Representações sonoras do diabo no cinema: vozes múltiplas e músicas mínimas em O Exorcista

  • Rodrigo Carreiro Universidade Federal de Pernambuco
  • Suzana Reck Miranda Universidade Federal de São Carlos
Palavras-chave: Cultura pop, música, horror, diabo, análise fílmica

Resumo

O diabo tem sido, ao longo dos séculos, um dos personagens favoritos das artes figurativas, inclusive o cinema - que o tem representado de diversas maneiras e nos mais variados gêneros. Suas diferentes aparências vêm sendo documentadas e examinadas em detalhes, mas sua contraparte sonora não tem recebido a mesma atenção. É objetivo deste ensaio, portanto, examinar e discutir algumas das mais influentes maneiras como o diabo tem sido representado nos filmes, em termos sonoros. Faremos isso através da análise dos usos da voz, da música e dos efeitos sonoros em O Exorcista (William Friedkin, 1973). A escolha deste filme se deve à influência massiva que ele teve na representação do diabo no cinema de horror das últimas cinco décadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Carreiro, Universidade Federal de Pernambuco
Rodrigo Carreiro é professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco. É Mestre e Doutor em Comunicação pela UFPE. Pesquisa principalmente sobre filmes de horror, sound design e análise fílmica.
Suzana Reck Miranda, Universidade Federal de São Carlos
Suzana Reck Miranda é professora do Programa de Pós-Graduação em Imagem e Som da Universidade Federal de São Carlos. É Mestre e Doutora em Multimeios pela Unicamp. Pesquisa principalmente sobre música, som e cinema.

Referências

BECK, Jay. “William Friedkin’s The Exorcist and the Proprietary Nature of Sound”. In: Cinephile, vol.6, no 1, Spring, 2010, p. 4-10.

CARREIRO, Rodrigo. “Sobre o som no cinema de horror: padrões recorrentes de estilo”. Ciberlegenda, Rio de Janeiro (UFF), v. 1, 2011, p. 43-53. Disponível em: http://www.uff.br/ciberlegenda/ojs/index.php/revista/article/view/38.Acesso em: 30 maio 2015.

CARROLL, Noël. Interpreting the Movie Image. Cambridge University Press: United Kingdom, 1998.

CHERRY, Brigid. Horror: Routledge Film Guidebooks. London: Routledge, 2009.

CHION, Michel. The Voice on Screen. New York: Columbia University Press, 1999.

DOANE, Mary Ann. “A voz no cinema: a articulação de corpo e espaço”. In: XAVIER, Ismail (org.). A Experiência do Cinema. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1983.

DONNELLY, Kevin. The Spectre of Sound: music in film and television. London: BFI Publishing, 2005.

GUERRA, Felipe M. O Diabo Também é Brasileiro: a figura de Satanás no cinema nacional. 2011. 174 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Universidade Anhembi Morumbi, 2011.

KERMODE, Mark. The Exorcist: BFI Modern Classics. London: BFI Publishing, 1999.

KING, Claire S. “Ramblin' Men and Piano Men: Crises of Music and Masculinity in The Exorcist”. Music in the Horror Film: Listening to Fear (LERNER, N.). New York: Routledge, 2010.

LINK, Luther. O Diabo: A Máscara Sem Rosto. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

MITCHELL, Charles P. The Devil on Screen. New York: McFarland & Co., 2002.

MUCHEMBLED, Robert. Uma História do Diabo: Século XII a XX. Rio de Janeiro: Editora Bom Texto, 2001.

NEWMAN, Kim. Nightmare Movies: Horror on Screen Since the 1960s. London: Bloomsbury Publishing Co, 2011.

RAPPÉ, Erno. Encyclopedia of Music for Pictures. New York: Belwin, 1925 (reimpressão em 1970).

RICKELS, Lawrence. The Devil Notebooks. Minneapolis: University of Minneapolis Press, 2008.

SCHRECK, Nicholas. The Satanic Screen: an Ilustrated Guide to the Devil in Cinema. New York: Creation Books, 2001.

STANFORD, Peter. O Diabo: uma Biografia. Rio de Janeiro: Editora Gryphus, 2003.

WILKINS, Nigel. La Musique du Diable. Sprimont, Belgique: Mardaga, 1999.

WISNIK, José M. O Som e o Sentido. São Paulo: Circulo do Livro/Cia das Letras, 1989.

Publicado
2015-09-08
Como Citar
Carreiro, R., & Miranda, S. R. (2015). Representações sonoras do diabo no cinema: vozes múltiplas e músicas mínimas em O Exorcista. Revista FAMECOS, 22(4), 119-134. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2015.4.20990
Seção
Cinema