Estudos de gênero na pesquisa em jornalismo no Brasil: uma tênue relação

  • Monica Martinez Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura da Universidade de Sorocaba (Uniso) http://orcid.org/0000-0003-1518-8379
  • Cláudia Lago Universidade de São Paulo
  • Mara Coelho de Souza Lago Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
Palavras-chave: Estudos de gênero, Mulheres, Pesquisa em jornalismo

Resumo

Este artigo investiga a relação entre os estudos de gênero e a pesquisa em Jornalismo no Brasil. A análise está centrada nos trabalhos apresentados desde o primeiro encontro anual da Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJor), em 2003, até 2014, que foram rastreados pela palavras-chave "gênero". Como método, emprega a análise de conteúdo (Bardin, 2011), sendo que as categorias analisadas foram a) referencial teórico sobre relações de gênero; b) perfil do pesquisador. O corpus consiste em cinco pesquisas identificadas no banco de dados da associação no período de 2010-2014. Notamos, portanto, uma presença emergente de pesquisas que, contudo, até o presente ainda não dialogam com a sólida tradição dos estudos de gênero no país em outras áreas do conhecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Monica Martinez, Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura da Universidade de Sorocaba (Uniso)
Monica Martinez é doutora em Ciências da Comunicação pela ECA-USP, tem pós-doutorado pela UMESP e estágio de pesquisa junto ao departamento de Radio, Televisão e Cinema da Universidade do Texas. É docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura da Universidade de Sorocaba (Uniso), onde é colíder do Grupo de Pesquisa em Narrativas Midiáticas (NAMI). ɠdiretora científica da Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJor) gestão 2015-17. 
Cláudia Lago, Universidade de São Paulo
Professora da Escola de Comunicações e Artes no departamento CCA, curso Licenciatura em Educomunicação, da Universidade de São Paulo. É vice-chair da Journalism Research and Education (JRE) of IAMCR e presidente da Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJor) gestão 2015-17. 
Mara Coelho de Souza Lago, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
Professora titular aposentada da Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, atuando como docente voluntária no Programa de Pós-Graduação em Psicologia - PPGP e no Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas - PPGICH. Participa da coordenação do Instituto de Estudos de Gênero - IEG/UFSC. Participa da coordenação editorial da Revista Estudos Feministas.

Referências

ABREU, A. A. DE. Elas ocupam as redações. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

ASSIS, C. S. DE; SOARES, R. P. DE A. Mídia, política e gênero: as mulheres políticas no noticiário. In: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISADORES EM JORNALISMO, 2011, Brasília. Anais... Brasília: SBPJor, 2011. Disponível em: http://sbpjor.kamotini.kinghost.net/sbpjor/resumod.php?id=1018. Acesso em: 8 jul. 2015.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BIROLI, F. Gênero e política no noticiário das revistas semanais brasileiras: ausências e estereótipos. Cadernos Pagu, n. 34, p. 269–299, 2010.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasi, 2002.

BUITONI, D. H. S. Mulher de papel: a representação da mulher pela imprensa feminina brasileira. São Paulo: Loyola, 1981.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

HABERMAS, J. Mudanca estrutural da esfera publica: investigações quanto a uma categoria da sociedade burguesa. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984.

HEILBORN, M. L.; SORJ, B. Estudos de gênero no Brasil. In: MICELI, S. (Ed.). O que ler na Ciência Social Brasileira. São Paulo/Brasília: Sumaré/Anpocs/Capes, 1999.

JORGE, T. DE M. et al. Mulheres no comando de redações: questões sobre a influência das mulheres jornalistas no processo de seleção de notícias. In: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISADORES EM JORNALISMO, 2014, Brasília. Anais...Brasília: SBPJor, 2014. Disponível em: http://sbpjor.kamotini.kinghost.net/sbpjor/resumod.php?id=1558 Acesso em: 8 jul. 2015.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

MACHADO, L. Z. Feminismo, academia e interdisciplinaridade. In: COSTA, A. DE O.; BRUSCHINI, M. C. A. (Eds.). . Uma questão de gênero. São Paulo: Rosa dos Tempos/Fundação Carlos Chagas, 1992.

