Trajetórias teórico-conceituais da Comunicação Organizacional

  • Cleusa Maria Andrade Scroferneker Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Comunicação, comunicação organizacional, teoria

Resumo

As diferentes perspectivas desenvolvidas pelos autores têm procurado evidenciar a relevância da comunicação organizacional para as organizações. O elo comum entre eles é a preocupação em conceituá-la e (re)definir o seu campo de abrangência. O presente artigo objetiva, portanto, resgatar essas diferentes perspectivas quer do ponto de vista das teorias, quer do ponto de vista dos autores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cleusa Maria Andrade Scroferneker, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Professora da Faculdade de Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Referências

BAUDRILLARD, Jean. O sistema dos objetos. São Paulo: Perspectiva, 1993.

BLIKSTEIN, Izidoro; ALVES, Mario Aquino e GOMES, Mauro Tapias. Nota técnica: os estudos organizacionais e a comunicação no Brasil. In: CLEGG, Stewart; R. HARDY, Cyntiae NORD, Walter R. (Org.) Handbook de estudos organizacionais. Ação e análise organizacionais. v. 3. São Paulo: Atlas, 2004.

CASALI, Adriana. Comunicação organizacional em fusões e aquisições internacionais. 2006. 202p. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção e Sistemas) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis: Santa Catarina, 2006.

DANIELS, Tom D.; SPIKER, Barry; PAPA, Michael. Perspectives on organizational communication. Dubuque: Brown & Benchmark Publishers, 1997.

EISENBERG, Eric M. e GOODALL, Jr. H.L. Organizational communication:balancing, creativity and constraint. 2. ed. New York: St Martin’s Press, 1997.

GOLDHABER, Gerald M. Comunicación organizacional. México: Editorial Diana, 1991.

HALL, Richard. Organizações: estrutura e processos. (Trad.. Wilma Ribeiro. 3. ed. Rio de Janeiro: Prentice-Hall do Brasil, 1984.

LITE, Marisa del Pozo. Cultura empresarial y comunicación interna: su influencia en la gestión estratégica. Madrid: Fragua Editorial, 1997.

KREPS, Gary L. Organizational communication: theory and pratice. 2. ed. New York: Longman, 1990.

KUNSCH, Margarida M. K. Planejamento de relações públicas na comunicação integrada. 4. ed. São Paulo: Summus, 2003.

______. Os campos científicos de relações públicas e comunicação organizacional: tendências e perspectivas. Comunicação e Sociedade, São Bernardo do Campo, v. 24, jan./jun. 2003.

MARCONDES FILHO, Cyro. Até que ponto, de fato, nos comunicamos? Uma reflexão sobre o processo de individuação e formação. São Paulo: Paulus, 2004.

PUTNAM, Linda; PHILLIPS, Nelson; CHAPMAN, Pamela. Metáforas da comunicação organizacional. In: CLEGG, Stewart R. HARDY, Cyntia e NORD, Walter R. (Org.) Handbook de estudos organizacionais. Ação e análise organizacionais. v. 3 São Paulo: Atlas, 2004.

RESTREPO, J. Mariluz, ANGULO, Jaime Rubio. Intervenir en la organizacion. Santafé de Bogotá: Significantes de Papel Ediciones, Serie: Comunicacion Organizacional, 1995.

RIEL, Cees. B. M. Principles of corporate communication. Hemel Hempstead, PrenticeHall, 1995.

RÜDIGER, Francisco. Introdução à teoria da comunicação. São Paulo: Edicon, 1998.

TORQUATO, Gaudêncio Tratado de comunicação organizacional e política. São Paulo: Pioneira Thompson Learning, 2002.

URIBE, Pablo Antonio Múnera e ZULUAGA, Uriel Hernando Sánchez. Comunicación empresarial. Una mirada coprorativa. Medellin: Colección Hermes, 2003.

WOLTON, Dominique. É preciso salvar a comunicação. São Paulo: Paulus, 2006.

Publicado
2008-04-14
Como Citar
Scroferneker, C. M. A. (2008). Trajetórias teórico-conceituais da Comunicação Organizacional. Revista FAMECOS, 13(31), 47-53. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2006.31.3392
Seção
Linguagem e comunicação