Mobile phones in young people everyday life: case study with Portuguese and Brazilian students

Palavras-chave: Media studies. Mobile technology. Communication studies.

Resumo

Mobile phones have become commonplace everyday objects in almost all societies regardless of their development stage. The presence of these devices has become a constant on any latitude, as shown by the penetration rate figures for 2018: 65.9%. These numbers, already surprising on their own, reach even higher values among young people. Thus, this paper studies the use of mobile phones, in particular smartphones, by young Portuguese and Brazilian university students. For this purpose, an app that registered all the uses made by the youngsters in their mobile devices, was employed. This methodology allows data collection in a daily context without the participants feeling controlled. A total of 317,938 interactions, registered in the participants devices, shows that the main use given to these devices is as a platform for access to social networks, followed by the sending of messages and the variable “second uses” of the device (watch, calendar, camera, calendar and calculator). Although this is a study in progress, at this stage it is safe to state that the data confirm previous studies (FORTUNATI; TAIPALE, 2014) in which smartphones assert themselves as a verbal written communication platform in opposition to their genesis based on orality.

***Telefones celulares no cotidiano dos jovens: um estudo de caso com estudantes portugueses e brasileiros***

Os telefones celulares se tornaram objetos comuns do dia-a-dia em quase todas as sociedades, independentemente do estágio de desenvolvimento. A presença desses dispositivos tornou-se constante em qualquer latitude, como mostra o índice de penetração em 2018: 65,9%. Esses números, já surpreendentes por si só, atingem valores ainda mais altos entre os jovens. Assim, este artigo estuda o uso de telefones celulares, em particular smartphones, por jovens estudantes universitários portugueses e brasileiros. Para isso, foi desenvolvido um aplicativo que registrava todos os usos feitos pelos jovens em seus dispositivos móveis. Essa metodologia permite a coleta de dados em um contexto diário sem que os participantes se sintam controlados. Um total de 317.938 interações, registradas nos dispositivos participantes, mostra que o principal uso dado a esses dispositivos é como plataforma de acesso às redes sociais, seguido pelo envio de
mensagens e pela variável “segundos usos” do dispositivo (observe, calendário, câmera, calendário e calculadora). Embora este seja um estudo em andamento, é possível afirmar que os dados confirmam estudos anteriores (FORTUNATI; TAIPALE, 2014) em que os smartphones se afirmam como uma plataforma de comunicação verbal escrita em oposição à sua gênese baseada na oralidade.

Palavras-chave: Estudos de Mídia. Tecnologia móvel. Estudos de comunicação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Pellanda, Pontifical Catholic University of Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS

Graduação em Publicidade e Propaganda pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1998), mestrado em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2001) e doutorado em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2005). Pós-Doutor pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT) - Boston - EUA. Atualmente é professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul e membro do programa de Pós-Graduação em Comunicação da mesma instituição.

Valeriano Piñeiro-Naval, University of Beira Interior (UBI), Covilhã,

Graduação em Publicidade e Relações Públicas (Universidade de Vigo, 2008) e Comunicação Audiovisual (Universidade de Salamanca, 2009). Doutor em Comunicação Audiovisual, Revolução Tecnológica e Mudança Cultural pela Universidade de Salamanca (2015) e atualmente é membro da unidade do LabCom da Universidade da Beira Interior (UBI).

Ana Cecília B. Nunes, Pontifical Catholic University of Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS

Coordenadora acadêmica do IDEAR - Labor atório Interdisciplinar de Empreendedorismo e Inovação da PUCRS e professora dos cursos de graduação de Jornalismo e Publicidade e Propaganda da mesma universidade, lecionando disciplinas sobre empreendedorismo, inovação e comunicação digital. Doutoranda em regime de cotutela pelo Programa de Pós-graduação da Faculdade de Comunicação Social da PUCRS (PPGCOM/PUCRS) e pela Universidade da Beira Interior (UBI - Portugal), pesquisando sobre inovação em mídia, particularmente no jornalismo.

Referências

AGUADO, J. M.; MARTÍNEZ, I. J. Sociedad Móvil: tecnología, identidad y Cultura. Madrid: Edit. Biblioteca Nueva, 2008.

AHN, J.; JUNG, Y. The common sense of dependence on smartphone: A comparison between digital natives and digital immigrants. New Media & Society, [S. l.], v. 18, n. 7, p. 1236-1256, 2016. https://doi.org/10.1177/1461444814554902

AKER, J. C.; MBITI, I. M. Mobile phones and economic development in Africa. Journal of Economic Perspectives, Nashville, v. 24, n. 3, p. 207-232, 2010. https://doi.org/10.1257/jep.24.3.207

ANATEL, A. N. d. T. Brasil registra redução de 2,88% no número de acessos em operação na telefonia móvel em 12 meses, 2018. Retrieved from: http://www.anatel.gov.br/dados/destaque-1/283-brasil--tem-236-2-milhoes-de-linhas-moveis-em-janeiro--de-2018. Access in: 25 nov. 2019. https://doi.org/10.17771/pucrio.acad.8647

AOKI, K.; DOWNES. E.J. An analysis of young people´s use of and attitudes toward cell phones. Telematics and Informatitics, [S. l.], v. 20, p. 349-364, 2003. https://doi.org/10.1016/s0736-5853(03)00018-2

BOWEN, K.; PISTILLI, M. D. Student preferences for mobile app usage. Research Bulletin. EDUCAUSE Center for Applied Research, Louisville, 2012. Available from: http://www. educause. edu/ecar. Access in: 25 nov. 2019.

