Os processos de midiatização das religiões no Brasil e o ativismo político digital evangélico

Palavras-chave: Midiatização. Religião. Política.

Resumo

Resumo: este artigo dedica-se ao fenômeno da ampliação da ocupação de espaço pelos evangélicos na política nacional, com ênfase no lugar das mídias nesse processo. Destina-se atenção a um fenômeno em particular: a emergência do ativismo político evangélico. O objetivo é demonstrar como a midiatização das religiões, especificamente o processo que envolve a fé evangélica no Brasil, é potencializadora desse fenômeno, provocando o surgimento do ativismo político digital evangélico. O estudo é desenvolvido em perspectiva interdisciplinar com base em abordagens teóricas da comunicação (estudos sobre midiatização social) e das ciências da religião (evangélicos na política no Brasil) e em trabalhos da autora querelacionam mídia, religião e política. Resulta deste estudo a constatação de que o ativismo político digital evangélico emerge dos processos de midiatização vividos por esse segmento religioso no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Magali do Nascimento Cunha, Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, São Paulo, SP

Doutora em Ciências da Comunicação pela USP (2004). Coordenadora do Grupo de Pesquisa Comunicação e Religião da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (INTERCOM).

Referências

ARENDT, Hannah. A condição humana. 10. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

BERGER, Peter. A dessecularização do mundo: uma visão global. Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 9-23, 2001.

BRAGA, José Luiz. Circuitos versus campos sociais. In: MATTOS, M. A.; JANOTTI JUNIOR, J.; JACKS, N. (org.). Mediação & midiatização. Salvador: EDUFBA, 2012. p. 29-52. https://doi.org/10.7476/9788523212056

BURITY, Joanildo. Religião, cultura e espaço público: onde estamos na presente conjuntura? In: MEZZ OMO, Frank Antonio; PÁTARO, Cristina Satiê de Oliveira; HAHN, Fábio André (org.). Religião, Cultura e Espaço Público. São Paulo/Campo Mourão: Olho D’Água/Fecilcam, 2016. p. 13-50. https://doi.org/10.22456/1982-8136.61270

CUNHA, Magali do Nascimento. Do púlpito às mídias sociais. Evangélicos na política e ativismo digital. Curitiba: Prismas, 2017a.

CUNHA, Magali do Nascimento. Construções imaginárias sobre a categoria “gênero” no contexto do conservadorismo político-religioso no Brasil dos anos 2010. Perspectiva Teológica, Belo Horizonte, v. 49, n. 2, p. 253-276, maio-ago., 2017b. https://doi.org/10.20911/21768757v49n2p253/2017

CUNHA, Magali do Nascimento. Quem tem moral entre os evangélicos? Observatório da Imprensa, n. 848, 28 abr. 2015. Disponível em: http://observatoriodaimprensa.com.br/tv-em-questao/quem-tem-moral-entre-os-evangelicos/. https://doi.org/10.5151/despro-ped2016-0153

CUNHA, Magali do Nascimento. A Explosão Gospel. Um olhar das ciências humanas sobre o cenário evangélico contemporâneo. Rio de Janeiro: Mauad, 2007. https://doi.org/10.11606/t.27.2004.tde-29062007-153429

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ASSESSORIA PARLAMENTAR (DIAP). Radiografia do Novo Congresso: Legislatura 2015-2019. Brasília: DIAP, 2014. (Estudos Políticos do DIAP).

FAUSTO NETO, Antônio. A circulação além das bordas. In: FAUSTO NETO, Antonio; VALDETTARO, Sandra (org.). Mediatización, Sociedad y Sentido: diálogos entre Brasil y Argentina. Rosario: Departamento de Ciências de la Comunicación, Universidad Nacional de Rosario, 2010. p. 2-15. Disponível em: http://www.fcpolit.unr.edu.ar/wpcontent/uploads/Mediatizaci%C3%B3n-sociedad-y-sentido.pdf. https://doi.org/10.21475/poj.10.04.17.pne831

FAUSTO NETO, Antônio. Processos midiáticos e construção das novas religiosidades: dimensões discursivas. Galáxia, São Paulo, v. 2, n. 3, p. 151-164, 2002.

FIGUEIREDO FILH O, V. Coronelismo eletrônico evangélico. Rio de Janeiro: Publ!T Soluções Editoriais, 2010.

GOMES, Wilson. Dinâmicas e estruturas da esfera pública contemporânea: a esfera pública além da deliberação pública. In: SOUSA, Mauro Wilton; CORRÊA, Elizabeth Saad (org.). Mutações no espaço público contemporâneo. São Paulo: Paulus, 2014. p. 177-214. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2010.3.8194

GOMES, Wilson. Internet e participação política em sociedades democráticas. Famecos, n. 27, p. 51-78, ago. 2005. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistafamecos/article/viewFile/3323/2581. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2005.27.3323

KARHAWI, Issaaf. Influenciadores digitais: conceitos e práticas em discussão. Communicare, São Paulo, v. 17, n. 12, p. 46-61, 2 set. 2017. Disponível em: https://casperlibero.edu.br/wp-content/uploads/2017/09/Artigo-1-Communicare-17-Edi%C3%A7%C3%A3o-Especial.pdf.

HABERMAS, Jürgen. Mudança estrutural da esfera pública. Rio de Janeiro: Biblioteca Tempo Universitário, 1984.

HOOVER, Stewart. Mídia e religião: premissas e implicações para os campos acadêmico e midiático. Comunicação & Sociedade, São Paulo, v. 35, n. 2, p. 41-68, 2014. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/CSO/article/viewArticle/4906. Acesso em: 20 jun. 2016. https://doi.org/10.15603/2175-7755/cs.v35n2p41-68

LIBÂNIO, João Batista. A religião no início do milênio. São Paulo: Loyola, 2002.

LIMA, Venício. Revisitando as sete teses sobre mídia e política no Brasil. Comunicação & Sociedade, São Paulo, n. 51, p. 13-37, jan./jun. 2009. https://doi.org/10.15603/2175-7755/cs.v30n51p13-37

SANTOS, Boaventura de Sousa. Se Deus fosse um ativista dos direitos humanos. São Paulo: Cortez, 2013. https://doi.org/10.5752/horizonte.v13i40.9196

SILV ERSTONE, Roger. La moral de los medios de comunicación: sobre el nacimiento de la polis de los medios. Madri: Amorrortu Editores, 2010. https://doi.org/10.2307/j.ctv6jmwt2.8

Publicado
2019-08-19
Como Citar
Cunha, M. do N. (2019). Os processos de midiatização das religiões no Brasil e o ativismo político digital evangélico. Revista FAMECOS, 26(1), e30691. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2019.1.30691
Seção
Mídia e Cultura