Modos narrativos de fazer mundos: jornalismo, ficção e verdade

Palavras-chave: Jornalismo, narrativa, relativismo

Resumo

Os autores que avançaram a noção construtivista da notícia como uma narrativa permaneceram presos ao paradigma do jornalismo como espelho da realidade. A alternativa aqui proposta consiste em radicalizar a perspectiva do jornalismo como atividade poética de criação de mundos. Para tanto, será preciso abandonar o mito da objetividade e solapar a primazia da noção de verdade como correspondência com a realidade, sem contudo cair no relativismo. Trata-se de deslocar o critério empregado para decidir sobre a validade do discurso jornalístico: não mais o objetivismo que insiste na fidelidade aos “fatos” tais como supostamente ocorreram, mas uma hermenêutica atenta à fertilidade das perspectivas que as narrativas jornalísticas trazem à esfera pública.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Claudio Engelke Menezes Teixeira, Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ).
Graduado em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Mestre e Doutor em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Atualmente realiza pós-doutorado CAPES/PNPD no Departamento de Ciência Política da Universidade Estadual do Rio de Janeiro.

Referências

ALBUQUERQUE, Afonso; LYCARIÃO, Diógenes e MAGALHÃES, Eleonora. Jornalismo parcial feito para vender: a decadência do padrão “catch-all” pelas leis do mercado. Artigo apresentado no VII Congresso da Compolítica. Rio de Janeiro, PUC, 2015.

AUSTIN, John L. Quando dizer é fazer. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.

BOUDANA, Sandrine. A definition of journalistic objectivity as a performance. Media, Culture & Society. United States: New York, v. 33, n. 3, p. 385-398, April 2011.

BOURDIEU, Pierre. Sobre a televisão. Rio de Janeiro: Zahar, 1997.

BREED, Warren. Controlo social na redação: uma análise funcional. In: TRAQUINA, Nelson (org.). Jornalismo: Questões, Teorias e “estórias”. Portugal: Vega, p.152-166, 1999.

BIRD, Elizabeth e DARDENNE, Robert. Mito, Registo e Estórias: Explorando as Qualidades Narrativas das Notícias. In: TRAQUINA, Nelson (org.). Jornalismo: Questões, Teorias e “estórias”. Portugal: Vega, p. 263-277, 1999.

CALCUTT, Andrew e HAMMOND, Philip. Journalism Studies – A Critical Introduction. London/New York: Routledge, 2011.

CHOMSKI, Noam. Controle da Mídia. Os espetaculares feitos da propaganda. Rio de Janeiro: Graphia, 2003.

COELHO, Marcelo. Fatos, argumentos, versões: a política da notícia. In: NOVAES, Adauto (org.) O esquecimento da política. Rio de Janeiro: Agir, p. 335-354, 2007.

DEUZE, Mark. What is journalism? Journalism. England: London, v. 6, n. 4, p. 442-464, 2005.

DURHAM, Meenakshi Gigi. On the relevance of standpoint epistemology to the practice of journalism: the case for “Strong objectivity”. Communication Theory, v. 8, n. 2, p. 117-140, May 1998.

EAGLETON, Terry. A ideologia e suas vicissitudes no marxismo ocidental. In: ZIZEK, Slavoj (org.). Um Mapa da Ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto, p. 179-226, 1996.

FISH, Stanley. Is there a text in this class? The authority of interpretative communities. United States: Cambridge, MA Cambridge, MA, Harvard University Press, 1980.

GANS, H. Deciding what’s news. A study of CBS evening News, Newsweek and Time. New York: Pantheon, 1979.

GEERTZ, Clifford. Nova Luz sobre a Antropologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

GOODMAN, Nelson. Modos de Fazer Mundos. Portugal: Edições ASA,1995.

HABERMAS, Jürgen. Direito e Democracia. Entre facticidade e validade. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997.

HUTCHEON, Linda. Poética do pós-modernismo: história, teoria, ficção. Rio de Janeiro: Imago, 1991.

KUYPERS, Jim A. Framing analysis from a rethorical perspective. In: D’ANGELO, Paul e KUYPERS, Jim A (eds.) Doing News Framing Analysis. New York/London: Routledge, p. 286-311, 2010.

LICHTENBERG, Judith. In Defense of Objectivity. In: CURRAN, James e GUREVITCH, Michael (eds.). Mass Media and Society. London: Arnold, p. 225-242, 1991.

MCCOMBS, Maxwell. Setting the Agenda. The mass media and public opinion. United Kingdom: Polity Press, 2004.

