Formas do antecampo: performatividade no documentário brasileiro contemporâneo

  • André Brasil Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Cinema, Performatividade, Documentário brasileiro

Resumo

A partir da constatação de um regime performativo das imagens, desdobramos, neste artigo, a hipótese de que, no domínio do documentário, um relevante traço formal desta performatividade está na exposição do antecampo: trata-se de um espaço ético que não deixa de ser recurso estilístico e recurso estilístico que não deixa de ser espaço ético. Essa proposição se desenvolve desde o percurso por documentários brasileiros contemporâneos, em diálogo estreito com o repertório crítico acerca dos filmes: A falta que me faz (Marília Rocha, 2009), Os dias com ele (Maria Clara Escobar, 2013), Pacific (Marcelo Pedroso, 2009), Domésticas (Gabriel Mascaro, 2013), Jogo de Cena (Eduardo Coutinho, 2007), Moscou (Eduardo Coutinho, 2009), Bicicletas de Nhanderu (Ariel Ortega e Patrícia Ferreira, 2012).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Brasil, Universidade Federal de Minas Gerais

Professor e pesquisador do Departamento de Comunicação e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação pela Universidade Federal de Minas Gerais. Doutor pela Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Referências

AUMONT, Jacques. Lumière, ‘o último pintor impressionista’. In: O olho interminável. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

BAKHTIN, Mikhail. O marxismo e a filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1995.

BERNARDET, Jean-Claude. Cineastas e imagens do povo. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

BRASIL, André. Apresentação. In: Brasil, André. Teia 2002-2012. Belo Horizonte: Teia, 2012.

______. Bicicletas de Nhanderu: lascas do extracampo. In: Devires – Cinema e Humanidades, Belo Horizonte,

v. 9, n. 1, pp. 98-117, jan./jun. 2012.

______. Formas de vida na imagem: da indeterminação à inconstância. In: Revista Famecos, Porto Alegre,

v. 17, n. 2, p. 190-198, set./dez. 2010.

______. Pacific: o navio, a dobra do filme. In: Devires – Cinema e Humanidades, Belo Horizonte, v. 7, n. 2, p. 56-69, jan./jun. 2010.

CLIFFORD, James. A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: UFRJ, 2011.

COMOLLI, Jean-Louis. Aqueles que filmamos: notas sobre a mise-en-scène documentária. In: Ver e poder. Belo Horizonte: UFMG, 2008.

DUMANS, João Paulo. Um outro espaço. In: BRASIL, André. Teia 2002-2012. Belo Horizonte: Teia, 2012.

FELDMAN, Ilana. “Um filme de”: dinâmicas de inclusão do olhar do outro na cena documental. In: Devires – Cinema e Humanidades, Belo Horizonte, v. 9, n. 1, p. 50-65, jan./jun. 2012.

______. A ascensão do amador: Pacific entre o naufrágio da intimidade e os novos regimes de visibilidade. Ciberlegenda, Niterói, n. 26, p. 179-190, 2012.

______. Do inacabamento ao filme que não acabou. Revista Cinética: cinema e critica, 2009. Disponível em: <http://www.revistacinetica.com.br/moscouilana.htm>. Acesso em: 16 fev. 2013.

Revista FAMECOS Porto Alegre, v. 20, n. 3, p. 578-602, set./dez. 2013 601. Brasil, A. – Formas do antecampo Subjetividade.

GUIMARÃES, César; GUIMARÃES, Victor; LIMA, Cristiane. Mise en scène e experiência estética. O trabalho do espectador em A falta que me faz. In: E-compós – Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação, Brasília, v. 16, n. 1, jan./abr. 2013.

LINS, Consuelo. Santo Forte e a arte de filmar a palavra. In: O documentário de Eduardo Coutinho: televisão, cinema e vídeo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

MESQUITA, Cláudia. Os nossos silêncios: sobre alguns filmes da Teia. In: BRASIL, André. Teia 2002-2012. Belo Horizonte: Teia, 2012.

______. Um drama documentário? – Atualidade e história em A cidade é uma só? In: Devires – Cinema e Humanidades, Belo Horizonte, v. 8, n. 2, p. 48-69, jul./dez. 2011.

______. A superfície do cotidiano: uma aproximação a Acidente e Uma encruzilhada aprazível. In: LEAL, Bruno; GUIMARÃES, César; MENDONÇA, Carlos (Orgs.). Entre o sensível e o comunicacional. Belo Horizonte: Atêntica, 2010.

MIGLIORIN, Cezar. Impressões do crítico Cezar Migliorin sobre o filme “Os dias com ele”. Disponível em: <http://www.universoproducao.com.br/mostratiradentes/2013/noticia-detalhe.php?menu=not&codNot=353>. Acesso em: 23 out. 2013.

______. Negando o conexionismo: Notas flanantes e Sábado à Noite ou como ficar à altura do risco do real. Significação, São Paulo, n. 32, p. 101-116, 2009.

PASOLINI, Píer Paolo. O cinema de poesia. In: PASOLINI, Píer Paolo. Empirismo Herege. Lisboa: Assírio e Alvim, 1982.

SOUTO, Mariana. O direto interno, o dispositivo de infiltração e a mise-en-scène do amador: Notas sobre Pacific e Domésticas. In: Devires – Cinema e Humanidades, Belo Horizonte, v. 9, n. 1, p. 66-85, jan./jun. 2012.

WAGNER, Roy. A invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

XAVIER, Ismail. Indagações em torno de Eduardo Coutinho e seu diálogo com a tradição moderna. In: MIGLIORIN, Cezar. Ensaios no real: o documentário brasileiro hoje. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2010.

Publicado
2014-01-13
Como Citar
Brasil, A. (2014). Formas do antecampo: performatividade no documentário brasileiro contemporâneo. Revista FAMECOS, 20(3), 578-602. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2013.3.14512
Seção
Subjetividade