Ecologia comunicacional da relação da criança com o entretenimento

  • Mirna Feitoza Pereira Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Palavras-chave: Criança, Recepção, Entretenimento

Resumo

Este texto analisa a interface da criança com o entretenimento, sobretudo com os games e desenhos animados, a partir da abordagem ecológica dos processos comunicacionais. Nesta proposta, as linguagens do entretenimento compõem uma rede informacional com a qual a criança se relaciona, por meio de processos comunicacionais, semióticos e cognitivos, adquirindo linguagem e pensamento. Nesse relacionamento, ela age como processadora de signos, de modo que a informação que entra (input) é diferente da informação que sai (output). Descrevendo a criança como receptora ativa, o texto problematiza o modelo clássico da comunicação, no qual o emissor determina a significação, e discute as abordagens que se pautam pelas relações de causa e efeito da mídia sobre a recepção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mirna Feitoza Pereira, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Doutoranda em Comunicação e Semiótica na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Referências

BALE, Lawrence S. Gregory Bateson, Cybernetics,

and The Social/Behavioral Sciences. Cybernetics & Human

Knowing. Aalborg, v.3, n.1, p. 27-45, 1995.

BATESON, Gregory. Forma, substancia y diferencia.

In: Pasos hacia una ecologia de la mente. Tradução Ramón

Alcaide. Buenos Aires: Carlos Lohlé-Luman, 1972.

DUPUY, Jean-Pierre. Nas Origens das Ciências

Cognitivas. Tradução de Roberto Leal Ferreira. São Paulo: Unesp, 1996.

PEREIRA, M F. RPG torna a aula uma

aventura. EducaRede. Disponível em: http://www.educarede.org.br/educa/html/index_

revista_prov.cfm?conteudo=especiais. Acesso em: 17 maio. 2002.

WIENER, Norbert. Cibernética e sociedade - O uso

humano dos seres humanos. São Paulo: Cultrix, 1950.

Publicado
2008-04-11
Como Citar
Pereira, M. F. (2008). Ecologia comunicacional da relação da criança com o entretenimento. Revista FAMECOS, 10(20), 81-88. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2003.20.3206
Seção
Mídia