MIGUEL, Luis Felipe. Quanto vale uma valência? (o paper proibidão). Paper apresentado no VII Congresso da Compolítica. Rio de Janeiro, PUC, 2015.

MOTTA, Luiz Gonzaga. Jornalismo e configuração narrativa da história do presente. Contracampo, Universidade Federal Fluminense, n. 12, p. 23-50, 2005a.

______. A Análise Pragmática da Narrativa Jornalística. 28 Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. São Paulo: Intercom, 2005b. Disponível em: <http://www.portcom.intercom.org.br/navegacaoDetalhe.php?id=43427>. Acesso em: 2 fev. 2015.

______. The opposition between mediacentric and sociocentric paradigms. Brazilian Journalism Research, v. 1, n. 1, p. 61-86, 2005c.

MOULLIAUD, Maurice. A informação ou a parte da sombra. In: MOULLIAUD, Maurice e PORTO, Sergio Dayrell (orgs.). O Jornal: da forma ao sentido. Brasília: Editora Universidade de Brasília, p. 55-65, 2012.

OGNIANOVA, E. E ENDERSBY, J. Objectivity revisited: a spatial model of political ideology and mass communication. Journalism and Mass Communication Monographs, 159 (October), 1996.

PATTERSON, Thomas E. Out of order. New York: Vintage Books, 1993.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível. Estética e Política. São Paulo: Editora 34, 2009.

RODRIGUES, Adriano Duarte. Delimitação, natureza e funções do discurso midiático. In: MOULLIAUD, Maurice e PORTO, Sergio Dayrell (orgs.). O Jornal: da forma ao sentido. Brasília: Editora Universidade de Brasília, p. 227-242, 2012.

RORTY, Richard. Contingência, Ironia e Solidariedade. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

______. A filosofia e o espelho da natureza. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994.

SANCHEZ, J. F. El periodista como contador de histórias. Estudos de Periodística. Madrid: Universidad Complutense,1992.

SCHUDSON, Michael. A política da forma narrativa: a emergência de convenções noticiosas na imprensa e na televisão. In: TRAQUINA, Nelson (org.). Jornalismo: Questões, Teorias e “estórias”. Portugal: Vega, p. 294-305, 1999.

SEARL, John. Mente, Linguagem e Sociedade. Filosofia no mundo real. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

SEIDENGLANZ, Rene e SPONHOLZ, Liriam. Objetividade e credibilidade midiática. Considerações sobre uma suposta relação. Revista de Comunicação e Cultura. Bahia: Salvador, n. 6, v. 2, p. 1-24, 2008.

SELLARS, Wilfrid. Empirismo e Filosofia da Mente. Rio de Janeiro: Vozes, 2008.

SILVA, Luiz Martins. Imprensa, discurso e interatividade. In: MOULLIAUD, Maurice e PORTO, Sergio Dayrell (orgs.). O Jornal: da forma ao sentido. Brasília: Editora Universidade de Brasília, p. 341-358, 2012.

TRAQUINA, Nelson. Teorias do Jornalismo. Volume 1. Porque as notícias são como são. Florianópolis: Editora Insular, 2012.

TUCHMAN, Gaye. Contando Histórias. In: TRAQUINA, Nelson (org.). Jornalismo: Questões, Teorias e “estórias”. Portugal: Vega, p. 258-262, 1999.

______. Objectivity as Strategic Ritual: An Examination of News- men’s Notions of Objectivity. American Journal of Sociology, v. 77, n. 4, p. 660–679, 1972.

VEYNE, Paul. Comment on écrit l’histoire. Paris: Seuil, 1971.

WHITE, David M. O Gatekeeper: uma análise de casos na seleção de notícias. In: TRAQUINA, Nelson (org.). Jornalismo: Questões, Teorias e “estórias”. Portugal: Vega, 1999.

WHITE, Hayden. Meta-História. A imaginação histórica do século XIX. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

______. O valor da narrativa na representação da realidade. In: Caderno de Letras. Universidade Federal Fluminense, n. 3, p. 5-33, s/d/p.

______. Trópicos do Discurso. Ensaios Sobre a Crítica da Cultura. São Paulo: EDUSP, 2001.

WOLF, Mauro. Teorias da comunicação de massa. São Paulo: Presença, 1990.

Publicado
2016-07-07
Como Citar
Teixeira, A. C. E. M. (2016). Modos narrativos de fazer mundos: jornalismo, ficção e verdade. Revista FAMECOS, 23(3), ID23047. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2016.3.23047
Seção
Jornalismo