A (não) cobertura dos riscos ambientais: debate sobre silenciamentos do jornalismo

  • Eloisa Beling Loose Professora do curso de Jornalismo do Centro Universitário Internacional (Uninter).
  • Ângela Camana Doutoranda em Sociologia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Roberto Villar Belmonte Professor de jornalismo ambiental no Centro Universitário Ritter dos Reis - UniRitter e doutorando do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
Palavras-chave: Jornalismo, Riscos ambientais, Silenciamentos

Resumo

Este artigo propõe um debate a respeito do papel do jornalismo no que tange dar visibilidade aos riscos ambientais, ainda que se saiba das dificuldades encontradas na cultura jornalística a respeito do tratamento preventivo dos assuntos. A partir da perspectiva da percepção de riscos, reforça-se a ideia de que o jornalismo participa como um dos fatores que podem gerar ação frente às questões ambientais em razão de seu poder amplificador ou, pelo contrário, contribuir para a não compreensão dos riscos, quando os ignora. Após revisão de literatura e discussão a partir de casos de cobertura sobre riscos ambientais, verifica-se que há muitos silenciamentos no jornalismo. Dentre as considerações, aponta-se que os próprios valores que guiam a construção da notícia impedem a emergência de um jornalismo comprometido com a percepção dos riscos, fato este que – por sua vez – dificulta o enfrentamento dos mesmos. Logo, argumenta-se que as mudanças da sociedade devem implicar também em transformações das lógicas jornalísticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eloisa Beling Loose, Professora do curso de Jornalismo do Centro Universitário Internacional (Uninter).
Jornalista formada pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), mestre em Comunicação e Informação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e doutora em Meio Ambiente e Desenvolvimento pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Integra o Grupo de Pesquisa em Jornalismo Ambiental (http://jornalismoemeioambiente.com).
Ângela Camana, Doutoranda em Sociologia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Doutoranda em Sociologia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Mestra em Comunicação e Informação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2015) e graduada em Comunicação Social – Jornalismo pela mesma universidade (2012). Atualmente, cursa também o bacharelado em Ciências Sociais na UFRGS. É membro dos grupos de pesquisa TEMAS - Tecnologia, Meio Ambiente e Sociedade (http://www.ufrgs.br/temas/) e Grupo de Pesquisa em Jornalismo Ambiental (http://jornalismoemeioambiente.com). 
Roberto Villar Belmonte, Professor de jornalismo ambiental no Centro Universitário Ritter dos Reis - UniRitter e doutorando do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
Professor de jornalismo ambiental no Centro Universitário Ritter dos Reis - UniRitter e doutorando do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Integrante do Grupo de Pesquisa Jornalismo Ambiental (CNPq/UFRGS).

Referências

ALSINA, Miquel Rodrigo. A construção da notícia. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

AMARAL, Márcia Franz. Os testemunhos de catástrofes nas revistas brasileiras: do medo individual à paternização midiática. Contracampo, v. 26, p. 71-86, 2013.

BARROS FILHO, Clóvis de. Ética na comunicação. 6. ed. São Paulo: Summus, 2008.

BECK, Ulrich. Sociedade de risco: rumo a uma outra modernidade. São Paulo: Editora 34, 2010.

BELMONTE, Roberto Villar. A construção do discurso da economia verde na revista Página 22. 2015. 179 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Informação) – Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, UFRGS, Porto Alegre, 2015.

BELTRÃO, Luiz. Iniciação à Filosofia do Jornalismo. São Paulo: Edusp, 1992.

BENETTI, Marcia. O jornalismo como acontecimento. In: ______; FONSECA, Virginia Pradelina da Silveira (Org.). Jornalismo e acontecimento: mapeamentos críticos. Florianópolis: Insular, 2010. p.143-164.

______. Revista e jornalismo: conceitos e particularidades. In: TAVARES, Frederico de Mello Brandão; SCHWAAB, Reges. (Org.). A revista e seu jornalismo. Porto Alegre: Penso, 2013. p. 44-57.

CAMANA, Ângela. Discursos sobre a Revolução Biotecnológica: Sentido e memória em textos da Globo Rural. 2015. 168 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Informação) – Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, UFRGS, Porto Alegre, 2015.

CELULOSE Riograndense é parceira na preservação da história do povo gaúcho e brasileiro. CELULOSE RIOGRANDENSE. 2015. Disponível em: http://www.celuloseriograndense.com.br/noticias/celulose-riograndense-e-parceira-na-preservacao-da-historia-do-povo-gaucho-e-brasileiro. Acesso em: 20 de maio de 2017.

CORNU, Daniel. Jornalismo e verdade: para uma ética da informação. Lisboa: Instituto Piaget, 1999.

DOUGLAS, Mary; WILDAVSKY, Aaron. Risco e cultura: um ensaio sobre a seleção de riscos tecnológicos e ambientais. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

FEITOSA, Sara Alves; ALVES, Giseli Pereira. Os enquadramentos de uma cobertura: tragédia de Mariana. Vozes e Diálogo, v. 16, p. 5-18, 2017.

