Estereoscopia e o uso do conceito ilusão nas teorias do cinema

  • Helio Augusto Godoy de Souza Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Faculdade de Artes, Letras e Comunicação Curso de Jornalismo Programa de Mestrado em Comunicação http://orcid.org/0000-0001-6055-3270
Palavras-chave: Filme 3D. Estereoscopia. Ilusão.

Resumo

o artigo trata da imagem estereoscópica cinematográfica e fotográfica. Esse tipo de imagem se caracteriza por sua configuração no espaço fora da tela. Nessas imagens, a visão em profundidade tem sido explicada como efeito de uma ilusão. Apresenta-se aqui uma investigação a respeito das origens ilusionistas dessa explicação nas teorias do cinema; e para isso se descreve e desenvolve a argumentação utilizada por Nöel Carroll em Mystifying Movies (1988).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Helio Augusto Godoy de Souza, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Faculdade de Artes, Letras e Comunicação Curso de Jornalismo Programa de Mestrado em Comunicação
Hélio Augusto Godoy de Souza É Professor e Pesquisador do Curso de Jornalismo e do Mestrado em Comunicação da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Desenvolve pesquisa sobre Tecnologia e Linguagem dos Filmes digitais 3D Estereoscópicos. Doutor em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; Mestre em Cinema pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo; Graduado em Ciências Biológicas pelo Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo. É realizador cinematográfico, tendo produzido documentários sobre cutura e meio ambiente, dentre os quais: Cubatão Meu Amor (1991); Piraputanga (1993); Bacia do Córrego Bandeira (1994); Arqueologia do Gasoduto Bolívia Brasil (2001); Projeto Corumbá (2004); A Poeira (2007); Arqueologia de Mato Grosso do Sul (2008); O Lago 3D (2009); Hydrochoeruspaedia 3D (2012). É autor do livro Documentário, Realidade e Semiose: os sistemas audiovisuais como fontes de conhecimento (AnnaBlume 2001; Novas Edições Acadêmicas 2017).

Referências

ANDERSON, J. D. The Reality of Illusion: an ecological approach to cognitive film theory. Carbondale: Southern Illinois University Press, 1998.

ANDREW, J. Dudley. As principais Teorias do Cinema, uma introdução. Rio de Janeiro: Zahar, 1989.

BAUDRY, Jean Louis. Cinema: efeitos ideológicos produzidos pelo aparelho de base. In: Xavier, Ismail (org.). A experiência do cinema. Rio de Janeiro: Graal: Embrafilme, 1983. p. 381-399.

BAZIN, A. A ontologia da imagem fotográfica. In: Bazin, A. O Cinema: ensaios. São Paulo: Brasiliense, 1991.

BORDWELL, David. Estudos de cinema hoje e as vicissitudes da grande teoria. In: RAMOS, Fernão (org.). Teoria Contemporânea do Cinema, pós-estruturalismo e filosofia analítica. São Paulo: Senac, 2005. p. 25-70.

BORDWELL, D. & CARROLL, N. Post-Theory: Reconstructing Film Studies. Madison: University of Wisconsin Press, 1996.

CARROLL, Nöel. Mystifying Movies: fads & fallacies in contemporary film theory. Nova Iorque: Columbia University Press, 1988.

https://doi.org/10.7312/carr92070

COSTA, Flavia Cesarino. O primeiro Cinema, espetáculo, narração, domesticação. Rio de Janeiro: Azougue, 2005. GREGORY, R. L. Eye and Brain, the psychology of seeing. 5. ed. Princeton: Princeton Un. Press, 1997.

GIBSON, James J. The Ecological Approach to Visual Perception. New York: Psychology Press: Taylor & Francis Group, 1986.

ILUSÃO. In: Dicionário de Sinônimos e Antônimos. Porto: Porto Editora: Intangible Press, 2017, edição Kindle, posição 39036.

ISBN 978-1-62053-159-4.

MARNER, Terence St. John. A direção cinematográfica. Lisboa: Martins Fontes, [1980?].

METZ, Christian. A respeito da impressão de realidade no cinema. In: METZ, C. Significação no Cinema. São Paulo: Perspectiva, 2004.

PALMER, S. Vision Science: From Photons to Phenomenology. Cambridge: Massachusetts, MIT Press, 1999.

PERDIDO em Marte. Direção: Ridley Scott. Los Angeles: Twentieth Century Fox, 2015. Digital (2h 24min), som., color.

RAMOS, Fernão (org.). Teoria Contemporânea do Cinema, pós-estruturalismo e filosofia analítica. São Paulo: Ed.SENAC, 2005. v. 1.

SANTOS, M. F. Dicionário de Filosofia e Ciências Culturais. 2. ed. São Paulo: Matese, 1964.

SMITH, Murray. The Logic and Legacy of Brechtianism. In: BORDWELL, D.; CARROLL, N. (ed.). Post-theory, reconstructing film studies. Madison: The University of Wisconsin Press, 1996.

SOUZA, H. A. G. Documentário, Realidade e Semiose, os sistemas audiovisuais como fontes de conhecimento. Saarbrücken-Alemanha, Novas Edições Acadêmicas, 2017.

XAVIER, Ismail (org.). A experiência do cinema. Rio de Janeiro: Graal: Embrafilme, 1983.

ZUBIRI, Xavier. Inteligência e Logos. São Paulo: É Editora, 2011.

ZUBIRI, Xavier. Inteligência e Razão. São Paulo: É Editora, 2011.

ZUBIRI, Xavier. Inteligência e Realidade. São Paulo: É Editora, 2011.

Publicado
2019-08-05
Como Citar
Godoy de Souza, H. A. (2019). Estereoscopia e o uso do conceito ilusão nas teorias do cinema. Revista FAMECOS, 26(1), e30644. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2019.1.30644
Seção
Cinema