MARTINEZ, M. Mapeamento da influência de Walter Benjamin nas pesquisas da SBPJor (2003-2012). In: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISADORES EM JORNALISMO, 2013, Brasília. Anais...Brasília: SBPJor, 2013. Disponível em: http://sbpjor.kamotini.kinghost.net/sbpjor/resumod.php?id=1699 Acesso em: 8 jul. 2015.

MARTINEZ, M.; PESSONI, A. O uso da análise de conteúdo na Intercom: pesquisas feitas com o método (1996 a 2012). In: JORGE, T. DE M. J. (Org.). Notícia em fragmentos: o desafio de aplicar a análise de conteúdo ao jornalismo digital. Brasília: Insular, 2015, p. 299-319.

MATOS, M. I. S. DE. Da invisibilidade ao gênero: percursos e possibilidades nas Ciências Sociais Contemporâneas. Margem, n. 15, p. 237–252, 2002.

MEAD, M. Sexo e temperamento. São Paulo: Perspectiva, 1988.

MELO, J. M. DE. Jornalismo Brasileiro. Porto Alegre: Sulina, 2003.

MELO, J. M. DE; LAURINDO, R.; ASSIS, F. DE. Gêneros jornalísticos: teoria e práxis. Blumenau: Edifurb, 2012.

MESQUITA, J. P. DE; LOPES, P. F. DE C. Mulheres, política e família: a produção de sentidos pelos jornais impressos de Teresina. In; ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISADORES EM JORNALISMO, 2013, Brasília. Anais...Brasília: SBPJor, 2013. Disponível em: http://soac.unb.br/index.php/ENPJor/XIENPJOR/paper/view/2505/474 Acesso em: 8 jul. 2015.

MICK, J.; LIMA, S. Perfil do jornalista brasileiro: características demográficas, políticas e do trabalho jornalístico em 2012. Florianópolis: Insular, 2013.

MIGUEL, L. F.; BIROLI, F. Caleidoscópio convexo. 1. ed. São Paulo: Unesp, 2011.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 2007.

PROVENZANO, B. A. Fórum Feminino Debates: as mulheres no comando de um programa esportivo no rádio. In: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISADORES EM JORNALISMO, 2010, Brasília. Anais...Brasília: SBPJor, 2010. Disponível em: http://sbpjor.kamotini.kinghost.net/sbpjor/admjor/arquivos/9encontro/CL_27.pdf Acesso em: 8 jul. 2015.

ROSALDO, M. O uso e o abuso da antropologia: reflexões sobre o feminismo e o entendimento intercultural. Revista Horizontes Antropológicos, v. 1, n. 1, 1995.

RUBIN, G. Thinking sex: notes for a radical theory of the politics of sexuality. In: ABELOVE, H.; BARALE, M.; HALPERIN, D. (Eds.). The Lesbian and Gay Studies Reader. New York: Routledge, 1993.

SAFFIOTI, H. I. B. Pósfácio: conceituando o gênero. In: SAFFIOTI, H.; MUÑOZ-VARGAS, M. (Eds.). Mulher brasileira é assim. Rio de Janeiro/Brasília: Rosa dos Tempos/ NIPAS/UNICEF, 1994.

SCOTT, J. Gênero, uma categoria útil de análise histórica. Revista Educação e Realidade, v. 20, n. 2, p. 71–99, 1995.

TABAK, F.; TOSCANO, M. Mulher e política. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

VEIGA, M. Gênero: um ingrediente distintivo nas rotinas produtivas do jornalismo. In: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISADORES EM JORNALISMO, 2011, Brasília. Anais...Brasília: SBPJor, 2011. Disponível em: http://sbpjor.kamotini.kinghost.net/sbpjor/resumod.php?id=1222 Acesso em: 8 jul. 2015.

VEIGA, M. Masculino, o gênero do jornalismo: modos de produção das notícias. Florianópolis: Insular, 2014.

Publicado
2016-03-21
Como Citar
Martinez, M., Lago, C., & Lago, M. C. de S. (2016). Estudos de gênero na pesquisa em jornalismo no Brasil: uma tênue relação. Revista FAMECOS, 23(2), ID22464. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2016.2.22464
Seção
Jornalismo