A construção da Constituição de 1988 aos olhos da imprensa

  • Cândida Emília Borges Lemos Centro Universitário UNA
Palavras-chave: Imprensa, Assembleia Constituinte, Democratização

Resumo

Este artigo analisa o desempenho jornalístico das revistas semanais brasileiras Istoé e Veja no período da Assembleia Constituinte de 1987/88 no Brasil. A imprensa é concebida como integrante da cultura política e social de um país. Portanto, é geradora de opiniões e visões de mundo, porém, ao mesmo tempo, reflete a dinâmica social e política. É a síntese de um determinado tempo histórico e contribui para a formação desse mesmo momento, ao criar referenciais ideológicos e valorativos na opinião pública. No período em tela, as discussões travadas na Assembleia Nacional Constituinte refletiam as forças políticas que atuavam na trama social em busca para se confeccionar um articulado constitucional. Neste contexto, cada votação refletia a disputa social, para além dos partidos políticos, no jogo de interesses de grupos e  segmentos sociais e suas ideologias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cândida Emília Borges Lemos, Centro Universitário UNA
Doutora em História pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Portugal, com tese defendida e aprovada em 31 de março de 2009. O diploma de Doutora foi revalidado no Brasil na Universidade de Brasília (UnB),  dezembro de 2009. Possui graduação em Comunicação Social, habilitação Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) (1979) e Mestrado em Ciência Política pela Universidade Federal de Minas Gerais (1988). Atualmente é professora Adjunta da UNA, Belo Horizonte, no Instituo de Comunicação e Artes. Foi professora da pós-graduação do curso Mídia Eletrônica: Rádio e TV do UNI-BH (2010-2013). Anteriormente, foi professora da Universidade Fumec, na Faculdade Estácio de Sá de Belo Horizonte e na PUC Minas, nos cursos de Comunicação Social.  Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em jornalismo e rádio. Assessoria de Comunicação em instituições públicas e privadas . Foi  Bolsista CNPq categoria DTI-1 do projeto Metodologia de Avaliação dos Resultados de Conjuntos de Projetos Apoiados por Fundos de Ciência, Tecnologia e Inovação ( maio de 2010 a agosto de 2011). Coordena, desde 2012, o Centro de Investigação da Mídia na UNA. Integra o Grupo de Pesquisa Produção Criativa do Instituto de Comunicação e Artes da UNA cadastrado no CNPq desde agosto de 2014.

Referências

ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. 2. ed., São Paulo: Nova Perspectiva, 1979.

BIRD, E.;DARDENE, R. Mito, registro e ‘estórias’: explorando as qualidades narrativas das notícias. In: TRAQUINA, N. (org.). Jornalismo: Questões, teorias e ‘estórias’, 1. ed., Vega: Lisboa, p. 263-277, 1993.

DAHL, Robert. Sobre a Democracia. Brasília: Editora UnB, 2001.

DIÁRIO DA ASSEMBLEIA NACIONAL CONSTITUINTE (DANC) Câmara dos Deputados, N15(15/2/87). Disponível em: http://imagem.camara.gov.br.

GARCIA, O. M.(1999). Comunicação em prosa moderna. 17. ed, Ed. FGV: Rio de Janeiro.

GUIMARÃES, V. Entrevista concedida à autora deste trabalho, Belo Horizonte (MG), 2008.

ISTOÉ. São Paulo: Lançamento Editorial: 1 maio 1976 .

ISTOÉ (3 de fevereiro de 1988), (10 de fevereiro de 1988), (16 de março de 1988), (30 de março de 1988), (18 de maio de 1988) (1 de junho de 1988), (15 de junho de 1988). Gazeta Mercantil Editora. São Paulo: n. 582; n. 583; n. 586; n. 588; n. 595; n. 597; n. 599.

HALL, S. et al. A produção social das notícias: o mugging nos media. In:TRAQUINA, N. (org.). Jornalismo: Questões, teorias e ‘estórias’, 1. ed., Lisboa:Vega, p. 224-248, 1993.

KINZO, M. D. Partidos, eleições e democracia no Brasil pós-1985. In: Revista brasileira de Ciências Sociais, v. 19, n. 54, p. 23-40, 2004.

KOCH, I. Introdução à linguística textual. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

LEI DE IMPRENSA – suspensão de artigos. Informativo do Controle Apoio Operacional das Promotorias criminais, do Júri e de execuções de pena. N. 77, 2008.

LEITE, P. M. Entrevista concedida à autora deste trabalho. Washington D.C., 2008.

MAINGUENEAU, D. Análise de textos de comunicação. 2. ed., São Paulo: Cortez, 2002.

O’DONNEL, G. Teoria Democrática e Política Comparada. Revista de Ciências Sociais, v. 42, n. 4, p. 577- 654, 1999.

RODRIGUES, A. D. O acontecimento. In: TRAQUINA, N. (org.). Jornalismo: Questões, teorias e ‘estórias’, 1. ed., Lisboa: Vega, p. 27-33, 1993.

SUPREMO revoga Lei de Imprensa. Folha de São Paulo, n. 29.264, 1 maio 2009.

TEIXEIRA, A. Entrevista concedida à autora deste trabalho. Brasília, 2008.

TUCHMAN, G. A objetividade como ritual estratégico: uma análise das noções de objectividade dos jornalistas. In: TRAQUINA, N. (org.). Jornalismo: Questões, teorias e ‘estórias’, 1. Ed., Vega: Lisboa, p.74-90, 1993.

VEJA (11 de setembro de 1968), (8 de junho de 1977), (6 de maio de1987), (16 de março de 1988), (20 abril de 1988), (4 de maio de 1988) (18 de maio de 1988) (6 de julho de 1988), (20 de julho de 1988). Editora Abril. São Paulo: n. 1, n. 457; n. 974; n. 1019, n. 1023; n. 1025, n. 1027, n. 1034.

Publicado
2015-11-10
Como Citar
Borges Lemos, C. E. (2015). A construção da Constituição de 1988 aos olhos da imprensa. Revista FAMECOS, 23(1), ID21448. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2016.1.21448
Seção
Comunicação Política