CASTELLS, M.; MAJER, R. V.; GERHARDT, K. B. A sociedade em rede. Lisbon: Fundação Calouste Gulbenkian, 2002.

CEVALLOS, M. del C. Jóvenes y celulares: las razones de su uso y abuso. Ciespal, 2009. Available from: http://www.ciespal.net/ciespal/images/docu/produccionacademica/Informe%20celulares.pdf. Access in: 25 nov. 2019.

COHEN, J. Statistical power analysis for the behavioral sciences. 2nd ed. Hillsdale: Lawrence Earlbaum Associates, 1988.

FARAGO, P. iOS and Android adoption explodes internationally. USA: Flurry,2012.

FISHER, S. America Calling: a social history of the telephone to 1940. Los Angeles: University of California Press, 1992.

FORTUNATI, L.; TAIPALE, S. The advanced use of mobile phones in five European countries. British Journal of Sociology, London, v. 65, p. 317-337, 2014. https://doi.org/10.1111/1468-4446.12075

LANSEN, A. Affective technologies – Emotions and mobile phones. Receiver, v. 11, 2004.

LÉVY, P. O que é o virtual. São Paulo: Editora, 34, 1996.

MUISE, D.; PAN, J.; REEVES, B. Content over Format: Modern Device Usage and a Realignment of the News Definition. C+J ’17, Evanston, Illinois, US, 2017.

PELLANDA, E. C.; PASE, A. F.; NUNES, A. C. B.; STRECK, M.; SOUZA, D.; FERREIRA, I. M. Comunicação e mobilidade: proposta de procedimento metodológico para o entendimento da audiência mobile através de um estudo de caso do Ubilab/PUCRS. Porto Alegre: PUCRS, 2018. https://doi.org/10.12804/revistas.urosario.edu.co/disertaciones/a.6072

PELLANDA, E. C. Internet móvel: novas relações na cibercultura derivadas da mobilidade na comunicação. PHD Thesis - Pontifical Catholic University of Rio Grande do Sul, PUCRS, Porto Alegre, RS, Brazil, 2005. https://doi.org/10.5783/rirp-9-2015-05-67-88

PRENSKY, M. Digital natives, digital immigrants part 1. On the horizon, [S. l.], v. 9, n. 5, p. 1-6, 2001.

RAINIE, L.; ZICKUHR, K. Americans’ views on mobile etiquette. Pew Research Center, v. 26, 2015.

STATCOUNTER GLOBAL STATS. Mobile Operating System Market Share Brazil, 2018a. Retrieved from: http://gs.statcounter.com/os-market-share/mobile/brazil/#monthly-201701-201712. Access in: 25 nov. 2019.

STATCOUNTER GLOBAL STATS. Mobile Operating System Market Share Portugal, 2018b. Retrieved from: http://gs.statcounter.com/os-market-share/mobile/portugal/#monthly-201701-201712. Access in: 25 nov. 2019.

SECOM, S. d. C. S. Pesquisa brasileira de mídia 2015: Hábitos de consumo de mídia pela população brasileira. Secom Brasília, 2014.

SECOM, S. D. C. S. Pesquisa brasileira de mídia 2016: hábitos de consumo de mídia pela população brasileira. Secom Brasília, 2015.

TURKLE, S. Stop googling. Let’s talk. New York Times, v. 27, 2015.

TURKLE, S. Alone together: Why we expect more from technology and less from each other. Hachette: Basic Books, 2017. https://doi.org/10.5613/rzs.41.3.7

WEI, Carolyn Y. Capturing Mobile Phone Usage: Research Methods for Mobile Studies. In: PROFESSIONAL COMMUNICATION CONFERENCE, Seattle, 2007. https://doi.org/10.1109/ipcc.2007.4464062

WELLMAN, B.; TINDALL, D. Reach out and touch some bodies: how social networks connect telephone networks. Progress in Communications Research, [S. l.], v. 13, p. 63-94, 1993.

Publicado
2020-05-29
Como Citar
Canavilhas, J., Pellanda, E., Piñeiro-Naval, V., & Nunes, A. C. B. (2020). Mobile phones in young people everyday life: case study with Portuguese and Brazilian students. Revista FAMECOS, 27, e35850. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2020.1.35850
Seção
Jornalismo