As crises silenciadas pela modernidade e pelas tecnologias da cultura da virtualidade real

  • Maria Christianni Coutinho Marçal UFPE
  • Sérgio Carvalho Benício de Mello UFPE
  • Maria Iraê de Souza Corrêa Universidade Rural Federal de Pernambuco.
Palavras-chave: Modernidade, cultura virtual, real

Resumo

Esse artigo visa refletir as crises presentes em nossa cultura contemporânea impregnada pela modernidade e pelos meios de comu-nicação e digitalização que daquela emanam. A primeira crise que refletimos foi a da quebra da promessa da modernidade que se embasava em progresso, democracia e emancipação do homem. A outra crise a qual nos referimos se dá devido à interferência que as tecnologias promovem no âmbito da percepção humana gerando uma espécie de “cegamento” que objetiva, reifica e unifica as representações dos fenômenos cotidianos interpelando e desestabilizando os referenciais éticos e estéticos que dão sentido às experiências e que constroem a subjetividade humana, as relações sociais e a vida política, nos fazendo repensar o que vem a ser considerado o real.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAUDRILLARD, Jean. Simulacros e Simulação. Lisboa: Relógio D’Água Editores, 1991.

______. Tela Total – Mito-Ironias da Era do Virtual e da Imagem. Porto Alegre, 1999.

BERGER, Peter L.; LUCKMANN, Thomas. Modernidade, pluralismo e crise de sentido: A orientação do homem moderno. Petrópolis: Vozes, 2004.

BRASIL, André. O Virtual Desbotado das Webcams. Disponível em: http://bocc.ubi.pt/pag/brasil-andre-virtualdesbotado-das-webcams.html#foot818#foot818 Acesso em: 07 dez. 2008.

CASALEGNO, Frederico. Sherry Turkle: fronteiras do real e do virtual. Revista FAMECOS, Porto Alegre, n. 11, dez. 1999.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede – a era da informação: economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

_____. A galáxia da Internet. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a filosofia. Rio de Janeiro: Editora 34, 1993.

LÉVY, Pierre. O que é o virtual? São Paulo: Editora 34, 1996.

MARÇAL, Maria Christianni C.; MELLO, Sérgio C.B.; CORRÊA, Maria Iraê S. Refletindo a tecnocultura e o culto ao corpo “Próprio”... Sobre a hibridização da técnica com o vivente. In: III ENECULT, 2007, Salvador. Anais... Salvador: UFBA, 2007.

MARÇAL, Maria Christianni C; MELLO, Sérgio C.B.; GUERRA, José Roberto Ferreira. Cultura e virtualidade real: um estudo sobre o consumo na Lan House. In: II ENECULT, 2006, Salvador. Anais... Salvador: UFBA, 2006.

MARTIN-BARBERO, Jesus. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2003.

NÁSIO, Juan-Daid. Cinco lições sobre a teoria de Jacques Lacan. Rio de Janeiro: Zahar, 1993.

PLASTINO, Carlos A. O primado da afetividade: a crítica freudiana ao paradigma moderno. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2001.

RALEIRAS, Mônica. Recensão da obra “A vida no écrã. A identidade na era da internet”, de Sherry Turkle. Sísifo – Revista de Ciências da Educação, n. 3, maio/ago. 2007. Disponível em: http://sisifo.fpce.ul.pt Acesso em: dez. 2008.

SLATER, Don. Cultura do consumo e modernidade. São Paulo: Nobel, 2002.

TOURAINE, Alain. Crítica da modernidade. Petrópolis: Vozes, 1994.

VIRILIO, Paul.O espaço crítico. Rio de Janeiro: Editora 34, 1993.

______. A máquina de visão. Tradução: Paulo Roberto Pires. Rio de Janeiro: José Olympio, 1994.

______. A arte do motor. Tradução: Paulo Roberto Pires. São Paulo: Estação Liberdade, 1996.

______. The Virilio reader. James Der Derian/Blackwell Publishers, 1998.

ZIZEK, Slavoj. The plague of fantasies. London: Verso. 1997.

Como Citar
Marçal, M. C. C., de Mello, S. C. B., & Corrêa, M. I. de S. (2012). As crises silenciadas pela modernidade e pelas tecnologias da cultura da virtualidade real. Revista FAMECOS, 19(1), 249-263. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2012.1.11351
Seção
Imagens