A grande arte: da transgressão do noir ao ilhar “de fora” na adaptação cinematográfica

Palavras-chave: Cinema brasileiro. Noir. Ficção de mainstream.

Resumo

O propósito deste artigo é avaliar a adaptação cinematográfica do romance A Grande Arte no filme lançado em 1991. Mobiliza o artigo o problema: o filme sinaliza um ponto de retificação de uma das marcas identitárias do cinema brasileiro ao comportar uma propositura audiovisual tecnicamente elevada que se afasta da tradição do “cinema pobre”. Uma vez que o romance de Rubem Fonseca realiza uma aclimatação transgressiva do noir em sua matriz norte-americana, que implicações possui o filme de Walter Salles, na trajetória de nosso cinema, ao aliar-se ao padrão do filme policial norte-americano em seu “padrão de qualidade”? Em termos metodológicos, o artigo é tomado por envergadura analítico-interpretativa ancorada em procedimentos de análise fílmica, aliados a contribuições a respeito do cinema noir e interpretações sobre a trajetória do cinema brasileiro. O artigo busca fornecer subsídios às discussões sobre relações interculturais no cerne dos gêneros da ficção midiática contemporânea.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Magalhães Bulhões, Universidade Estadual Paulista, Bauru (SP)

Livre-docente (Unesp) em Teoria Literária, Doutor em Literatura Brasileira (USP) e Mestre em Teoria Literária e Literatura Comparada (USP). Professor e pesquisador do Programa de Pós-graduação em Comunicação e do Curso de Graduação em Jornalismo da Unesp – FAAC. É autor dos livros A Ficção nas Mídias: um Curso sobre a Narrativa nos Meios Audiovisuais (Ática, 2009), Jornalismo e Literatura em Convergência (Ática, 2007), Leituras do Desejo: o Erotismo no Romance Naturalista Brasileiro (Edusp, 2003), Literatura em Campo Minado: a Metalinguagem em Graciliano Ramos e a Tradição Literária Brasileira (Annablume, 1999), A Carne – Júlio Ribeiro (Organizador); (Ateliê, 2002), Jornalismo, Literatura e Violência: a Escrita de João Antônio (UNESP/FAAC, 2005), além de diversos artigos em livros e revistas na área de Comunicação e Letras.

Referências

BALOGH, Anna Maria. Conjunções – disjunções – transmutações: da literatura ao cinema e à TV. São Paulo: Annablume, 2005.

BENTES, Ivana. The sertão and the favela in the contemporary Brazilian film. In: NAGIB, Lúcia (org.). O Cinema da retomada: depoimentos de 90 cineastas dos anos 90. São Paulo: 34, 2002.

BENTES, Ivana (org.). The new brazilian cinema. New York: I. B. Tauris/The Center for Brazilian Studies; University of Oxford, 2003.

BERNARDET, Jean-Claude. Brasil em tempo de cinema: ensaios sobre o cinema brasileiro de 1958 a 1966. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1967. https://doi.org/10.30962/ec.v19i3.1299

BLANCO, Carlos J. Gómez (coord.). Literatura y cine: perspectivas semióticas. Santiago de Compostela: Universidade da Coruña, 1997.

CAMERON, Ian. The book of film noir. New York: Continuum, 1993.

CAMPOS, Haroldo. Haroldo de Campos – Transcriação. São Paulo: Perspectiva, 2015.

GALVÃO, Walnice Nogueira. As musas sob assédio: literatura e indústria cultural no Brasil. São Paulo: Senac, 2005.

HIRSCH, Foster. The dark side of the screen: film noir. Londres: A. S. Barnes, 1981.

JAKOBSON, Roman. Aspectos linguísticos da tradução. In: JAKOBSON, Roman. Linguística e comunicação. São Paulo: Cultrix, 1969, p.63-72.

PLAZA, Julio. Tradução intersemiótica. São Paulo: Perspectiva, 2010.

SELBY, Spencer. Dark city, the film noir. Jeffersou: MacFarkaland, 1984.

SILVER, Alain; URSINI, James. The noir style. Woodstock: Overlook, 1999.

SILVERMAN, Malcolm. Protesto e o novo romance brasileiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

STAM, Robert. A literatura através do cinema: realismo, magia e a arte da adaptação. Belo Horizonte: UFMG, 2008.

STRECKER, Marcos. Na estrada: o cinema de Walter Salles. São Paulo: Publifolha, 2010.

VIDAL, Ariovaldo José. Roteiro para um narrador: uma leitura dos contos de Rubem Fonseca. Cotia: Ateliê, 2000.

Publicado
2019-12-27
Como Citar
Bulhões, M. M. (2019). A grande arte: da transgressão do noir ao ilhar “de fora” na adaptação cinematográfica. Revista FAMECOS, 26(3), e32451. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2019.3.32451
Seção
Cinema