Ainda somos os mesmos? Representações midiáticas da juventude em movimentos sociais, ontem e hoje

  • Cláudia da Silva Pereira Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RIO)
Palavras-chave: Juventude, Representação Social, Movimentos Sociais

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar as representações midiáticas das juventudes que se manifestaram pelas ruas do Brasil em três importantes momentos políticos, datados em 1968, 1988-1992 e 2013. Uma pesquisa documental coletou  matérias de revista e jornal, Veja e O Globo, respectivamente, que foram escolhidos por serem os veículos de maior circulação, nos dois meios de comunicação, em todos os períodos abordados. As dez matérias foram encontradas a partir de buscas nos acervos digitais disponibilizados na internet, em que palavras-chave como “juventude”, “revolta”, “movimentos sociais” e “manifestações” foram usados. A metodologia aplicada é a análise interpretativa a partir da Teoria das Representações de Serge Moscovici. O que se observa, em síntese, é que as revoltas estudantis de 1968 são recorrentemente lembradas, como referência histórica em tempos atuais, servindo para tornar familiar os fenômenos dos movimentos sociais que tomam de assalto a sociedade “adulta”. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudia da Silva Pereira, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RIO)
Professora e Pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da PUC-Rio

Referências

AYER, Alfred Jules. Linha renovada. O Globo, Rio de Janeiro, Geral, p. 1, 12 dez. 1968.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude. O tempo e o espaço no mundo estudantil. In: BRITTO, Sulamita de. Sociologia e Juventude, IV – Os movimentos juvenis. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1968.

BOURDIEU, Pierre. A ‘Juventude’ é apenas uma palavra. In: ______. Questões de Sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, p. 112-121, 1983.

______. Introdução a uma sociologia reflexiva. In:______. O Poder Simbólico. São Paulo: Ed. Bertrand Brasil, 1999.

DURKHEIM, Émile. Sociologia e filosofia. Rio de Janeiro e São Paulo: Ed. Forense, 1970.

EISENSTADT, Shmuel. Grupos informais e organizações juvenis nas sociedades modernas. In: BRITTO, Sulamita de. Sociologia e Juventude, IV – Os movimentos juvenis. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1968.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

HALL, Stuart; WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais.Petrópolis: Editora Vozes, 2000.

HOBSBAWN, Eric. Era dos extremos: o breve século XX – 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

MORIN, Edgar. Cultura de massas no século XX: o espírito do tempo. Vol. 2. Necrose. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

MOSCOVICI, Serge. Representações sociais: investigações em psicologia social. Petrópolis: Ed. Vozes, 2011.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu (org.); HALL, Stuart; WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Editora Vozes, 2000.

Publicado
2016-07-07
Como Citar
Pereira, C. da S. (2016). Ainda somos os mesmos? Representações midiáticas da juventude em movimentos sociais, ontem e hoje. Revista FAMECOS, 23(3), ID22285. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2016.3.22285
Seção
Mídia e Cultura