Quem ri por último ri melhor? Uma análise do humor na hipermodernidade a partir do programa “Custe o que Custar”

  • Marcio Acselrad Universidade de Fortaleza
  • Katiuska Macedo Facó Universidade de Fortaleza.
Palavras-chave: Humor, hipermodernidade, CQC

Resumo

Estudiosos do humor e do riso como Lipovetsky (2004) e Minois (2003) afirmam que o riso moderno, ligado ao pensamento iluminista, apresentava-se como esclarecedor e crítico levando as pessoas a refletirem e a buscarem mudar o mundo em que viviam. Por outro lado, o riso atual, capturado pelos meios de comunicação de massa e pela publicidade, apresenta-se como vazio de significado, descompromissado, objetivando somente ser lúdico e estimular o consumo. Até que ponto é possível corroborar com tais opiniões? Não seriam apressadas essas conclusões sobre o humor dos meios de comunicação? Será que na atualidade não somos capazes de produzir um humor com pretensões além do divertimento? Partindo da análise do programa de televisão “Custe o que custar”, o CQC, exibido pela Rede Bandeirantes de Televisão, a Band, e através da realização de um trabalho de pesquisa com grupo focal, pretendemos investigar até que ponto estas hipóteses são ou não comprováveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcio Acselrad, Universidade de Fortaleza
Professor da Faculdade Sete de Setembro e da Universidade de Fortaleza. Doutor em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Katiuska Macedo Facó, Universidade de Fortaleza.
Graduada em Comunicação Social - Publicidade pela Universidade de Fortaleza.

Referências

ACSELRAD, Marcio e DOURADO, Gabriela. O humor corrosivo dos meios e a política: o CQC vai ao Congresso Nacional. Revista Famecos: Midia, cultura e tecnologia, revista do programa de pós graduação da PUCRS , v. 1, n. 39, 2009.

ACSELRAD, Marcio. O humor como estratégia de comunicação. Compós – Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação. Disponível em: http://www.compos.org.br/data/

biblioteca_112.PDF Acesso em: 31 set. 2008.

ANDERSON, Perry. As origens da Pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.

ARRUDA, José Jobson de A. História Moderna e Contemporânea. São Paulo: Ática, 1975.

AUBOUIN, Elie. Les genres du risible: ridicule, comique, esprit, humour. Marseilles: OFEP, 1948.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento – o contexto de François Rabelais. 2 ed. São Paulo: HUCITEC, 1999.

BARBOSA FILHO, Milton B. História Moderna e Contemporânea. São Paulo: Scipione, 1993.

BARBOSA, Gustavo Guimarães; RABAÇA, Carlos Alberto. Dicionário de comunicação. São Paulo: Ática, 1987.

BERGSON, Henri. O riso: ensaio sobre a significação da comicidade. Tradução de Ivone Castilho Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

BREMMER, Jan; ROODENBURG, Herman (Org.). Uma história cultural do humor. Tradução de Cynthia Azevedo e Paulo Soares. Rio de Janeiro: Record, 2000.

ESCARPIT, Robert. L’humour. Paris: PUF – Presses Universitaires de France, 1960.

EVRARD, Franck. L’humour. Paris: Hachette, 1996. HOUAISS, Antonio. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. 1. ed. Objetiva, 2001.

JAMESON, Frederic. Postmodernism or the cultural logic of late capitalism. New Left Review. London: 1982.

LIPOVETSKY, Gilles; CHARLES, Sébatien. Os tempos hipermodernos. Tradução de Mário Vilela. São Paulo: Barcarolla, 2004.

LIPOVETSKY. Gilles. A Era do Vazio: ensaios sobre o individualismo contemporâneo. Editora: Manoele, 2005.

LYOTARD, Jean François. A Condição Pós-Moderna. Lisboa: Gradiva, 1979.

MINOIS, Georges. História do riso e do escárnio. Tradução de Maria Elena O. Ortiz Assumpção. São Paulo: UNESP, 2003.

NEUMANN, Laurício. Características e Dimensões Éticas da Modernidade e da Pós-Modernidade. DCS. Disponível em: http://www.dcs.org.br/documentos/carac_dim_eticas_da_modernidade.doc

PINTO, Ziraldo A. Ninguém entende de humor. Revista de Cultura Vozes. Petrópolis, ano 64, n. 3, abr. 1970.

PROPP, Vladimir. Comicidade e riso. São Paulo: Ática, 1992.

RAMONET, Ignácio. Géopolitique du chaos. Paris: Editora Galilée, 1997.

Revista Época. São Paulo: Globo. EPOCA, 9 jun. 2003.

SANTOS, Jair Ferreira dos. O que é pós-moderno. São Paulo: Brasiliense, 1986.

SIQUEIRA, Holgonsi Soares Gonçalves. Ciência pósmoderna. Jornal “A Razão”. Pós Modernidade, Política e Educação. Disponível em: http://www.angelfire.com/sk/holgonsi/cienciaposmoderna.html

STABILE, Carol A. “Pós-modernismo, feminismo e Marx: notas do abismo”. In: WOOD, Ellen M.; FOSTER, John. B (Orgs.). Em defesa da história. Rio de Janeiro: Zahar, 1999.

SWIFT, Jonathan. In: Viagens de Gulliver. Virtual Ebooks, 2000.

TAVE, Stuart M. A amável humorista: um Estudo do Cômico e Teoria Crítica do Séculos XVIII e XIX Precoce. Chicago: U of Chicago P, 1960.

TOMÉ, Cristina Maria de Sousa. Entre o Burlesco e o Sublime – A sátira gráfica de William Hogarth e James Gilray. 2000. Dissertação (Mestrado) – Universidade do Minho.

TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Uma introdução ao estudo do humor pela lingüística. Revista de Documentação de Estudos em Lingüística Teórica e Aplicada (D.E.L.T.A.), São Paulo, v. 6, n. 1, fev. 1990.

Publicado
2010-05-14
Como Citar
Acselrad, M., & Facó, K. M. (2010). Quem ri por último ri melhor? Uma análise do humor na hipermodernidade a partir do programa “Custe o que Custar”. Revista FAMECOS, 17(1), 54-64. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2010.1.6880
Seção
Pesquisa em Televisão