Psicologia e publicidade: velhos e novos encontros

  • Inês Hennigen Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Ângelo Brandelli Costa Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Psicologia, publicidade, modos de subjetivação

Resumo

A escassez de discussão e de proposição de novas perspectivas para a interface psicologia/publicidade foi o mote para o trabalho teórico, prático e ético junto ao que chamamos de operadores do consumo, sistematizado em um projeto acadêmico. Neste escrito, buscamos discutir, com base na psicologia social contemporânea, questões pertinentes a essa interface levantadas ao longo do projeto. Questionamos o estatuto da comunicação na publicidade e a sua possibilidade de comunicar algo outro, de forma diversa e com outros efeitos. As análises apontaram para um distanciamento da publicidade das concepções recentes de comunicação e a necessidade do campo contemplar os sujeitos sociais tendo em vista a crescente criação de outros modos de vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Inês Hennigen, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Professora do Programa de Pós-graduação em Psicologia Social e Institucional da Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Ângelo Brandelli Costa, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Graduando em Psicologia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Referências

BAUDRILLARD, Jean. A sociedade de consumo. Lisboa: Edições 70, 1991.

BAUMAN, Zygmunt. Vida para consumo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

BIGHETTI, Heraldo. Propaganda subliminar e outras lendas urbanas. Revista de ESPM, v. 10, n. 2, p. 43-51, 2003.

BUCCI, Eugenio; KEHL, Maria Rita. Videologias. São Paulo: Boitempo, 2004.

CALLIGARIS, Contardo. Crônicas do individualismo cotidiano. São Paulo: Ática, 1996.

______. Os fiéis a Harry Potter. Folha de São Paulo [Online], 2001. Disponivel em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq2211200127.htm Acesso em 24 jan. 2009.

______. Quinta-coluna. São Paulo: Publifolha, 2008.

FISCHER, Rosa Maria Bueno. Adolescência em discurso: mídia e produção de subjetividade. Tese de doutorado não-publicada, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1996.

FONTENELE, Isleide Arruda. The coolhunters. In: Lua Nova, p. 163-177, 2004.

______. Psicologia e marketing: da parceria à crítica. Arquivos Brasileiros de Psicologia, v. 60, n. 2, p. 143-157, 2008.

GOMES, Neusa. Publicidade ou propaganda? É isso aí! Revista FAMECOS, v. 16, p. 111-121, 2001.

HENNIGEN, Inês. Subjetivação como produção cultural: fazendo uma outra psicologia. Psicologia & Sociedade, v. 18, n. 2, p. 47-53, 2006.

HOBSBAWM, Eric. A era dos extremos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

HÜNING, Simone; GUARESCHI, Neusa Maria de Fátima. Efeito Foucault: desacomodar a psicologia. In: N. M. F. Guareschi; S. Hüning (Orgs.), Foucault e a psicologia. Porto Alegre: Edipucrs, 2005, p. 107-127.

JACKS, Nilda & PIEDRAS, Elisa. Estudos de recepção da publicidade: explorando as pesquisas da década de 1990. Comunicação, Mídia e Consumo, v. 7, n. 3, 113-130, 2006.

KEHL, Maria Rita. A fratria órfã: conversas sobre a juventude. São Paulo: Olho d’Água, 2008.

KOTLER, Philipe; KELLER, Kevin. Administração de Marketing. São Paulo: Prentice Hall, 2006.

MAFFESOLI, Michel. A comunicação sem fim. In Martins, F. M; Silva J. M. (Orgs.). A genealogia do virtual. Porto Alegre: Sulina, 2008, p.20-32.

MORIN, Edgar. A comunicação pelo meio. In Martins, F. M; Silva J. M. (Orgs.). A genealogia do virtual. Porto Alegre: Sulina, 2008, p. 11-19.

PARENTE, André. A comunicação como nova dimensão da produção de subjetividade. In Guareschi, N. (Org.). Estratégias de invenção do presente: a psicologia social no contemporâneo. Porto Alegre: Edipucrs, 2004, p. 55-66.

ROCHA, Silvia Pimenta Velloso. Yo no creo en brujas, pero que las hay, las hay: a publicidade, o consumo e a crença descafeinada. Comunicação, Midia e Consumo, v. 9, n. 4, p.127-137, 2007.

SEVERIANO, Maria de Fátima Vieira. Pseudoindividuação e homogeneização na cultura do consumo: reflexões críticas sobre as subjetividades contemporâneas na publicidade. Estudos e Pesquisas em Psicologia, v. 6, n. 2, p. 105-121, 2006.

SOUSA, Jorge Pedro. Elementos de teoria e pesquisa da comunicação e dos media. Porto: BOCC – Biblioteca Online de Ciências da Comunicação [Online], 2006. Disponível em: http://www.bocc.ubi.pt/pag/sousa-jorge-pedro-elementosteoria-pequisa-comunicacao-media.pdf Acesso em: 7 jan. 2009.

SIMÕES, Cassiano Ferreira. A publicity e a publicidade (para além da propaganda). Comunicação, mídia e consumo, v. 6, n. 3, p. 179-200, 2006.

TOSCANI, Olivieiro. A publicidade é um cadáver que nos sorri. Rio de Janeiro: Ediouro, 1996.

WACHELKE, J. F. R; Segala, M. Interdisciplinaridade em psicologia social e comunicação social, 2005. Disponível em: http://lakh.unm.edu/handle/10229/81870 Acesso em: 9 jan. 2009.

WOLTON, Dominique. É preciso salvar a comunicação. São Paulo: Paulus, 2006.

Como Citar
Hennigen, I., & Costa, Ângelo B. (2009). Psicologia e publicidade: velhos e novos encontros. Revista FAMECOS, 16(40), 117-123. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2009.40.6327
Seção
Representações na Contemporaneidade