in social psychological research: Conceptual, strategic, and statistical considerations. Journal of Personality and Social Psychology, 51, 1173-1182.https://doi.org/10.1037//0022-3514.51.6.1173

Barradas, M. S. S. & Lopes, O. G. (2013). Dribladores: passes e impasses do racismo no futebol carioca. Mnemosine, 9(1), 245-263.

Bartel, C. E. (2014). Manifestações de Racismo e de Intolerância no Brasil Contemporâneo. História Unicap, 1(1), 104-118.

Batista, J. R. M., Leite, E. L., Torres, A. R. R., & Camino, L. (2014). Negros e Nordestinos: similaridades nos estereótipos raciais e regionais. Psicologia Política, 14(30), 325-345.

Bradbury, S. (2013). Institutional racism, whiteness and the under-representation of minorities in leadership positions in football in Europe. Soccer & Society, 14(3), 296-314. https://doi.org/10.1080/14660970.2013.801262

Brown, R. J. (2010). Prejudice: its social psychology. Malden, Massachusetts, USA: Blackwell Publishers Inc. Cabecinhas, R. (2008). Racismo e Xenofobia: a actualidade de velha questão. Comunicação e Cidadania, 2, 1886-8975. http://hdl.handle.net/1822/9639

Camino, L., Álvaro, J. L., Torres, A. R. R., Garrido, A., Morais, T., & Barbosa, J. (2013). Explaining Social Discrimination: Racism in Braziland Xenophobia in Spain. Spanish Journal of Psychology, 16, e73, 1-13. https://doi.org/10.1017/sjp.2013.65

Camino, L., Da Silva, P., Machado, A., & Pereira, C. (2001). A face oculta do racismo no Brasil: uma análise psicossociológica. Revista Psicologia Política, 1(1), 13-36.

Cervi, T. de A. N. (2014). Intolerância e racismo no futebol: a racialização do outro. ComCiência, 159, Campinas.

Dos Santos, E. D., Neta, M. D. C. M. A., & dos Santos, R. D. (2015). A questão das relações étnicas no Brasil: (não) somos racistas?! Cadernos Imbondeiro, 3(2).

Fernandes, F. (2015). O negro no mundo dos brancos. [S.l.]: Global Editora.

Fernandes, S. C. S., Almeida, S. S. M. & Nascimento, C. B. S. (2008). Análise do preconceito racial em uma amostra de crianças brancas de 5 a 8 anos de idade. Psico, Porto Alegre, PUCRS, 39(4), 441-447.

Giglio, S. S., Tonini, M. D., & Rubio, K. (2014). “Do céu ao inferno”: a história de Baiano no Boca Juniors e os racismos no futebol. Projeto História. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História, 49. e-ISSN 2176-2767; ISSN 0102-4442.

Gonzaga, Y. M. (2014). Relações raciais em uma Universidade Pública Federal Brasileira: um campo em aberto.

Gregório, F. & Melo, B. M. (2015). Preconceito racial no esporte nacional. Esporte e Sociedade, 24, 1-31.

Guterman, M. (2013). O futebol explica o Brasil: Uma história da maior expressão popular do país. São Paulo: Contexto.

Lima, M. O. & Vala, J. (2004). As novas formas de expressão do preconceito e do racismo. Estudos de Psicologia, 9, 401-411. https://doi.org/10.1590/S1413-294X2004000300002

Lins, S. L. B., de Lima-Nunes, A. V., & Camino, L. (2014). O papel dos valores sociais e variáveis psicossociais no preconceito racial brasileiro. Psicologia & Sociedade, 26(1), 12. https://doi.org/10.1590/S0102-71822014000100011

Lise, R. S., Souza, M. T. O., Jensen, L., & Capraro, A. M. (2015). O caso Tinga: analisando (mais) um episódio de racismo no futebol sul-americano. Pensar a Prática, 18(4). https://doi.org/10.5216/rpp.v18i4.32123.

Llopis-Goig, R. (2013). Racism, xenophobia and intolerance in Spanish football: evolution and responses from the government and the civil society. Soccer & Society, 14(2), 262-276. https://doi.org/10.1080/14660970.2013.776461

Nunes, S. D. S. (2014). Racismo contra negros: sutileza e persistência. Revista Psicologia Política, 14(29), 101-121.

Pereira, C. R. & Vala, J. (2010). Do preconceito à discriminação justificada. In-Mind_Português, 1, 1-13.

Peucker, M. (2009). Racism, xenophobia and structural discrimination in sports. European forum for migration studies (efms). Bamberg. https://doi.org/10.1007/978-3-531-91692-7_11

Preacher, K. J. & Hayes, A. F. (2004). SPSS and SAS procedures for estimating indirect effects in simple mediation models. Behavior Research Methods, Instruments, and Computers, 36, 717-731. https://doi.org/10.3758/BF03206553

Preacher, K. J. & Hayes, A. F. (2008). Asymptotic and resampling strategies for assessing and comparing indirect effects in multiple mediator models. Behavior Research Methods, 40, 879-891. https://doi.org/10.3758/BRM.40.3.879

Rodrigues, K. De C. (2013). Esporte e folkcomunicação: o futebol mostra a brasilidade. RIF, Ponta Grossa/PR, 11(24), 66-81.

Santos, T. C. (2014). A Campanha #somostodosmacacos de Neymar: uma reflexão sobre o racismo no futebol. São Paulo: Congresso Internacional de comunicação e consumo.

Publicado
2017-06-22
Como Citar
Ferreira, A. S. S., Leite, E. L., Muniz, A. S., Batista, J. R. M., Torres, A. R. R., & Estramiana, J. L. Álvaro. (2017). Xingamento ou preconceito: um estudo sobre a expressão do preconceito racial no futebol. Psico, 48(2), 81-88. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2017.2.25170
Seção
Artigos