Ontologia da liberdade na rede: a guerra das narrativas na internet e a luta social na democracia

  • Henrique Antoun Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Fábio Malini Universidade Federal do Espírito Santo
Palavras-chave: Acontecimento, biopolítica, cibercultura

Resumo

Esse artigo visa, em retrospectiva, analisar os fundamentos políticos que regem os discursos de liberdade que são disseminados pelos atores que constroem a internet de hoje e de ontem. Esta análise visa extrair um modo de compreender a economia do poder em disputa, instaurada pelos diferentes atores em conflito da sociedade em rede. Para tanto vamos avaliar os processos de narração coletiva dos acontecimentos públicos, entendidos como laboratórios dessas disputas. Desta avaliação vai emergir que as novas narrativas multitudinárias vão fazer a passagem do modelo informacional das mídias, que privilegia a acumulação quantitativa proprietária de elementos, para o modelo comunicacional das multimídias, que privilegia a coordenação da ação coletiva nos movimentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Henrique Antoun, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Fábio Malini, Universidade Federal do Espírito Santo
Graduado em Comunicação Social pela Universidade Federal do Espírito Santo, Mestre em Ciência da Informação pelo IBICT/CNPQ na Univerisdade Federal do Rio de Janeiro, Doutor em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. 

Referências

ANDERSON, Chris. A cauda longa: do mercado de massa para o mercado de nicho. Rio de Janeiro: Campus, 2006.

ANTOUN, Henrique. Web 2.0 e o Futuro da Sociedade Cibercultural. Lugar Comum – Estudos de Mídia, Cultura e Democracia, v. 14, n. 27, p. 235-245, 2009.

______. De Uma Teia à Outra: A explosão do comum e o surgimento da vigilância participativa. In: ANTOUN, Henrique (Org.). Web 2.0: Participação e vigilância na era da comunicação distribuída. Rio de Janeiro: Mauad, 2008, p. 11-28.

______. O Poder da Comunicação e o Jogo das Parcerias na Cibercultura. Revista Fronteira. São Leopoldo/RS, v. VI, n. 2, p. 67-86, 2004.

ANTOUN, Henrique; LEMOS, Ana Carla; PECINI, André Custódio. Código e luta por autonomia na comunicação em rede. In: FREIRE FILHO, João; HERSCHMANN, Micael (Orgs.). Novos rumos da cultura da mídia: indústrias, produtos, audiências. Rio de janeiro: Mauad, 2007. p. 263-290.

ARQUILLA, John; RONFELDT, David. Networks, Netwars and the Fight for the Future. First Monday, v. 6, n. 10, out. 2001.

BARBROOK, Richard. A regulamentação da liberdade: liberdade

de expressão, liberdade de comércio e liberdade de dádiva na rede. In: COCCO, Giuseppe et al. Capitalismo cognitivo. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

BAUWENS, Michel. The Political Economy of peer production. 1000 Days of Theory, n. 26, 2005. Disponível em: http://www.ctheory.net/articles.aspx?id=499 Acesso em: 1 ago. 2008.

BENKLER, Yochai. The wealth of networks: how social production transforms markets and freedom. Nova Iorque: Yale University Press, 2006.

CASTELLS, Manuel. Communication Power. Nova Iorque: Oxford University Press, 2009.

CLEAVER, Harry. Computer-linked social movements and global threat to capitalism. Texas: Texas University, 1999. Disponível em: http://www.eco.utexas.edu/~hmcleave/polnet.html Acesso em: 4 ago. 2008.

DELEUZE, Gilles. Conversações. Rio de Janeiro: 34 Letras, 1992.

______. A Dobra: Leibniz e o barroco. São Paulo: Papirus, 1991.

______. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 1988.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. Mille Plateaux. Paris: Minuit, 1980.

FOUCAULT, Michel. Le Courage de la Vérité. Paris: Gallimard, 2009.

______. Le Gouvernement de Soi et des Autres. Paris: Gallimard,

b.

______. A Hermenêutica do Sujeito. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

______. O Nascimento da Biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008a.

______. Vigiar e Punir. Rio de Janeiro: Vozes, 1977.

GALLOWAY, Alex. Protocol: how control exists after decentralization. Cambridge: MIT Press, 2004.

GALVÃO, Alexander Patez; SILVA, Gerardo; COCCO, Giuseppe. Capitalismo Cognitivo: trabalho, redes e inovação. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

JENKINS, Henry. Fans, Bloggers, and Gamers: Media Consumers in a Digital Age. Nova Iorque: New York University Press, 2006.

JOHNSON, Steven. Cultura da interface: como o computador transforma nossa maneira de criar e comunicar. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2001.

KOLLOCK, Peter. Social Dilemmas: The Anatomy of Cooperation. Annual Review of Sociology, n. 24, p. 183-214, 1998.

LAZZARATO, Maurizio; NEGRI, Antonio. Trabalho Imaterial: formas de vida e produção de subjetividade. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

LESSIG, Lawrence. Code and other laws of cyberspace. Nova Iorque: Basic Books, 1999.

______. Free Culture. New York: The Penguin Press, 2004.

LEVINE, Rick; LOCKE, Christopher; SEARLS, Doc; WEINBERGER, David. The Cluetrain Manifesto: the end of business as usual. Cambridge: Perseus, 2000.

MALINI, Fábio. Modelos de colaboração nos meios sociais da internet: uma análise a partir dos portais de jornalismo participativo. In: ANTOUN, Henrique (Org.). Web 2.0: participação e vigilância na era da comunicação distribuída. Rio de Janeiro: Mauad X, 2008.

NEGRI, Antonio; HARDT, Michael. Commonwealth. Cambridge, MA: The Belknap Press, 2009.

______. Multidão: Guerra e democracia na era do Império. Rio de Janeiro: Record, 2005.

______. Império. Rio de Janeiro: Record. 2001.

PRETTO, Nelson de Luca; SILVEIRA, Sérgio Amadeu da. Além das Redes de Colaboração: internet, diversidade cultural e tecnologias do poder. Salvador: EDUFBA, 2008.

RHEINGOLD, Howard. Smart Mobs: the next social revolution. Cambridge: Perseus, 2002.

RUSHKOFF, Douglas. Coercion: why we listen to what “they” say. Nova Iorque: Riverhead Books, 1999.

TERRANOVA, Tiziana. Network Culture: Politics for the Information Age. Londres: Pluto Press, 2004.

Como Citar
Antoun, H., & Malini, F. (2011). Ontologia da liberdade na rede: a guerra das narrativas na internet e a luta social na democracia. Revista FAMECOS, 17(3), 286-294. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2010.3.8196
Seção
Cibercultura