FERMENT, Gilles. Análise de risco das plantas transgênicas: princípio da precaução ou precipitação? In: ZANONI, Magda; FERMENT, Gilles. Transgênicos para quem?: Agricultura, Ciência e Sociedade. Brasília: MDA, 2011. p. 93-138.

FRANÇA, Vera. O acontecimento e a mídia. Galaxia, São Paulo, n. 24, p. 10-21, dez. 2012. Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index.php/galaxia/article/view/12939. Acesso em: 25 jul. 2016.

GARCIA, Ricardo. Sobre a terra: um guia para quem lê e escreve sobre ambiente. Lisboa: Público, 2006.

GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. São Paulo: Editora Unesp, 1991.

GUIVANT, Julia. Contribuições da Sociologia Ambiental para os debates sobre desenvolvimento rural sustentável e participativo. Estudos Sociedade e Agricultura, n. 19, p. 72-88, out. 2002.

INGLEHART, Ronald. Public support for environmental protection: objective problems and subjective values in 43 societies. Political Science & Politics, v. 28, n. 1, p. 57-72, 1995. https://doi.org/10.1017/S1049096500056080

KASPERSON, Roger E.; RENN, Ortwin; SLOVIC, Paul; BROWN, Halina S.; EMEL, Jacque; GOBLE, Robert; KASPERSON, Jeanne X.; RATICK, Samuel. The social amplification of risk: a conceptual framework. Risk Analysis, v. 8, n. 2, p. 177-187, 1988.

KITZINGER, Jenny; REILLY, Jacquie. Ascensão e queda de notícias de risco. Coimbra: Edições Minerva Coimbra, 2002.

LIMA, Maria Luísa Pedroso de. Factores sociais na percepção de risco. Revista da Associação Portuguesa de Psicologia, v.12, n. 1, p. 11-28, 1998.

______. Percepção de Riscos Ambientais. In: SOCZKA, Luis (Org.). Contextos humanos e psicologia ambiental. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2005. p.203-245.

LOOSE, Eloisa Beling. Riscos climáticos no circuito da cobertura local: percepção, comunicação e governança. 2016. 455 f. Tese (Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento). Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento, UFPR, Curitiba, 2016.

LOOSE, Eloisa Beling; CAMANA, Ângela. Reflexões sobre o papel do Jornalismo Ambiental diante dos riscos da sociedade contemporânea. Observatorio (OBS*) Journal, v. 9, n. 2, p. 119-132, 2015.

MEDITSCH, Eduardo. Jornalismo e construção social do acontecimento. In: BENETTI, Marcia; FONSENCA, Virginia Pradelina da Silveira (Org.). Jornalismo e acontecimento: mapeamento críticos. Florianópolis: Insular, 2010. p. 19-42.

MCCOMBS, Maxwell. A teoria da agenda: a mídia e a opinião pública. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

MELO, Itamar. Fábrica de Guaíba preocupa ambientalistas e moradores. Zero Hora. 2015. Disponível em: http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticia/2015/07/fabrica-de-guaiba-preocupa-ambientalistas-e-moradores-4808922.html. Acesso em: 20 maio 2017.

QUÉRÉ, Louis. Entre facto e sentido: a dualidade do acontecimento. Trajectos. Revista de Comunicação, Cultura e Educação, Lisboa, n. 6, p. 59-75, 2005.

ROTONDARO, Tatiana Gomes. Diálogos entre Bruno Latour e Ulrich Beck: Convergências e divergências. Civitas, v. 12, n. 1, p. 145-160, jan./abr. 2012.

SILVA, Gislene. Para pensar critérios de noticiabilidade. In: SILVA, Gislene; SILVA, Marcos Paulo da; FERNANDES, Mario Luiz (orgs.). Critérios de noticiabilidade: problemas conceituais e aplicações. Florianópolis: Insular, 2014. p.51-69.

SLOVIC, Paul; FINUCANE, Melissa L.; PETERS, Ellen; MACGREGOR, Donald G. Risk as Analysis and Risk as Feelings: Some Thoughts about Affect, Reason, Risk, and Rationality. RiskAnalysis, v. 24, n. 2, p. 311-322, 2004. https://doi.org/10.1111/j.0272-4332.2004.00433.x

TRAQUINA, Nelson. Jornalismo. Lisboa: Quimera, 2002.

______. Teorias do jornalismo: porque as notícias são como são. V.1. 2. ed. Florianópolis: Insular, 2005.

VEYRET, Yvette. Os riscos: o homem como agressor e vítima do meio ambiente. São Paulo: Contexto, 2007.

WAHLBERG, Anders; SJOBERG, Lennart. Risk perception and the media. Journal of Risk Research, v. 3, n. 1, p. 31-50, 2000. https://doi.org/10.1080/136698700376699

Publicado
2017-08-01
Como Citar
Beling Loose, E., Camana, Ângela, & Villar Belmonte, R. (2017). A (não) cobertura dos riscos ambientais: debate sobre silenciamentos do jornalismo. Revista FAMECOS, 24(3), ID26545. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2017.3.26545
Seção
Jornalismo