O que Dizem Professores da Pré-Escola sobre Agressividade entre Crianças

  • Carolina Duarte de Souza Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC
  • Mauro Luis Vieira Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC
  • Maria Aparecida Crepaldi Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC
Palavras-chave: Agressividade, Professores de pré-escola, Crianças em idade pré-escolar.

Resumo

A agressividade na infância é queixa recorrente a clínicas psicológicas. Esta pesquisa, quanti-qualitativa, investigou como 26 professoras caracterizam e lidam com a agressividade entre pares de crianças na pré-escola. Os dados da Escala de Comportamento Social do Pré-escolar de 50 crianças foram analisados por cálculos estatísticos, e da Entrevista Sobre Agressividade em Pré-Escolares com 23 educadoras por análise de conteúdo categorial temática. As professoras caracterizaram as crianças como pouco agressivas e socialmente competentes, indicando uma correlação negativa do comportamento prossocial e da aceitação da criança pelos pares com a agressividade. As educadoras consideraram a agressividade decorrente de dificuldades de socialização e “bater em alguém” como comportamento indicativo desta. Para as professoras as crianças reagem aos atos agressivos sobretudo revidando-os, e a principal intervenção citada foi conversar com quem agride. Conclui-se que entre as educadoras a agressividade usualmente é considerada como uma inabilidade social, que necessita de intervenção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Duarte de Souza, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC
Graduada e Mestre em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC (2006 e 2012), com especialização em Terapia Relacional Sistêmica pelo Familiare Instituto Sistêmico (2010) e Especialista em Psicologia clínica pelo CFP. Atuou como psicóloga escolar e clínica, e como supervisora local de estágio em uma ONG. Atendeu em clínica particular a famílias, adolescentes e adultos de 2008 a 2010. Foi psicóloga pediátrica da Prefeitura Municipal de Cerro Largo entre 2011 e 2013. Foi docente do curso de Psicologia da Faculdade Três de Maio - SETREM, entre 2011 e 2013; e coordenadora do Núcleo de Pesquisa em Psicologia da SETREM em 2013.Iniciou o doutorado no corrente ano em Desenvolvimento Psicológico e Saúde pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFSC com bolsa da CAPES.
Mauro Luis Vieira, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC
Faço parte do quadro docente do Departamento de Psicologia na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Obtive o título de Mestre (1991) e Doutor (1995) em Psicologia Experimental pela Universidade de São Paulo. Fiz pós-doutorado na Dalhousie University em Halifax (Canadá) em 1999. Desenvolvi duas pesquisas nessa instituição sobre cuidados parentais e desenvolvimento de filhotes em uma espécie de roedor biparental, o Camundongo da Califórnia. Em dezembro de 2003 criei o Núcleo de Estudos e Pesquisas em Desenvolvimento Infantil (NEPeDI). O referido núcleo, que reúne professores do Departamento de Psicologia, alunos de graduação e pós-graduação, tem como objetivo desenvolver pesquisas na área de cuidados parentais, desenvolvimento infantil e saúde. O referencial teórico-metodológico é a Psicologia Evolucionista. No entanto, são desenvolvidos projetos interdisciplinares com pesquisadores de outras abordagens teóricas. Os projetos atualmente desenvolvidos se referem ao estudo das concepções de pais e mães sobre o desenvolvimento infantil e sobre a importância da brincadeira para o desenvolvimento integral da criança. Estuda-se também como ocorre a interação entre pais (mãe e pai, quando for o caso) e as crianças. Trabalho na linha de pesquisa Saúde, Família e Desenvolvimento Psicológico do Programa de Pós-graduação em Psicologia da UFSC. Minha atuação está mais centrada na orientação de trabalhos de pesquisa que envolva a relação entre valores, crenças e práticas de pais e mães e o desenvolvimento infantil. Eu e meus alunos investigamos também aspectos da interação criança-criança com ênfase na brincadeira.
Maria Aparecida Crepaldi, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC
Professora Associada IV da Universidade Federal de Santa Catarina. Graduada em Psicologia pela Universidade de São Paulo - USP, com especialização em Psicologia Clínica Infantil pelo Hospital das Clínicas da FMRP-USP, e em Terapia Familiar e de Casal pelo Instituto de Terapia Familiar de São Paulo - ITF e Association Parisiènne de Recherche et Thérapie Familiale - APRTF, França. Título de especialista em Psicologia Clínica e e Psicologia Hospitalar (CFP), Mestrado em Psicologia (Psicologia Clínica) pela PUC-RJ, Doutorado em Saúde Mental pela UNICAMP, com estágio Sandwich na Universidade de Paris (Paris VI). Pós-Doutorado pela Universidade do Québec em Montreal - UQÀM (2007-2008). Pós-Doutorado pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP (2008). Professora Associada da Universidade do Québec em Montréal (UQÀM). Docente orientadora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia-UFSC. Docente do Programa Integrado de Residência Multiprofissional em Saúde HU - UFSC. Foi coordenadora do Programa de pós-graduação em Psicologia da UFSC de 2011.02 à 2013.01.Tem experiência na área de Psicologia da Saúde e Psicologia da Família.

Referências

Arrué, A. M., Neves, E. T., Terra, M. G., Magnago, T. S. B. de S., Jantsch, L. B., Pieszak, G. M., et al. (2013). Crianças/adolescentes com necessidades especiais de saúde em centro de atenção psicossocial. Rev Enferm UFSM, 3(1),

-237. http://dx.doi.org/10.5902/217976927827

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Caplan, M., Vespo, J., Pedersen, J., & Hay, D. F. (1991). Conflict and its resolution in small groups of one and two year olds. Child Development, 62(6), 1513-1524. http://dx.doi.org/10.1111/j.1467-8624.1991.tb01622.x

Cavalheiro, N. C., Garcia, B. G., Iwata, H., Pace Júnior, J., Rosa, H. R., Valente, M. L. L. de C., & Migliorini, W. J. M. (2012). Triagem interventiva: a caracterização de uma demanda. Rev. SBPH, 15(2), 3-16.

