Cine Real: etnografia de uma sala de cinema para trabalhadores

  • Claudio Bertolli Filho Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Palavras-chave: autoetnografia, salas de cinema, trabalhadores

Resumo

O consumo social e cultural dos produtos cinematográficos ainda é pouco estudado pelos pesquisadores brasileiros, originando uma significativa lacuna sobre a importância do “ir ao cinema”, especialmente no referente aos grupos sociais subalternos. Este estudo utiliza os recursos e conceitos propostos pela autoetnografia, sendo que os  dados analisados foram obtidos mediante uma extensa série de diálogos, presenciais ou mediados por computador, travados entre cinco indivíduos que, acompanhados por suas famílias, frequentaram no decorrer da década de 1960 o Cine Real, localizado no município de São Caetano do Sul, estado de São Paulo. A frequência semanal ao cinema resultou em um conjunto de experiências culturais e estéticas que agitava o cotidiano das famílias trabalhadoras e deixou significativas marcas na trajetória de vida dos membros do grupo que colaborou com a pesquisa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudio Bertolli Filho, Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Livre-docente; docente no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e no Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência da Universidade Estadual Paulista

Referências

AGUIAR, José Vicente. Manaus: praça, café, colégio e cinema nos anos 50 e 60. Manaus: Valer/Governo do Estado do Amazonas, 2002.

BARCINSKI, André; FINOTTI, Ivan. Maldito: a vida e o cinema de José Mojica Marins, o Zé do Caixão. São Paulo: Ed. 34, 1998.

BOHRER, Karl Heinz. O ético no estético. In: ROSENFIELD, Denis L. (org.). Ética e estética. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: T.A. Queiroz, 1994.

CANEVACCI, Massimo. Antropologia do cinema: do mito à indústria cultural. São Paulo: Brasiliense, 1984.

CLIFFORD, James. Sobre a autoridade etnográfica. In: IDEM. A experiência etnográfica: a antropologia e literatura no século. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 1998. p. 63-99.

DEL CAIRO, Carlos; JARAMILLO MARÍN, Jefferson. Clifford Geertz y el ensamble de un proyecto antropológico. Tabula Rasa, Bogotá, n. 8, p. 15-41, ene./jun. 2008. Disponível em: http://www.revistatabularasa.org/numero-8/cairoJaramillo.pdf Acesso em: 21 ago. 2014.

GABLER, Neal. Vida – o filme. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

GARCÍA CANCLINI, Néstor. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. 7ª. ed. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2008.

GASTAL, Susana. Salas de cinema: cenários porto-alegrenses. Porto Alegre: Unidade, 1999.

GUIMARÃES, Eros Sester Prado. Cinefilia & gueto: notas sobre uma (auto)etnografia em um cinemão paulistano. In: III Seminário Internacional Enlaçando Sexualidades, 2013, Salvador. Anais... Salvador: Uneb, 2013. Disponível em: http://www.academia.edu/4004593/Cinefilia_and_gueto_-_Notas_sobre_uma_auto_etnografia_em_um_cinemao_paulistano Acesso em: 15 ago 2014.

KERCKHOVE, Derrick de. A pele da cultura: investigando a nova realidade eletrônica. São Paulo: Annablume, 2009.

KISHIMOTO, Alexandre. A experiência do cinema japonês no bairro da Liberdade. São Paulo. 2009. 390 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas , USP, São Paulo, 2009.

LÓPEZ QUINTÁS, Alfonso. La experiencia estetica y su poder formativo. Bilbao: Deusto, 2010.

MARTINS, José de Sousa. Subúrbio: vida cotidiana e história no subúrbio da cidade de São Paulo. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 2002.

MOURA, Bruna; LIMA, Caio; NASCIMENTO, Vanusa. Cenas do passado: história das salas de cinema de São Caetano do Sul. 2012. 50f. Monografia (Trabalho de conclusão de curso em Comunicação Social) – Faculdade de Comunicação Social, UMSC, São Caetano do Sul, 2012.

RANCIÈRE, Jacques. A fábula cinematográfica. Campinas: Papirus, 2013.

REYNOSO, Carlos. El lado oscuro de la descripción densa – diez años después. 2005. Disponível em: http://carlosreynoso.com.ar/archivos/carlos-reynoso-el-lado-oscuro-de-la-descripcion-densa-version-2007.pdf Acesso em: 28 ago 2014.

RUFINI, Claudinei. Os passatempos prediletos. Revista Raízes, São Caetano do Sul, n. 3, p. 39-42, jul 1990.

SALAS de cinema de São Paulo. Disponível em: http://salasdecinemadesp2.blogspot.com.br/ Acesso em: 14 ago 2014.

SCRIBANO, Adrian; SENA, Angélica de. Construción de conocimento em latinoamerica: algunas reflexiones desde la auto-etnografía como estratégia de investigación. Cinta de Moebio, n. 34, p. 1-15, mar. 2009. Disponível em: http://www.scielo.cl/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0717-554X2009000100001&lang=pt Acesso em: 15 ago. 2014.

SIMÕES, Inimá Ferreira. Salas de cinema em São Paulo. São Paulo: PW Editores; Secretaria Municipal de Cultural; Secretaria de Estado da Cultura, 1990.

WATSON, Julia. Toward an anti-metaphysics of autobiography. In: FOLKENFLIK, R. (ed.). The culture of autobiography: construction of self-representation. Stanford: Stanford University Press, 1993. p. 57-79.

Publicado
2015-07-03
Como Citar
Bertolli Filho, C. (2015). Cine Real: etnografia de uma sala de cinema para trabalhadores. Revista FAMECOS, 22(3), 110-128. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2015.3.19301
Seção
Mídia e Cultura