Côté, S., Vaillancourt, T., Barker, E. D., Nagin, D., & Tremblay, R. E. (2007). The joint development of physical and indirect aggression: predictors of continuity and change in the joint development of physical and indirect aggression. Development and Psychopathology, 19(1), 37-55. http://dx.doi.org/10.1017/S0954579407070034

Crick, N. R., Casas, J. F., & Mosher, M. (1997). Relational and overt aggression in preschool. Developmental psychology, 33(4), 579-88. http://dx.doi.org/10.1037/0012-1649.33.4.579

Fajardo-Vargas, V. & Hernández-Gusmán, L. (2008). Tratamiento cognitivo-conductual de la conducta agresiva infantil. Revista Mexicana de Análisis de la Conducta, 34(2), 371-389. http://dx.doi.org/10.5514/rmac.v34.i2.16216

Farmer, T. W. & Xie, H. (2007). Aggression and school social dynamics: the good, the bad, and the ordinary. Journal of School Psychology, 45(5), 461-478. http://dx.doi.org/10.1016/j.jsp.2007.06.008

Fleiss, J. L. (1981). Statistical methods for rates and proportions. New York: John Wiley.

Joly, M. C. R. A., Dias, A. S., & Marini, J. A. S. (2009). Avaliação da agressividade na família e escola de ensino fundamental. Psico-USF, 14(1), 83-93. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-82712009000100009

Manfroi, E. C., Faraco, A. M. X., & Vieira, M. L. (2010). Ambientes de Socialização das Crianças: impacto dos pais e do grupo de pares. In J. Segata, N. Machado, E. C. Manfroi, E. R. Goetz (Orgs.), Psicologia: inovações (pp. 113-122). Rio do Sul: Editora Unidavi.

Martins, N. & Wilson, B. J. (2012). Social aggression on television and its relationship to children’s aggression in the classroom. Human Communication Research, 38(2012), 48-71. http://dx.doi.org/10.1111/j.1468-2958.2011.01417.x

Paquette, D. & Malo, C. (1998). Vers une conceptualisation commune de la violence. Défi Jeunesse, 4(4), 3-6.

Pellegrini, A. D. (2008). The roles of aggressive and affiliative behaviors in resource control: a behavioral ecological perspective. Developmental Review, 28(4), 461-487. http://dx.doi.org/10.1016/j.dr.2008.03.001

Pellegrini, A. D., Van Ryzin, M. J., Roseth, C., Bohn-Gettler, C., Dupuis, D., Hickey, M. and Peshkam, A. (2011). Behavioral and social cognitive processes in preschool children’s social dominance. Aggr. Behav., 37(3), 248-257. http://dx.doi.org/10.1002/ab.20385

Picado, J. da R. & Rose, T. M. S. de. (2009). Acompanhamento de pré-escolares agressivos: adaptação na escola e relação professor-aluno. Psicologia Ciência e Profissão, 29(1), 132-145. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932009000100011

Puttalaz M., Grimes, C. L., Foster, K. J., Kupersmidt, J. B., Coie, J. D., & Dearing, K. (2007). Overt and relational aggression and victimization: multiple perspectives within the school setting. Journal of School Psychology, 45(5), 523-547. http://dx.doi.org/10.1016/j.jsp.2007.05.003

Raya, A. F., Pino, M. J., & Herruzo, J. (2009). La agresividad en la infancia: el estilo de crianza parental como factor relacionado. European Journal of Education and Psychology, 2(3), 211-222.

Roseth, C. J., Pellegrini, A. D., Bohn, C. M., Van Ryzin, M., & Vance, N. (2007). Preschoolers’ aggression, affiliation, and social dominance relationships: An observational, longitudinal study. Journal of School Psychology 45(5), 479-497.

http://dx.doi.org/10.1016/j.jsp.2007.02.008

Slavin, R. E. (2012). Educational psychology: Theory into practice (10th Ed.). Boston: Allyn & Bacon.

Souza, M. A. & Castro, R. E. F. (2008). Agressividade infantil no

ambiente escolar: concepções e atitudes do professor. Psicologia em Estudo, 13(4), 837-845. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722008000400022

Szelbracikowski, A. C., & Dessen, M. A. (2005). Compreendendo a agressão na perspectiva do desenvolvimento humano. In M. A. Dessen, & A. L. Costa Júnior. (Orgs.), A ciência do desenvolvimento humano: tendências atuais e perspectivas futuras (pp. 231-248). Porto Alegre: Artmed.

Vieira, T. M., Mendes, F. D. C., & Guimarães, L. C. (2010). Aprendizagem social e comportamentos agressivo e lúdico de meninos pré-escolares. Psicologia: Reflexão e Crítica, 23(3), 544-553. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722010000300015

Yamasaki, K. & Nishida, N. (2009). The relationship between three types of aggression and peer relations in elementary school children. International Journal of Psychology, 44(3), 179-186. http://dx.doi.org/10.1080/00207590701656770

Publicado
2015-03-17
Como Citar
Souza, C. D. de, Vieira, M. L., & Crepaldi, M. A. (2015). O que Dizem Professores da Pré-Escola sobre Agressividade entre Crianças. Psico, 46(1), 46-56. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2015.1.16772
Seção
Artigos